O ENSINO DA HISTÓRIA INDÍGENA NO BRASIL: A REPRESENTAÇÃO DOS POVOS ORIGINÁRIOS DA DITADURA A ERA DIGITAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.73072

Palavras-chave:

Historia de Brasil, Enseñanza de la Historia, Historia Indígena, Cibercultura, Pueblos originarios.

Resumo

O presente artigo visa pensar o ensino da História indígena no Brasil, para analisar, por um viés comparativo, a maneira como os povos originários eram representados em livros didáticos do período da Ditadura Militar, conforme representados em livros didáticos atuais, este ensaio teórico visa ampliar os debates em defesa do ensino decolonial de História, e amplificar as vozes indígenas. Sob a luz de Darcy Ribeiro (2006), Burke (2000), Prezia e Hoornaert (2000) e Grupioni (1992), realizaram-se reflexões acerca das influências que ambos momentos históricos têm na elaboração dos materiais didáticos e como carregam os discursos identitários vigentes de cada período. Com as elucidações sobre o tema e propostas pautadas em políticas públicas e práticas pedagógicas do passado e do presente para construção e ressignificação da comunidade indígena, pode-se concluir que, para a expansão das discussões nas redes sociais como espaços de luta e resistência para essas etnias, os líderes expoentes de suas comunidades precisam ganhar mais voz ativa e fazer parte respeitando a história anterior que já possuem.

Biografia do Autor

Larissa Dias Reis, FIC

Larissa Dias Reis (REIS,LD)  graduada de Licenciatura em História pela Faculdades Integradas Campo-grandense (FEUC-FIC)1.Ao longo da graduação, complementou a sua experiência formativa através do programa Residência Pedagógica (R.P). Como bolsista, atuou nos anos finais do ensino fundamental e ensino médio, ao longo de 2 anos. Também titulada como professora dos anos iniciais, através do curso de magistério cursado no Colégio Santa Maria. Atualmente, exerce a função de Docente I na Prefeitura de Angra dos Reis - RJ.

Scheyla Taveira da Silva, FIC


Historiadora. Doutoranda em História pela UFRRJ, na linha de pesquisa "Relações de poder, linguagem e história intelectual" sob a orientação da professora Drª Margareth de Almeida Gonçalves. É mestra em História pela UFFRJ (2019 - linha de pesquisa "Relações de poder, linguagem e história intelectual"), possui especialização em História do Brasil: cultura, política e sociedade pela UCP (2015), graduação em História pela UVA (2005) e graduação em Direito pela UNESA (1998). Participa do Grupo de Trabalho "Gênero e Sexualidade: abordagens em teoria e historiografia" do PPGHIS/UFRRJ. Servidora da SEEDUC-RJ, investida como professora docente I, desde 2011, atualmente leciona no ensino médio. Tem experiência com o ensino fundamental segundo ciclo. É professora no curso de graduação em História nas Faculdades Integradas Campo-Grandenses (FIC), desde 2019. Atua como Docente Orientadora Voluntária, do Programa Residência Pedagógica Interdisciplinar (CAPES/FIC), Subprojeto História. É tutora em EAD pela Pró-Reitoria de Extensão da UFF (Lantes-UFF). Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil colonial, atuando principalmente nos seguintes temas: Igreja Católica, conventos, vida religiosa feminina, mulheres, poderes locais.

Daniella Cristine da Silva Alvim, UFRJ

Mestranda no Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Linguística Aplicada (PIPGLA) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Membro do Grupo de Pesquisa PLELL - Práticas de Letramentos na Ensinagem de Línguas e Literaturas, com interesse de pesquisa em práticas de letramento(s) em documentos oficiais da educação, especialmente na Base Nacional Comum Curricular. Especialista em Língua Portuguesa pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), atua como docente na rede pública municipal de Maricá. Graduada em Letras Português-Literaturas pela UFRJ, atuou como bolsista CAPES de Iniciação à Docência (PIBID - Literaturas), com experiência na área de formação do leitor literário.

