LUCIA MCCARTNEY E A HISTÓRIA LITERÁRIA COMO DISRUPÇÃO

Luiz Antonio Garcia Diniz

Resumo


A obra de Rubem Fonseca, Lucia McCartney, encontra-se noconjunto de publicações dos anos 70, em uma situação de confrontobastante complexa. Confronto perante as categorias literárias consideradascanônicas e, igualmente, confronto ante as ideias sedimentadasque antecedem os anos 60 marcados pelo seu cunho conservador.Tal contexto nos levou a acionar, no interior de sua própria narrativa,as discussões sobre arte e cultura por meio de encenações literáriasexperimentais (o que em si já é um confronto) e, finalmente, confrontocom um contexto sociocultural e político bastante tumultuado:a ditadura militar no Brasil 64/84.Essa situação de confronto dificulta a compreensão do objetoliterário pela amplificação de suas significações, visto sua complexidade,e poderia nos levar a privilegiar um dos aspectos acima citadosem detrimento de sua unidade objetal inscrita em sua discursividade– ao mesmo tempo, deslizante, insidiosa e brutal – parti pris, que,evidentemente, a nosso ver, poderia conduzir a uma abordagem simplistada obra do escritor. Nosso propósito é abordar esse objeto doponto de vista da pós-modernidade, sabendo, entretanto, das dificuldadesque tal escolha nos coloca, sobretudo no que se refere às possíveise perigosas reduções teóricas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2010.5167

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br