A INCLUSÃO CULTURAL LETRADA NO SÉCULO XIX: O PAPEL DA IMPRENSA

Valéria Severina Gomes, Mari Noeli Kiehl Iapechino

Resumo


As distintas formas de concepção da língua, os recortes e as abordagenspossíveis em sua natureza complexa e multifacetada evidenciamsua não neutralidade e, com isso, a impossibilidade de análise descontextualizadahistoricamente e de discussão de conceitos que desvelam e ocultam,a um só tempo, contradições, conhecimentos e posições ideológicasfreqüentemente reformuladas e (re-)construídas, como algo abstratoe fechado em si. Discutir essas designações e natureza implica refletir acercadas relações históricas e culturais da linguagem, sem que se descrevaou conceitue isoladamente, como se fora o resultado de habilidadesmotoras, perceptivas ou cognitivas, como categoria de compreensão eanálise da realidade social.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2008.4738

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br