ANÁLISE DO WEBSITE DO POVO ASHANINKA DO RIO AMÔNIA: TECENDO SABERES NO CIBERESPAÇO PARA A INTERCULTURALIDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.72404

Palavras-chave:

Povos indígenas, Povo Ashaninka, usabilidade do website, interculturalidade.

Resumo

Este trabalho é parte de uma dissertação de mestrado desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Educação, na especialidade de Tecnologia Educativa, pela Universidade do Minho (Portugal), cujo projeto de pesquisa tinha por objetivo principal compreender o cenário de integração das tecnologias de informação e comunicação (TIC) na educação dos povos indígenas do Brasil e o contexto desta integração no caso específico do povo Ashaninka do rio Amônia. Neste texto apresentamos uma parte da pesquisa, a que diz respeito à análise do website do povo Ashaninka como um etno-espaço que possibilita a tessitura de saberes no ciberespaço para a interculturalidade. Porém, antes dessa análise, para contextualizarmos a temática, faremos uma breve incursão sobre as políticas de inclusão digital dos povos indígenas e o protagonismo indígena no uso da internet.  Partindo depois para a abordagem do website do povo Ashaninka, fazemos a análise  do seu conteúdo e do design gráfico da interface recorrendo a critérios de usabilidade recomendados pela literatura do webdesign. Os resultados apontam que a comunidade indígena vem introduzindo as TIC como uma janela para o mundo intercultural, possibilitando construir saberes entre não indígenas e o povo Ashaninka, visando romper com estereótipos e preconceitos que estigmatizam as populações indígenas, a partir da divulgação da sua cultura, espiritualidade, artes e tradições.

Biografia do Autor

Sonaira de Araújo Moura, Universidade do Minho

Licenciada em História pela Universidade Federal do Estado do Acre (UFAC), especialista em história do Brasil pela Universidade Cândido Mendes (UCAM-RJ), Mestre em Ciências da Educação e doutoranda em Ciências da Educação, na especialidade de Tecnologia Educativa pela Universidade do Minho (UMINHO).

Luiz Eduardo Guedes, Universidade Federal do Acre

Doutorando em Letras: Linguagem e Identidade pela Universidade Federal do Acre - UFAC, Mestre em Letras pela Universidade Federal de Rondônia – UNIR (2018), Graduação em Letras Inglês e Respectivas Literaturas pela Universidade Federal do Acre – UFAC. Possui Certificação de “Teaching English to Speakers of Other Languages (TESOL)” pela Northern Virginia Community College (2016), com fomento da CAPES, em Alexandria, Estados Unidos e IELTs Prep pela Saint George International School (2019), em Toronto, Canadá. Durante a graduação, foi Professor Bolsista do Programa Idiomas sem Fronteiras da Universidade Federal do Acre. Atualmente, é Professor de Língua Inglesa do Instituto Federal do Acre, onde também atua como Assessor de Relações Internacionais, já tendo exercido a função de Coordenador do Centro de Idiomas da Reitoria. Ainda, é membro da coordenação do Fórum de Relações Internacionais da Rede Federal de Educação Profissional Científica e Tecnológica – Forinter.

Bento Duarte da Silva, Universidade do Minho (UMINHO)

Professor Catedrático do Instituto de Educação da Universidade do Minho, Doutorado em Educação, na área da Tecnologia Educativa. Foi Vice-Presidente do Instituto de Educação e Psicologia (2003-2010) e Vice-Presidente do Instituto de Educação (2010-2013). Foi Diretor do Departamento de Estudos Curriculares e Tecnologia Educativa (2007-2016). Atualmente, é coordenador da área de Especialização de Tecnologia Educativa do Mestrado em Ciências da Educação; é membro da Comissão Diretiva do Programa de Doutoramento em “Aprendizagem Enriquecida com Tecnologia e Desafios Societais”; integra o Centro de Competência da UMinho para a área das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação; integra, ainda, o Observatório de Educação a Distância e Elearning da Universidade Aberta (Portugal), e faz parte dos corpos dirigentes da Associação Científica Internacional de Psicopedagogia (ACIP). Foi Vice-Presidente do Instituto de Educação e Psicologia (2003- 2009); Desenvolve atividades de docência, pesquisa e orientação nos Programas de Pós-Graduação em Tecnologia Educativa (Mestrado e Doutoramento). É autor de diversos trabalhos de investigação sobre Tecnologia e Comunicação Educacional, recaindo os seus atuais interesses de investigação na conceção, desenvolvimento e avaliação de estratégias para a integração das TDIC (Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação) na Educação, particularmente na Educação Online.

