EDUCAÇÃO MUSEAL EM TEMPOS PANDÊMICOS: O QUE APRENDEMOS?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2022.64144

Palavras-chave:

Educação museal. Pandemia. Educação e meios digitais. Museu.

Resumo

O presente texto reflete sobre os processos de reconstrução e transformação aos quais os educativos de museus estiveram sujeitos durante o período de distanciamento social promovido em combate à pandemia da COVID 19. Utilizaremos como exemplo para as reflexões as experiências desenvolvidas pelo Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca de São Paulo.

Biografia do Autor

Milene Chiovatto, Pinacoteca de São Paulo

Graduada em educação em artes pela Faculdade de Comunicações da Universidade Mackenzie, Mestre em Ciências da Comunicação – Sociologia da Arte pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Professora de História da Arte na Faculdade de Comunicação da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP); participou da equipe do Núcleo Educação e coordenou os atendimentos educativos da XXIV Bienal de São Paulo, entre outras exposições. Foi presidente do Comitê de Educação e Ação Cultural do Conselho Internacional de Museus, CECA-ICOM de 2016 a 2019. Coordena o Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca do Estado de São Paulo desde 2002.

Gabriela Aidar, Pinacoteca de São Paulo

Graduada em História pela Universidade de São Paulo (USP), especialista em Estudos de Museus de Arte pelo Museu de Arte Contemporânea e em Museologia pelo Museu de Arqueologia e Etnologia, ambos da USP. Obteve o título de Master of Arts in Museum Studies pela Universidade de Leicester, no Reino Unido. Trabalha desde 2002 no Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca de São Paulo onde coordena os Programas Educativos Inclusivos.

Margarete de Oliveira, Pinacoteca de São Paulo

Assistente de coordenação, docente e educadora do Programa Educativo Públicos Especiais (PEPE) do Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca do Estado de São Paulo desde 2003. Museóloga com registo no COREM 4R, Mestre em Museologia pela USP, graduada e licenciada em Letras pela USP e Pós-graduada em “Praxis Artísticas e Terapêuticas: Interface da Arte e da Saúde” pela Faculdade de Terapia Ocupacional da FM-USP. Uma das Premiadas do Prêmio Rumos Itaú Cultural, Educação Cultura e Arte 2008/2010 – na área de atuação em Educação não formal. Atuou como educadora no Projeto “Museu e Público Especial” no MAC-USP (1992 a 2002).  Atua como Docente do Curso de Pós Graduação em   Arte e Reabilitação do Instituto Faces na disciplina Adaptação de Materiais na Arte Reabilitação, e atuou como consultora na área de acessibilidade na Empresa Fubá Educação Ambiental no projeto PIPE FAPESP (Pesquisa Inovadora a Pequenas Empresas).

Wilmihara Benevides da Silva Alves dos Santos, Pinacoteca de São Paulo

Graduada em Ciências Sociais pela UNESP-Marília, Mestre em Ciências Sociais pela mesma universidade, área de concentração Antropologia. Especialista em Sociopsicologia pela FESP-SP. Doutora pelo programa de pós-graduação em Ciências Sociais pela PUC-SP, área de concentração Ciências Políticas. Trabalhou no educativo do Museu da Língua Portuguesa de 2006 a 2014. Em 2015 foi articuladora e educadora do projeto Sala Futura, uma parceria do Museu da Língua Portuguesa com o Canal Futura com o objetivo de mobilização comunitária no bairro Luz e Bom Retiro. Hoje atua como educadora e assistente de coordenação do Programa de Inclusão Sociocultural (PISC) do Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca de São Paulo.

Vera Lucia Cardoso Farinha, Pinacoteca de São Paulo

Graduada em Psicologia pela UNIP, Especialista em Arte, Educação e Cultura pela USP. Trabalhou nos educativos das seguintes instituições: Centro Universitário Maria Antônia, 2002, Centro Cultural da FIESP, 2002, Museu de Arte Brasileira da FAAP, 2004 a 2008, Itaú Cultural, 2010, Instituto de Arte Contemporânea, 2011. Desde 2012 atua como Educadora no Programa de Atendimento a Público Escolar e Geral (PAPEG) e nos projetos Pina_Dentro e Fora e Clube dos Professores do Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca de São Paulo.

Referências

AIDAR, Gabriela. Um mundo comum entre pessoas diferentes é possível? Revista Museu, mai. 2020.

https://revistamuseu.com.br/site/br/artigos/18-de-maio/18-maio-2020/8541-um-mundo-comum-entre-pessoas-diferentes-e-possivel.html

Acesso em: outubro 2021.

CHIOVATTO, Milene. In Defense of Museum Education. ICOFOM Studies Series, vol. 48, no. 2 (2020): Defining the Museum: Challenges and Compromises of the 21st Century.

HARRIS, Garret. Wave of museum educator redundancies worldwide sparks open letter. The Art Newspaper, April 23, 2020.

https://www.theartnewspaper.com/2020/04/23/wave-of-museum-educator-redundancies-worldwide-sparks-open-letter

Acesso em: outubro 2021.

ICOM BRASIL. Dados para navegar em meio às incertezas. Resultados da pesquisa com profissionais e públicos de museus – Sumário executivo. São Paulo: Icom Brasil, 2020.

http://www.icom.org.br/wp-content/uploads/2020/11/20201120_Tomara_ICOM_SumarioExecutivo_FINAL.pdf

Acesso em: outubro 2021.

JORNAL DO BRASIL. Brasil tem 134 milhões de usuários de internet, aponta pesquisa. 26 mai. 2020.

https://www.jb.com.br/ciencia_e_tec/2020/05/1023949-brasil-tem-134-milhoes-de-usuarios-de-internet--aponta-pesquisa.html

Acesso em: outubro 2021.

MARTI, Frieda; SANTOS, Edméa. O. Educação Museal Online: a Educação Museal na/com a Cibercultura. ReDoc – Revista Docência e Cibercultura, v. 3, n. 2. (2019) – UERJ, pp. 41-66.

Downloads

Publicado

2022-09-23

Como Citar

CHIOVATTO, Milene; AIDAR, Gabriela; OLIVEIRA, Margarete de; DOS SANTOS, Wilmihara Benevides da Silva Alves; FARINHA, Vera Lucia Cardoso. EDUCAÇÃO MUSEAL EM TEMPOS PANDÊMICOS: O QUE APRENDEMOS?. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 6, n. 4, p. 34–56, 2022. DOI: 10.12957/redoc.2022.64144. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/64144. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo Seção Temática

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.