CIBERCULTURA E EDUCAÇÃO BÁSICA: PLANO DE AULA SOBRE FAKE NEWS PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.69899

Palavras-chave:

Cibercultura. Educação Básica. Fake News. Educação de Jovens e Adultos. Plano de Aula

Resumo

O fenômeno das fake news tem prejudica a presente sociedade brasileira, interferindo na efetivação da democracia na medida em que resulta na desinformação. Nesse sentido, entende-se que a Educação Básica precisa apropriar-se dos processos tecnológicos e comunicacionais da cibercultura. Esse artigo apresenta um plano de aula para a educação de jovens e adultos sobre Fake News e desinformação. A abordagem metodológica é qualitativa, na qual utilizou-se a revisão de literatura, sobre fake news e educação de jovens e adultos, contribuições da temática na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que destaca ser necessário desenvolver nos educandos habilidades para analisar o fenômeno da disseminação de notícias falsas em redes sociais, bem como, uma reflexão ação sobre a prática pedagógica a partir do plano de aula. Como resultado, uma proposta para ensino híbrido, sobre produção de sentido em textos que circulam no campo de atuação na vida pública.

Biografia do Autor

Telma Brito Rocha, Universidade Federal da Bahia

Licenciada em Pedagogia pela UFBA(2002), Doutora em Educação (2010) - UFBA. É professora da Graduação e do Programa de Pós Graduação em Educação (PPGE) na UFBA. É líder do Grupo de Pesquisa Didática Intercultural e Tecnologias (Didatec)

Cleyton Williams Golveia da Silva Brandão, Universidade Federal da Bahia

Mestrando em Educação (UFBA). Graduado em Jornalismo UNIFACS (2022). Graduando da Licenciatura em Pedagogia (UFBA). Membro do Grupo de Pesquisa Didática Intercultural e Tecnologias (Didatec).

Emanoel Nogueira Ramos, Professor da Rede Estadual do Mato Grosso

Licenciado em Teatro pela UFBA (2003) e em Pedagogia pela UNINTER (2019). Mestre em Educação pela Université Paris VIII - Vincennes Saint Denis (2013); Doutorando em Ciências da Educação (UFMG).

Referências

ARROYO, Miguel. Formar educadoras e educadores de jovens e adultos. In: SOARES, L. (Org.). Formação de educadores de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica/SECAD-MEC/UNESCO, 2006. p. 17-32.

BRANDÃO, Cleyton; CRUZ, Diego; ROCHA, Telma. Fake News em Tempos de COVID-19: discursos de ódio nas redes sociais como ressonância da desinformação. Revista Interdisciplinar Artes de Educar. Rio de Janeiro, V. 6, N. Especial II – p. 303-327, 2020. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/riae/article/view/51910/35776. Acesso em: 29 jun. 2022.

BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 21 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm Acesso em: 24 jun. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

DINIZ PEREIRA, Júlio E. As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação & Sociedade: Revista Quadrimestral de Ciência da Educação (Cedes). Campinas, n. 69, p. 109-125, 1999.

GOMES, W. da S.; DOURADO, T. Fake news, um fenômeno de comunicação política entre jornalismo, política e democracia. Estudos em Jornalismo e Mídia. v. 16, nº 02, p. 33-45, jul./dez, 2019.

GOMES, Wilson. Quatro ou cinco coisas que eu sei sobre fake news. Revista Cult: São Paulo, 28 ma. 2021. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/quatro-ou-cinco-coisas-que-eu-sei-sobre-fake-news/. Acesso em: 29 jun. 2022.

MARTINO, Luís Mauro Sá. Métodos de Pesquisa em Comunicação: projetos, ideias, práticas. Rio de Janeiro: Vozes, 2018.

MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria das Mídias Digitais: linguagens, ambientes, redes. Petrópolis: Vozes, 2015.

MELLO, Patrícia Campos. A Máquina do Ódio: notas de uma repórter sobre fake news e violência digital. São Paulo: Cia das Letras, 2020.

ROCHA, T. B. O Plano de Aula para Educação On-line na Pandemia de Covid-19. Revista EaD Em Foco, v. 11, n. 2, p. 1-13, 2021. Disponível em: https://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/1460. Acesso em: 28 jun. 2022.

SANTAELLA, Lúcia. A pós-verdade é Verdadeira ou Falsa? São Paulo: Editora Estação das letras e cores, 2018.

SANTAELLA, Lúcia. Redes Sociais Digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.

SANTOS, Edméa. WEBER, A. Diários Online, Cibercultura e Pesquisa- Formação Multirreferencial. In: SANTOS, Edméa. CAPUTO, Stela Guedes. Diário de Pesquisa na Cibercultura: narrativas multirreferenciais com os cotidianos. Rio de Janeiro: Omodê, 2018.

SILVA, Fernanda Rodrigues; PORCARO, Rosa Cristina; SANTOS, Sandra Meira. Revisitando Estudos Sobre a Formação do Educador da EJA: as contribuições do campo. In: Soares, Leôncio Formação de educadores de jovens e adultos / organizado por Leôncio Soares. — Belo Horizonte: Autêntica/ SECAD-MEC/UNESCO, 2006. 296 p.

SOARES, Leôncio José Gomes. As especificidades na formação do educador de jovens e adultos: um estudo sobre propostas de EJA. In: SOARES, Leôncio José Gomes; PEDROSO, Ana Paula Ferreira. Dialogicidade e a formação de educadores na EJA: as contribuições de Paulo Freire. ETD -Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 15, n. 2, p.250-263, maio/ago. 2013.ISSN 1676-2592. Disponível em: <http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/etd/article/view/3063>. Acesso em: 28 jun. 2022.

Downloads

Publicado

2023-03-14

Como Citar

ROCHA, Telma Brito; BRANDÃO, Cleyton Williams Golveia da Silva; RAMOS, Emanoel Nogueira. CIBERCULTURA E EDUCAÇÃO BÁSICA: PLANO DE AULA SOBRE FAKE NEWS PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 52–66, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.69899. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/69899. Acesso em: 1 mar. 2024.