Sobre rostos e distâncias: deslocamentos nas narrativas bíblicas de Sara e Rebeca

Altamir Celio de Andrade

Resumo


Este artigo examina as narrativas bíblicas sobre Sara e Rebeca. Essas personagens, presentes no Livro do Gênesis, são referenciais para se pensar o deslocamento espacial como indicativo de mudanças internas. O Gênesis inicia as páginas de uma obra clássica, emblemática influenciadora do pensamento ocidental, como alertaram Erich Auerbach, Northrop Frye, Robert Alter e Harold Bloom, dentre outros. Ainda que essa Escritura seja tradicionalmente compreendida como um conjunto de vozes masculinas e patriarcais, as mulheres que aparecem em suas linhas desempenharam importantes ações, garantindo a inauguração e manutenção de genealogias dos povos bíblicos em suas dimensões espaciais e simbólicas. A investigação proposta se deixará guiar pelos conceitos de exílio e deslocamento, utilizados contemporaneamente no contexto dos estudos literários, culturais e filosóficos, sobretudo a partir de Emannuel Lévinas, Stuart Hall e Jean-Luc Nancy. Portanto, pode-se adiantar que o estudo do comportamento dessas duas personagens, bem como de suas estratégias de sobrevivência, permite compreender o deslocamento dos seres humanos em todos os tempos e em diversas partes do mundo. O sofrimento, a astúcia e as identidades de Sara e Rebeca permitem reler a história do antigo Israel de forma vívida, estética e empolgante.


Palavras-chave


Sara. Rebeca. Deslocamento. Identidade. Bíblia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2019.43412

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br