Referências

ADICHIE, C. N. O Perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

AZEVEDO, G; SERIACOPI, R. História Passado e Presente: dos primeiros humanos ao renascimento. Volume 2. São Paulo: Editora Ática, 2017.

BITTENCOURT, F. Reflexões sobre o ensino de História. Revista Estudos Avançados, av. 32 (93). São Paulo, 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BREIS, L. Ensino Decolonial aos educadores do campo: uma perspectiva da licenciatura em educação do campo da UFPR. Revista Divers@! UFPR, v. 14, n. 2, p. 46, 2021.

BURKE, P. Variedades de história cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

DAVIS, S. H. Vítimas do milagre: o desenvolvimento e os índios do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1978.

ESCOLA ESTADUAL INDÍGENA KIJÊTXAWÊ ZABELÊ. Projeto Político-Pedagógico. Prado: 2010.

FERREIRA, M. K. L. Ideias matemáticas de povos culturalmente distintos. São Paulo: Global Editora. FAPESP: MARI, 2002.

‌FREIRE, C. A. da R. A construção do Brasil e a causa indígena. Brasília: Abravideo, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2019.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro; São Paulo: Paz & Terra, 2014.

GADOTTI, M. Educação e Poder: Introdução à pedagogia do conflito. São Paulo: Editora Cortez, 2003.

GALACHE, G.; ZANUY, F.; PIMENTEL, M. T. Construindo o Brasil: educação moral, cívica e política. 2. ed. São Paulo: ed. Loyola, 1971.

‌GRUPIONI, L. D. B. (org.). Índios no Brasil. Brasília: Global editora, 1992.

GRUPIONI, L. D. B.; SECCHI, D.; GUARANI, V. Legislação escolar indígena. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/vol4c.pdf>. Acesso em: 28 jun. 2023.

IASI, M. Consciência e ideologia. [s.l.] Cortez Editora, 2023.

‌KAÊ G. P; DJ B - Mãos Vermelhas | Sofar Rio de Janeiro. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=P9aAhuJLnt0>. Acesso em: 28 ago. 2022.

MICHALANY, D.; RAMOS, C. de M. Educação moral, cívica e política. 2 eds. São Paulo: Editora Michalany, 1971.

ORSO, P. J.; RODRIGUES GONÇALVES, S.; MARIA MATTOS, V. (orgs.). Educação e lutas de classe. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2008.

PAULO; LUIZ, J.; PEREIRA, M. Decolonialidade a partir do Brasil - Volume I. [s.l.] Editora Dialética, 2020.

PREZIA, B. A. G; HORNAERT, E. Brasil indígena: 500 anos de resistência. São Paulo: FTD, 2000.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia Das Letras, 2006.

SILVA, K.; BICALHO, P. Uma abordagem decolonial da história e da cultura indígena: entre silenciamentos e protagonismos. Revista Crítica Cultural – Critic, Palhoça, SC, v. 13, n. 2, p. 245-254, jul./dez. 2018.

SILVA, V. L. da. PPP da Escola Estadual Indígena Kijêtxawê Zabelê: a narrativa de um sonho. Revista de Ciências Sociais. Fortaleza, v. 50, n. 3, nov. 2019/fev. 2020, p. 29–72.

SILVA, V. L. da. Fogo de 51: Uma narrativa da dor do povo pataxó da Bahia. Revista Escrita, v. 2013, n. 16, 10 set. 2013.

SOUTO MC - Retorno. Álbum Ritual. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=eqAzP96ZMSo>. Acesso em: 28 ago. 2022.

Downloads

Publicado

2023-08-04

Como Citar

REIS, Larissa Dias; DA SILVA, Scheyla Taveira; ALVIM, Daniella Cristine da Silva. O ENSINO DA HISTÓRIA INDÍGENA NO BRASIL: A REPRESENTAÇÃO DOS POVOS ORIGINÁRIOS DA DITADURA A ERA DIGITAL. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 257–270, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.73072. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/73072. Acesso em: 1 mar. 2024.