A CULTURA DIGITAL E ESCOLARIZAÇÃO INDÍGENA: A EXPERIÊNCIA TUPINAMBÁ NO ACUÍPE DE BAIXO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.71708

Palavras-chave:

Cultura Digital. Escolarização indígena. Inclusão digital. TICE.

Resumo

Esse artigo tem por objetivo apresentar o diagnóstico situacional produzido por meio de uma pesquisa exploratória, realizada no Colégio Estadual Indígena Tupinambá do Acuípe de Baixo, localizado no distrito de Olivença na região municipal de Ilhéus no Estado da Bahia, para investigar aspectos sociais, pedagógicos, administrativos, documentais, institucionais que colaborem para o aprofundamento teórico da relação entre cultura digital e cultura indígena e na coleta de informações prévias disponíveis a respeito. A metodologia utilizada foi a análise situacional da pesquisa exploratória e a pesquisa bibliográfica para o levantamento do referencial teórico. Os resultados foram obtidos por meio de entrevistas semiestruturadas com os agentes educacionais que tiveram experiências práticas com o problema pesquisado; análise do projeto pedagógico da escola indígena; diagnose social da escola e a elaboração de um estado da arte sobre inclusão digital indígena e práticas da educação mediada por Tecnologias Digitais de Informação, Comunicação e Expressão (TICE). A partir dos dados coletados na pesquisa exploratória foi possível realizar uma diagnose social do Colégio Indígena Tupinambá do Acuípe de Baixo e investigar aspectos sociais, pedagógicos, administrativos, documentais e institucionais que colaborassem para uma exploração de informações iniciais a respeito da inclusão digital em um colégio indígena Tupinambá.

 

PALAVRAS-CHAVE:  Cultura Digital. Escolarização indígena. Inclusão digital. TICE.

Biografia do Autor

Ana Cláudia Vieira Braga, Universidade de Brasília

Doutoranda em Educação e Tecnologias- Universidade de Brasília-UnB, mestra em tradução pela UnB, especialista em Gestão e Administração Escolar, licenciada em Pedagogia, licenciada em Letras/Latim, licenciada em língua francesa pela Aliança Francesa de Brasília. É professora aposentada da Secretaria de Educação do Distrito Federal. Membro pesquisadora do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação, Gestão e Cultura Regional -GEGC- UEG e do grupo ÁBACO- UnB. Tem experiência na área de Educação no ensino de língua portuguesa, língua estrangeira, formação de professores, educação superior e revisão textual (anaclaudiaunb2012@gmail.com).

Gilberto Lacerda Santos, Universidade de Brasília

Gilberto Lacerda Santos é Professor Titular da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, onde atua em ensino, pesquisa e extensão no campo das aplicações pedagógicas das tecnologias digitais de informação, comunicação e expressão (TICE) e em educação e divulgação científicas. Tem graduação em Matemática (UnB e UniCeub, 1986), Especialização em Análise de Sistemas (Universidade Católica de Brasília, 1988); Mestrado em Tecnologias na Educação (Universidade Laval, Canadá, 1991); Ph.D. em Educação (Universidade Laval, Canadá, 1995). É Doutor em Sociologia do Conhecimento Científico e Tecnológico (Universidade de Brasília, 2001). É um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Informática na Educação (1988). Realizou estudos de Pós-Doutorado em educação e tecnologias na Espanha, em 1998, e no Canadá, em 2003 e em 2014. É líder do Grupo Ábaco de Pesquisas Interdisciplinares sobre Tecnologias e Educação desde sua fundação, em 2005 (http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/11126). Integrou a força-tarefa que criou a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (2004). É consultor em inovações educativas e em elaboração, acompanhamentoe avaliação de políticas públicas em organizações públicas e privadas, nacionais e internacionais, com Unesco e CGEE. Criou e coordena o Museu Virtual de Ciência e Tecnologia da Universidade de Brasília, um dos principais dispositivos de divulgação científica da instituição desde sua instituição, em 2006. Sua produção bibliográfica é, atualmente, constituída por 58 artigos completos em periódicos, 15 livros individuais, 14 livros organizados, 39 capítulos de livros e 80 trabalhos completos em anais de congressos nacionais e internacionais.

