OS BEBÊS E A CRECHE: REFLEXÕES SOBRE O DIREITO À QUALIDADE DAS INTERAÇÕES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2020.46228

Palavras-chave:

Bebês, Creche, Educação Estética, Currículo, Interações

Resumo

O artigo discute o conceito de bebê enquanto sujeito de ação e direitos, dialogando com a concepção de creche como um espaço no qual a Educação se materializa nas práticas sociais, apostando no fortalecimento dos vínculos em prol dos direitos infantis. Observando situações concretas de interação registradas em uma Creche Municipal do Rio de Janeiro, analisamos que a construção de um olhar para os bebês enquanto sujeitos requer uma presença atenta e sensível do educador, o que envolve as condições de trabalho e reflete na qualidade das interações intersubjetivas. Apostamos na estesia das relações para a possibilidade de um novo olhar e a construção de um trabalho dedicado, sutil que considere as potencialidades dos bebês no encaminhamento das propostas educativas que os envolvam.


Biografia do Autor

Michelle Dantas Ferreira, Secretaria Municipal de Educação (SME/RJ) e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Mestranda em Educação pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professora da Prefeitura do Rio de Janeiro há 17 anos, ocupando atualmente a função de Diretora Adjunta de um Centro Integrado de Educação Pública (CIEP). Pesquisadora do Grupo FRESTAS (Formação e Ressignificação do Educador: Saberes, Arte, Troca, Sentidos) vinculado ao NINA (Núcleo Infância, Natureza e Arte) na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

Edilane Oliveira da Silva, Secretaria Municipal de Educação (SME/RJ) e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Mestranda em Educação pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Especialista em Docência na Educação Infantil (UFRJ). Pesquisadora, desde 2013, do grupo FRESTAS (Formação e Resignificação do Educador: Saberes, Troca, Arte e Sentidos), pertencente ao Núcleo Infância, Natureza e Arte (NINA), vinculado à UNIRIO. Professora da Educação Básica do Município do Rio de Janeiro (Educação Infantil).

Livia Larissa de Lima Lage, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Lívia Lage é Mestre em Educação pela PUC-Rio (2018). Especializou-se em Educação Infantil pela PUC-RJ (2013). Tem licenciatura em Dança Contemporânea pela Faculdade Angel Vianna - RJ (2009). Formou-se professora da Técnica Alexander , no Alexander Technique Studio - Londres (2002); essa prática constitui referência de suas reflexões e ações sobre as interações corpo, educação e espaços educativos. Atua como professora de linguagem corporal na Educação Infantil desde 2010. É pesquisadora do grupo de pesquisa FRESTAS, vinculado à UNIRIO, desde 2016.

Referências

BARROS, Manoel de. Exercícios de ser criança. Rio de Janeiro: Salamandra, 1999.

BRASIL. [Constituição 1988] Constituição da República Federativa do Brasil [recurso eletrônico]. Brasília: Supremo Tribunal Federal, Secretaria de Documentação, 2018.

BRASIL. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 16 jul. 1990.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, v. 1, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica – Brasília: MEC/SEB, v. 1, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Subsídios para Diretrizes Curriculares Nacionais Específicas da Educação Básica. Brasília: MEC/SEB, 2009a.

BRASIL. Ministério da Educação. Práticas Cotidianas na Educação Infantil – bases para a reflexão sobre as Orientações Curriculares – Projeto de Cooperação Técnica MEC e UFRGS para Construção de Orientações Curriculares para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2009b.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB n. 20, de 11 de novembro de 2009. Revisa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 9 dez. 2009c, Seção I, p. 14.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.

BRASIL. Lei nº 12.796 de 4 de abril de 2013. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 5 abr. 2013.

BRASIL. Lei nº 13.257 de 8 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, a Lei nº 11.770, de 9 de setembro de 2008, e a Lei nº 12.662, de 5 de junho de 2012. Diário Oficial da União, Brasília, 9 mar. 2016.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2017.