Referências

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de; VALENTE, José Armando. Integração currículo e tecnologias e a produção de narrativas digitais. Currículo Sem Fronteiras, p. 57–82, 2012. Disponível em: <https://www.curriculosemfronteiras.org/vol12iss3articles/almeida-valente.pdf>. Acesso em: 3 fev. 2020.

BUYS, Bruno. 20 anos da internet no Brasil: universalização do acesso em expansão. Ciência e Cultura, v. 63, n. 3, p. 6–9, 2011. Disponível em: <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252011000300003>. Acesso em: 5 fev. 2020.

RENESSE, Nicodème; KLEIN, Tatiane. O que dizem (e pensam) os índios sobre as políticas de inclusão digital? In: RICARDO, Carlos Alberto; RICARDO, Fany Pantaleoni. (Eds.), Povos Indígenas no Brasil 2006-2010. São Paulo: Instituto Socioambiental, p. 153–156, 2011.

PERES, Cristiane. Bits e maracás: a apropriação das novas tecnologias pelos indígenas. In:

Revista Índio, ano 1º, nº 2, p. 8–13, 2011. Disponível em: <https://pt.calameo.com/read/0006926818778d8ce40de> Acesso em: 3 fev. 2020.

BANIWA, Gersem dos Santos Luciano. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje (Coleção Educação Para Todos. Série Vias dos Saberes n. 1). Brasília: MEC/SECAD; LACED/Museu Nacional, 2006. Disponível em:

<http://biblioteca.funai.gov.br/media/pdf/LIVROS/MFN-21340.pdf> Acesso em 10 fev. 2020.

CETIC.BR. TIC para o Desenvolvimento Sustentável: recomendações de políticas públicas que garantem direitos. In NIC.BR / CETIC.BR, 2019. Disponível em:

<https://cetic.br/media/docs/publicacoes/8/14582020190716-tic-para-o-desenvolvimento-sustentavel.pdf> Acesso em: 15 fev. 2020.

SOUZA, Francislê Neri de; BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Internet e investigação qualitativa, que ameaças e oportunidades? In: SOUZA, Dayse Neri de; COSTA, António Pedro; SOUZA, Francislê Neri de. (eds.); 1ª ed.). Investigação Qualitativa: inovação, dilemas e desafios. Aveiro: Ludomedia, 2016. Disponível em:

<https://www.ludomedia.pt/prod_details.php?id=174&catId=15&offset=0>. Acesso em: 13 fev. 2020.

NIELSEN, Jakob; HORANGER, Hoa. Usabilidade na web: projetando websites com qualidade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

NIELSEN, Jakob; TAHIR, Marie. Homepage. Usabilidade: 50 websites desconstruídos. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

BAUER, Martin W. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George. (Eds.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (2ª ed.). Petrópolis: Editora Vozes, p. 186–217, 2003.

ESTEVES, Manuela. Análise de conteúdo. In: LIMA, Jorge Ávila de; PACHECO, José Augusto. (Eds.). Fazer investigação. Contributos para a elaboração de dissertação e teses. Porto Editora, p. 105–126, 2006.

FARINA, Modesto; PERES, Clotilde; BASTOS, Dorinho. Psicodinâmica das cores em comunicação (5.ed.). São Paulo: Editora Edgard Blucher, 2006.

Downloads

Publicado

2023-08-04

Como Citar

MOURA, Sonaira de Araújo; GUEDES, Luiz Eduardo; DA SILVA, Bento Duarte. ANÁLISE DO WEBSITE DO POVO ASHANINKA DO RIO AMÔNIA: TECENDO SABERES NO CIBERESPAÇO PARA A INTERCULTURALIDADE. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 22–38, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.72404. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/72404. Acesso em: 24 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo Seção Temática