Propriedades funcionais da relativa livre introduzida por 'quem'

Edvaldo Balduino Bispo, Aline Priscilla Albuquerque Braga

Resumo


Neste artigo, investigamos aspectos funcionais (semânticos, semântico-cognitivo e sociointeracionais) implicados no uso da oração relativa livre introduzida por quem no Português Brasileiro (PB). Fundamentamo-nos teoricamente na Linguística Funcional, conforme Givón (1984, 1995), Martelotta (2011), Furtado da Cunha e Bispo (2013), Furtado da Cunha, Oliveira e Martelotta (2015). Trata-se de uma pesquisa quali-quantitativa de natureza interpretativista. Utilizamos como fonte de dados empíricos anúncios de jornal e cartas particulares produzidos no século XIX, provenientes da plataforma de corpora do projeto História do Português Brasileiro (PHPB). Os resultados indiciam que: (i) o pronome quem aponta para um referente caraterizado pelos traços semânticos [+ANIMADO], [+HUMANO], [+-DEFINIDO] e [+/-GENÉRICO]; (ii) não há restrição quanto aos tipos semânticos de verbo que podem predicar a relativa livre e a oração em que ela se encaixa; (iii) o quem pode exercer uma variedade de papéis semânticos; (iv) questões de natureza sociointeracional, a exemplo de subjetividade, intersubjetividade e inferência pragmática, motivam o uso da relativa livre nos dados analisados.

Palavras-chave


Aspectos funcionais; Oração relativa livre; Linguística Funcional.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2021.56132

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br