Referências

AGUILAR, A. Identidade/diversidade cultural no ciberespaço: práticas informacionais e de inclusão digital nas comunidades indígenas no Brasil. Informação e Sociedade, 22(1), 121–128, 2012.

ALVES, Lenice Miranda. A tecnologia de informação e comunicação em licenciatura intercultural indígena: caso da UFG. 2015. 140 f. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás: Goiânia. Goiás, 2015.

BRAGA, Ana Cláudia Vieira. LACERDA, Gilberto. Inclusão digital indígena: um estado da arte. Passo Fundo: ANAIS SENID, 2020. Disponível em: HTTPS://drive.google.com/file/d/1pmy-9BBwDIDplJK_ULnUN56E7IYXPKlZ/view

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação e Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. (1998) Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Resolução nº 5, de 22 de junho de 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. Brasília: MEC, 2012.

CEITAB. Projeto Político Pedagógico. Ilhéus, BA, 2017.

COSTA, I. V. da. OLIVEIRA, Paulino. Challenges faced in overcoming indigenous digital divide in Brazil. Commons: Revista de Comunicación y Ciudadanía Digital, 2(2), 92; 127, 2013. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/oaiart?codigo=454687

CRUZ SANDOVAL, C. Tecnologías de la Información y la comunicación en la comunidad Embera Chamí de Pueblo Rico, Risaralda: una mirada desde las representaciones sociales. Revista Nuestra América, 6(12), 102–123, 2018. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/oaiart?codigo=6511176.

FERREIRA, Sandra Alberta. Políticas de ação formativa: compreendendo a dinâmica de in(ex)clusão na formação acadêmica de estudantes indígenas na UFT.190f. Tese (doutorado em Administração de empresas). Universidade Presbiteriana Mackenzie,2013.

FILHO, Isaac Fernando Ferreira. O indígena frente às políticas de inclusão digital: uma análise de processo sociotécnicos entre os pataxó da aldeia velha no extremo sul da Bahia. 104 f. Dissertação (mestrado em Ciências d comunição) Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GUIMARÃES, Carlos Fábio Morais. Indígenas na Web da oralidade aos bytes: estudo de caso do blog escolar Pamáali-Banwa-Amazons. 125 f. Dissertação (mestrado em Ciências da Comunicação)- Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2011.

HOFFMANN, Zara. Tecnologias da informação e comunicação na formação do professor indígena do curso de educação intercultural da Universidade de Federal de Goiás. 122f. Dissertação (mestrado em Ciências e Matemática) Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Dados populacionais do Brasil, Censo 2010, 2010.

LACERDA SANTOS, Gilberto. A Internet na escola fundamental: sondagem de modos e uso por professores. Educação e Pesquisa (Revista da Faculdade de Educação da USP), V. 29, no. 2, p. 303-312, 2004.

LACERDA SANTOS, G. Ciência. Tecnologia e formação de professores para o ensino fundamental. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2005.

LARAIA. Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,1986.

LEAL, Pedro Paulo Santos. (2013). Presença indígena na internet: exclusões, convergências e o aikewara.blogspot.com 113f. Dissertação (mestrado em comunicação, linguagens e cultura.) Universidade do Amazonas, Belém: Pará, 2013.

LÉVY, Pierre. Cibercultura (trad. Carlos Irineu da Costa). São Paulo: editora 34, 2009.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva por antropologia do ciberespaço. 6 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

LOPES, Mateus Sena. Evasão e Fracasso Escolar de Alunos de Comunidades Indígenas do IFRR - Câmpus Amojari: um estudo de caso. Dissertação de mestrado, Instituto Federal de Roraima, 2017.

MESQUITA, Alexsandro Cosmo de. E o verbo se fez digital: uma narrativa sobre a cultura indígena, tecnologia e formação. 199f. Dissertação (mestrado em tecnologias da inteligência e design digital). Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.

