O “ENSINO ” DE LITERATURA (LEGENTE E GRUPO) CONTRA O GENOCÍDIO DO INDÍGENA BRASILEIRO

Autores

  • Kleber Bezerra Rocha Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.74714

Palavras-chave:

Indígena. Genocídio. Literatura. Ensino.

Resumo

O apagamento da cultura e o genocídio dos povos indígenas brasileiros são motivos para um necessário resgate e valorização desses nas mídias e principalmente na educação. Nesse sentido, é importante reposicionar personagens como Peri e Iracema por conta do que foi velado pela colonização. E divulgar autoras como Sony Ferseck, que traz uma poesia feminina ligada a uma verdade cingida na natureza; e Maria Muniz Andrade, que numa narrativa confessional se mostra e a seu povo, isso para o “ensino” de literatura contra o genocídio indígena pela perspectiva de quem lê e dos grupos que eles participem. E para o embasamento teórico dessa pesquisa são usados os autores Rildo Cosson (2006), que direciona o ensino de literatura; Antônio Paulo Graça (1998), que mostra o genocídio na literatura brasileira; Paulo Freire (2022) e bell hooks (2017), que ampliam a visão sobre o ensino-aprendizagem; e Asad Haider para discutir sobre identidade.

Biografia do Autor

Kleber Bezerra Rocha, Universidade Federal do Ceará

Formado em Letras, especialista em Estudos Clássicos, mestre e doutorando em Letras pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Foi por onze anos professor de Língua Grega na Universidade Estadual do Vale do Acaraú. Há mais de 24 anos exerce a função de professor de Língua Portuguesa.

Referências

ALENCAR, José de. Iracema. 4ª ed. São Paulo: Editora Moderna, 2012.

ANTUNES, Benedito. O ensino de literatura hoje. Revista FronteiraZ, nº 14, julho de 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

CAMINHA, Pero Vaz de. Carta ao rei Dom Manuel. 4ª ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2009.

DALCASTAGNÉ, Regina. Ausências e estereótipos no romance brasileiro das últimas décadas: alterações e continuidades. Letras de hoje, vol. 56, n. 1, 2021. Disponível em:https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/fale/article/view/40429. Acesso em: 01/11/2022.

ESBELL, Jaider. Índios; identidade, artes, mídias e conjunturas. In: Poesia indígena hoje. Vol. 22, n. 2, maio-agosto, 2016.

FERSECK, Sony. Weiyamî: mulheres que fazem sol. Boa Vista, RR: Wei Editora, 2022.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GRAÇA, Antônio Paulo. Uma Poética do Genocídio. Rio de Janeiro: Topbooks Editora, 1998.

GRAÚNA, Graça. Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2013.

GREEN, A. “Atomo de parentesco y relaciones edipicas”. In: LÉVI--STRAUSS, C. (Org.). La identidad. Barcelona: Petrel, 1981.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: educação como prática da liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

LIMA, Ellen. Ixé ygara voltando pra ‘y’kûá: sou canoa voltando pra enseada do rio. Cotia, SP: Urutau, 2021.

MACHADO, R.C.M.; SILVA, D.V.S. Ensino de literaturas e decolonialidade: por uma educação literária democrática. Gragoatá, Niterói, v.26, n.56, p. 1207-1240, 2021.

MILANEZ, Felipe; et al. Existência e diferença: o racismo contra os povos indígenas. Rev. Direito Práx., Rio de Janeiro, vol. 10, n. 3, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rdp/a/3SxDNnSRRkLbfh3qVFtmBDx/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 01/11/2022.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. Kruk, Kuruk, Kuruca: genocídio e tráfico de crianças no Brasil imperial. História Unisinos, vol. 24, n. 3. Setembro – dezembro de 2020.

POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global, 2004.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Trad. de Lilian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

SAAVEDRA, Carola. Literatura e arte indígena no Brasil. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n.33, 2020. Disponível em: https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/686/484. Acesso em: 01/11/2022.

SILVA, Claudicélio Rodrigues da. “A literatura vai à escola, mas será que ela entra?. In. SIQUEIRA, Ana Márcia Alves (Org.). Literatura e ensino: reflexões, diálogos e interdisciplinaridade. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2016.

TAKARIJU, Felipe Coelho Iaru Yê. Alienindi: Os portais do mundo. Ponta Grossa: UEPG-PROEX, 2021. Disponível em: file:///C:/Users/klebe/Downloads/Alienindi-Os-portais-dos-mundos-ebook%20(1).pdf. Acesso em:02/03/2023.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. No Brasil, todo mundo é índio, exceto quem não é. PIB-Socioambiental, 2006. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/files/file/PIB_institucional/No_Brasil_todo_mundo

%C3%A9_%C3%ADndio.pdf. Acesso em: 22/11/2022.

Downloads

Publicado

2023-08-04

Como Citar

ROCHA, Kleber Bezerra. O “ENSINO ” DE LITERATURA (LEGENTE E GRUPO) CONTRA O GENOCÍDIO DO INDÍGENA BRASILEIRO. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 203–219, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.74714. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/74714. Acesso em: 25 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo Seção Temática