Um “brilhante congresso”: escritoras portuguesas no projeto de António Feliciano de Castilho para sua versão d’Os Fastos ovidianos

Eduardo da Cruz

Resumo


O poeta António Feliciano de Castilho foi um dos principais nomes do campo literário português até ser atacado em 1865, numa polêmica conhecida como “Questão Coimbrã”, por escritores que mais tarde seriam considerados a Geração de 70. Neste artigo, analisaremos o projeto de composição das notas à sua tradução d’Os Fastos, de Ovídio, publicada em 1862. Para isso, destacaremos os paratextos que acompanham a obra e alguns de seus epitextos, nomeadamente um conjunto de correspondência do segundo semestre de 1859 sobre sua composição. O objetivo é verificar suas ações para incluir autoras como colaboradoras de seu projeto de anotação. A análise da correspondência revela um conjunto significativo de autoras e os diferentes modos com que Castilho se relaciona com elas.

DOI: 10.12957/soletras.2017.30436

 

 


Palavras-chave


autoria feminina; correspondência; paratexto; campo literário

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2017.30436

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br