A noção de norma, a variação linguística e a formação de professores: entre a sociolinguística e uma “linguística da tolerância”

Adriano de Souza, Taíse Simioni, Taís Bopp da Silva

Resumo


O presente estudo discute o estatuto da noção de norma dentro dos estudos linguísticos e apresenta seu papel na formulação do conceito de sistema heterogêneo, conceito este de fundamental importância para a compreensão dos fenômenos variáveis. Em um segundo momento da pesquisa, realizou-se um estudo empírico com oito estudantes de Letras de uma universidade federal do extremo sul do Brasil, com o intuito de verificar a compreensão destes estudantes acerca da variação linguística. Os resultados indicaram que os alunos são hábeis em detectar casos de variação, porém há indícios de que não chegam a uma compreensão real do que seja o fenômeno variável, uma vez que associam variação apenas a variantes que fogem ao padrão. Tal visão, que escamoteia o papel de competição entre variantes dentro de um sistema, indica que os estudantes não chegam a uma real compreensão do que é um sistema heterogêneo e de suas consequências para a língua. Neste contexto, a discussão sobre o conceito de norma pode ser uma ferramenta útil na formação inicial de futuros professores de línguas.


Palavras-chave


Norma. Variação linguística. Formação de professores.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2018.32150

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br