Os (des)encontros entre a polidez linguística e a Comunicação Não Violenta (CNV)

Geórgia Maria Feitosa e Paiva

Resumo


O comportamento linguístico figura como um produto de toda uma elaboração racional/emocional que ocorre durante a interação, mas, eventualmente, “acidentes” na interação ocorrem devido ao comprometimento da interpretação dos sujeitos sobre: as intenções comunicativas; o conhecimento mútuo sobre estado emocional em que se encontram, e o contexto. Partindo de uma investigação bibliográfica com base nos estudos de Grice (1975), Goffman (1967), Brown e Levinson (1987), Leech (1983; 2014), Culpeper (1996; 2011), entre outros, propõe-se, neste artigo, relacionar o modelo teórico de polidez linguística desenvolvido por Brown e Levinson (1987) às técnicas de Comunicação Não Violenta (CNV) de Rosenberg (2003). O exame demonstrou que a CNV pode adotar parte das estratégias de polidez propostas por Brown e Levinson (1987), compartilhando a hipótese da instauração de uma interação harmônica, porém, ao refletir sobre as motivações que subjazem determinadas estratégias e dos efeitos que podem gerar ao violar a liberdade dos sujeitos, observa-se que algumas estratégias podem provocar “acidentes” na interação, especialmente quando se espera uma linha mais empática de seus participantes. Conclui-se que o modelo de polidez desenvolvido pelos linguistas pode, até certo ponto, levar a realização de práticas violentas, afetando o estabelecimento de laços afetivos entre os sujeitos.

Palavras-chave


(im)polidez linguística. comunicação não violenta. emoção. interação. Empatia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2020.46757

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br