Léon Bloy contra seu tempo

Régis Mikail Abud Filho

Resumo


Polêmico escritor francês do final do século XIX e crítico ferrenho de sua época, Léon Bloy é conhecido por sua pena feroz. O presente artigo traça um panorama da vida e obra deste autor, ainda insuficientemente considerado. Três aspectos fundamentais de sua obra foram escolhidos, incarnados em sua fé católica única: a Dor, o Dinheiro e a Arte. Sua obra é marcada por contradições como o dinheiro, que desempenha um papel redentor e maldito. Além da Bíblia, os escritos místicos e hagiográficos da Idade Média são fontes nas quais Bloy se inspiraou. A escatologia, a ideia de reversibilidade do males e o papel redentor da mulher fundamentam seus textos, explicados aqui por meio de exemplos. Sua perspectiva historiográfica baseia-se no "simbolismo universal" e no legado de autores como Barbey d'Aurevilly, Joseph de Maistre, Blanc-de-Saint-Bonnet e Thomas Carlyle. A literatura bloyana contraria as diretrizes artísticas de seu século, execra a cupidez burguesa, retratada como ridícula e satânica. Escrever não se apresenta como fim, mas como simples meio de se atingir o divino.

DOI: 10.12957/soletras.2017.30249

 


Palavras-chave


Bloy, século XIX, cristianismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2017.30249

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br