MOURA, R. D. Multiple knowledge of network diversity: intercultural connections in the debate over digital inclusion with respect of the people of the forest/Multiplos saberes da diversidade em rede: conexoes interculturais no debate da inclusao digital na perspectiva do povo da floresta. 10(21), 577, 2013.

NAVA MORALES, Elena. Apropriação de uma política pública de “inclusão digital” entre os pataxós de Coroa Vermel Bahia. 112 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

NOGUEIRA, José Francisco Sarmento. Relações multi/interculturais e identitárias a partir do uso de tecnologias digitais: um olhar sobre o ambiente da escola municipal ñandejara na reserva Te’yikue em Carapó no Mato grosso do sul. 161 f. (doutorado em Educação) Universidade Católica Dom Bosco. Campo Grande, 2015.

PEDROSA, Neide Borges. Comunidade de formação e prática pedagógica indígena: inclusão digital e identidade cultural. 218 f. Tese (doutorado em educação). Pontifícia Universidade Católica Dom Bosco. Campo Grande, 2011.

Pinto, A. A. A “inclusão digital indígena" na Sociedade da Informação. Revista Ibero-Americana de Ciência Da Informação, 1(2), 2011.

PINTO, A. A. Identidade/diversidade cultural no ciberespaço: práticas informacionais e de inclusão digital nas comunidades indígenas, o caso dos Kariri-Xocó e Pankararu no Brasil. Revista Ibero-Americana de Ciência Da Informação, 8(1), 92–93, 2015.

RENESSE, Niconeme Costa. Perspectivas indígenas sobre e na internet: ensaio regressivo sobre a construção e uso da comunicação em grups ameríndios do Brasil. 113f. Dissertação (mestrado em antropologia social). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

Romero-Medina, A. Educación por y para indígenas afrocolombianos: las tecnologías de la etnoeducación (Education by and for indigenous and Afro-Colombians: ethno-education techniques) (Éducation par et pour indigènes et afro-colombiens: les technologies de l’ethnoéducati. Magis: Revista Internacional de Investigación En Educación, 3(5), 2010.

SANTANA, José Valdir. A letra é a mesma, mas a cultura é diferente: a escola dos Tupinambá de Olivença. Tese de doutorado em Antropologia Social. UFSCAR, 2015.

SANTANA, José Valdir Jesus de. COHN, Clarice. A escola Tupinambá de Olivença – BA: alguns apontamentos. Espaço Ameríndio: Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 50-80, jan./ jun. 2018.

SILVA,Vanderleia Barbosa. As tecnologias digitais na formação de professores indígenas do curso de licenciatura em educação básica intercultural da Fundação Universidade Federal de Rondônia. 116 f. Dissertação (mestrado em educação). Universidade Federal de Rondônia. Rondônia, 2016.

SORJ, Bernard. Exclusão digital: problemas conceituais, evidências empíricas e políticas públicas. Centro brasileiro de análise e planejamento. P. 101 a 117, 2005.

TEIXEIRA, Williane dos Santos. Minorias étnicas: índios no Brasil. Revista JusNavigandi. ISNN 1518-4862, Teresina, ano 11, n.997, 25 mar,2006. Disponível em: Https://jus.com.br/artigos/8164/acesso em 14 nov. 2019.

URQUIZA, Moema Guedes. Identidades indígenas na mídia: um estudo com professores indígenas sobre identidade/diferença e representação. 92 f. Dissertação (mestrado em educação). Universidade Católica dom Bosco. Campo Grande, 2013.

VENDRAME, Sônia Inês. A internet na aldeia tekoha añetete: como o novo suporte digital interage na cultura indígena guarani na terra prometida. 251 f. Tese (doutorado em comunicação e semiótica). Pontifícia universidade Católica de são Paulo, São Paulo, 2014.

Downloads

Publicado

2023-08-04

Como Citar

BRAGA, Ana Cláudia Vieira; SANTOS, Gilberto Lacerda. A CULTURA DIGITAL E ESCOLARIZAÇÃO INDÍGENA: A EXPERIÊNCIA TUPINAMBÁ NO ACUÍPE DE BAIXO. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 167–183, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.71708. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/71708. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo Seção Temática