DO CAPIM DOURADO AO GEOGEBRA: A GEOMETRIA PRESENTE NOS ARTESANATOS AKWĒ-XERENTE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.73036

Palavras-chave:

Artesãs Akwē˗Xerente. Etnomatemática. Geometria em Cestarias. GeoGebra. Tecnologias Digitais.

Resumo

O povo indígena Akwē˗Xerente, localizado no estado do Tocantins, desenvolve diversas atividades oriundas de sua cultura originária, dentre elas, a confecção de artesanatos com as fibras de capim dourado, que evidenciam aspectos geométricos; essa evidência de aspectos pode ser utilizada em sala de aula para o ensino da Matemática. Com base nesse contexto sociocultural, este texto tem como objetivo refletir sobre as práticas educacionais para o ensino de Geometria Euclidiana Plana por meio das relações entre a Etnomatemática, as Tecnologias Digitais e os aspectos geométricos identificados em uma cestaria produzida pelas artesãs Akwē˗Xerente. Para tanto, adota-se, como caminho metodológico, a abordagem qualitativa da pesquisa etnográfica, sendo   um desdobramento de uma investigação mais ampla que está sendo desenvolvida no curso de mestrado acadêmico do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGecim), da Universidade Federal do Norte do Tocantins (UFNT). Como resultado, constatou-se a possibilidade de explorar as Tecnologias Digitais para potencializar o ensino e a aprendizagem da Matemática no contexto indígena por meio do uso do software GeoGebra.

Biografia do Autor

Wesley Coelho de Sousa, Universidade Federal do Norte do Tocantins

Atualmente está vinculado ao Curso de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática - PPGecim/UFNT e ao Grupo de Estudos e de Pesquisas em Sistemas Socioculturais de Educação Matemática - SISMAT. Possui Graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Norte do Tocantins - UFNT - CCI Cimba (2021), Graduação em Sistema de Informação pelo Centro Universitário Tocantinense Presidente Antônio Carlos (2013); Desenvolve trabalhos com arte visual e designer gráfico. Desenvolve pesquisas voltadas a educação matemática, Etnomatemática, modelagem matemática, desenvolvimento de software e designer.

Elisângela Aparecida Pereira de Melo, Universidade Federal do Norte do Tocantins

Possui graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Fundação Universidade do Tocantins (2002), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2007) e doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas pela Universidade Federal do Pará (2016). Atualmente é estágio de docência assistida da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e professora efetiva da Universidade Federal do Tocantins. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino de matemática, educação matemática, etnomatemática, educação indígena e educação etnomatemática.

Referências

ANGROSINO, M. Etnografia e observação participante: coleção pesquisa qualitativa. Porto Alegre - RS: Bookman Editora, 2009.

BACURY, G. R; MELO, E. A. P. Ensino e aprendizagem das matemáticas com indígenas do Alto Rio Negro/AM da Universidade Federal do Amazonas. Educação Matemática em Revista, Brasília, DF, v. 23, n. 60, p. 157-168, out./dez. 2018. Disponível em: http://www.sbem.com.br/revista/index.php/emr/article/view/1347. Acesso em: 10 jan. 2023.

BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto: imagem e som: um manual prático. 7. ed. Petrópolis RJ: Vozes, 2008.

BISHOP, Alan J. Enculturación matemática: la educación matemática desde una perspectiva cultural. Grupo Planeta (GBS), 1999.

BORBA, Marcelo de Carvalho; DA SILVA, Ricardo Scucuglia Rodrigues; GADANIDIS, George. Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática: sala de aula e internet em movimento. Autêntica Editora, 2020.

BURKE, P. Hibridismo cultural. São Leopoldo RS: Unisinos, 2010.

CUNHA, Aldrin Cleyde. Contribuição da etnomatemática para a

manutenção e dinamização da cultura Guarani e Kaiowá na formação inicial de professores indígenas. Education Policy Analysis Archives, v. 28, p. 154-154, 2020.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 6. ed. Belo Horizonte: Autêntica. 2020.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GERDES, P. Simetrias em esteiras entrecruzandas por mulheres Yombe da região do Baixo Gongo: sobre a interacção entre valores culturais e possibilidades matemático-técnicas. In: GERDES, P. (Org.). Etnomatemática: reflexões sobre matemática e diversidade. Ribeirão: Edições Húmus, LDA, 2007. p. 65-99.

LEMOS, A. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. 5. ed. 2010

LESCANO, C. P. Tavyterã Reko Rokyta: os pilares da educação Guarani Kaiowá nos processos próprios de ensino e aprendizagem. Dissertação de Mestrado. Universidade Católica Dom Bosco. Campo Grande, 2014.

MELO, E.A.P. Sistema Xerente de Educação Matemática: negociações entre práticas socioculturais e comunidades de prática. 2016. Tese de Doutorado. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas) – Universidade Federal do Pará, Belém. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/906 Acesso em: 05 jan. 2023.

OLIVEIRA, Maria Marly. Como fazer pesquisa qualitativa. 7. ed. Petrópolis: Vozes. 2016.

PUENTES, R. V. Tecnologias de informação e comunicação no ensino de Matemática. 2017. 69 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação)-Curso de Matemática, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/25245/1/Tecnologias%20de%20informacao%20e%20comunicacao.pdf. Acesso em: 05 jan. 2023

Downloads

Publicado

2023-08-04

Como Citar

DE SOUSA, Wesley Coelho; APARECIDA PEREIRA DE MELO, Elisângela. DO CAPIM DOURADO AO GEOGEBRA: A GEOMETRIA PRESENTE NOS ARTESANATOS AKWĒ-XERENTE. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 149–166, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.73036. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/73036. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo Seção Temática