CANARIO, Rui. O que é escola? Um olhar sociológico. Porto, Portugal: Porto Editora, 2005.

CHOKLER, Myrtha Hebe. La aventura dialógica de la infancia. Comentários de Bernard Aucouturier; Prólogo de Ivan Derrault Harris; Daniel Camels. 1ª edición especial. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Cinco, 2017.

DAHLBERG, Gunilla; MOSS, Peter; PENCE, Alan. Construindo a primeira infância: o que achamos que isto seja. In: Qualidade na educação da primeira infância: perspectivas pós modernas. Porto Alegre: Artmed, 2003.

FALK, Judit (Org.). A estabilidade por meio da continuidade e qualidade dos cuidados e das relações. In: Abordagem Pikler: educação infantil. 2.ed. tradução de Guillermo Blanco Ordaz. São Paulo: Ominisciência, 2010.

HERMANN, Nadja. Ética e estética: a relação quase esquecida. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005. (Coleção Filosofia)

HORN, Maria da Graça Souza. O papel do espaço na formação e transformação da ação pedagógica do educador infantil. 2003. 151 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

KRAMER, Sonia. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

KUHLMANN JUNIOR, Moysés. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. 7 ed. Porto Alegre: Mediação, 2015.

LEITE, FILHO Aristeo; NUNES, Maria Fernanda. Direitos da criança à educação infantil: reflexões sobre a história e a política. In: KRAMER, Sonia; NUNES, Maria Fernanda; CARVALHO, Maria Cristina (Orgs.). Educação Infantil: Formação e responsabilidade. 1. ed. Campinas, SP: Papirus, 2013.

OSTETTO, Luciana Esmeralda. Educação Infantil e Arte: Sentidos e Práticas Possíveis. Acervo digital UNESP, mar. 2011. Disponível em: https://acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/320/1/01d14t01.pdf

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. A avaliação na Educação Infantil. Rio de Janeiro, jul. 2013.

____________. Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI): modelo conceitual e estrutura. Rio de Janeiro, fev. 2010.

____________. Orientações para a organização da sala na Educação Infantil: ambiente para a criança criar, mexer, interagir e aprender. Rio de Janeiro, mar. 2013.

____________. Orientações para profissionais da Educação Infantil. Rio de Janeiro, jul. 2010.

____________. Orientações ao Professor de Pré-escola I e II. Rio de Janeiro, 1º semestre de 2013.

____________. Planejamento na Educação Infantil. Cadernos Pedagógicos, vol. I, Rio de Janeiro, fev. 2011.

____________. Resolução nº 1427, de 24 de outubro de 2016. Dispõe sobre a estrutura de atendimento, organização de turmas, horário de funcionamento e Matriz Curricular das Unidades Escolares da Rede Pública de Ensino da Cidade do Rio de Janeiro, e dá outras providências. Diário Oficial do Município, Rio de Janeiro, 26 out. 2016.

SOUZA, Solange Jobim. Re-significando a psicologia do desenvolvimento: uma contribuição crítica à pesquisa da infância. In: KRAMER, Sonia; LEITE, Maria Isabel. (Orgs.). Infância: fios e desafios da pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 1996. (Prática Pedagógica).

SZANTO-FEDER, Agnès; TARDOS, Anna. O que é autonomia na primeira infância? In: FALK, Judit. Educar os três primeiros anos: a experiência de Lóczy. Araraquara, SP: Junqueira&Marin, 2011.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

21-05-2020

Como Citar

FERREIRA, Michelle Dantas; SILVA, Edilane Oliveira da; LAGE, Livia Larissa de Lima. OS BEBÊS E A CRECHE: REFLEXÕES SOBRE O DIREITO À QUALIDADE DAS INTERAÇÕES. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 627–652, 2020. DOI: 10.12957/riae.2020.46228. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/46228. Acesso em: 13 jul. 2024.