Sujeitos femininos desenraizados ou as novas experiências do não pertencimento

Ana Cristina dos Santos

Resumo


Este trabalho discute as novas relações com o espaço que resultam das experiências dos deslocamentos e suas consequências para as personagens femininas que configuram a chamada segunda geração do exílio – filhos de pais exilados das ditaduras latino-americanas.  Tem também como objetivo verificar de que maneira a perda dos referentes espaciais modificam esses sujeitos femininos desenraizados. Para tanto, analisam-se as personagens femininas principais dos romances Apenas diez (2006), da escritora uruguaia Marisa Silva Schultze e Pasajeros en tránsito (2013), da escritora chilena Rossana Dresdner.  Verifica-se que os romances problematizam o contínuo “estar em trânsito” das personagens e suas ambiguidades culturais que permitem, com base nas experiências do deslocamento, a construção de uma subjetividade nômade produtora de sujeitos híbridos e traduzidos. Para a análise proposta, utilizam-se os textos de Norandi (2015) e Espina Bocic; Sanhueza Comte (2014) sobre a segunda geração do exílio; de Brah (2011) e García Canclini (2009)  para as noções de espaço e deslocamento; de Said (2003) para as questões de exílio; Benedetti (1983) para o conceito de desexílio e Hall (2005) e Braidotti (2002) para as questões das identidades na contemporaneidade.


Palavras-chave


Deslocamento; Escrita de autoria feminina; Exílio; Subjetividade nômade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2019.43831

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br