Literatura e política: uma introdução

Claudio do Carmo Gonçalves

Resumo


Este artigo trata do caráter imanente da literatura como política, desde sua negação em Kant (2010), atravessando a Arte interessada de Mário de Andrade ( 1975) no auge da repercussão das vanguardas no Brasil. O que se tem é uma arte literária com regras próprias (Bourdieu: 2010), de contornos simbólicos, que instala uma aporia, visto que  não é real, mas interfere decisivamente nesta própria realidade ao se posicionar, seja objetivamente como no  texto panfletário, texto social, texto histórico e congêneres; mas também na sua aparente ausência como no mais puro texto lírico amoroso. A literatura em todos os seus aspectos, seja na produção textual propriamente, seja na pessoa física do autor, seja na crítica que se faz, é compreendida como uma narrativa que estrutura a realidade e tende a ser não só instrumento mas também sujeito de novas modalidades de intervenção. Em todo caso o que se tem, mesmo que veladamente, é uma subjetividade que em tempos atuais se transforma explicitamente numa literatura de ideias, afastando remotamente qualquer caráter lúdico, estético, num termo: ficcional. 


Palavras-chave


Política. Literatura; Arte desinteressada; Novas subjetividades.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2018.33978

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br