COISAS COMPARADAS: COISAS QUE SOMENTE HÁ, SE COMPARADAS: GESTO.COLETIVO. ARTE.POLÍTICA – 50 DITOS

Miguel Jost, Roberto Corrêa dos Santos

Resumo


Aqui estivemos a tentar expor certo método-teórico-crítico atinente à emergência do termo gesto.coletivo como maneira de denominar grande parte das organizações culturais ativadas desde o Tempo Lula.Dilma: gesto horizontal, necessariamente poroso, pensado como uma diversa natureza político-econômica da arte e da cultura, pensado como um ecossistema capaz de assinalar enorme número e nomes atores-artistas-intelectuais de toda parte. Em todo o Brasil foram articuladas ocupações de espaços e equipamentos públicos da arte e da cultura: manifestações que criaram a visibilidade do tirânico processo de assassinato de um Projeto Político Vital. Diferentemente de outros momentos históricos (em que as vozes que se ergueram com mais força como vetores de resistência política foram as das organizações trabalhistas e dos movimentos sociais tradicionais), neste Brasil pós-Lula-e-Dilma (pós-Gil-e-Juca), é na arte e na cultura que se encontra mais visivelmente a necessária e urgente sapiência do resistir. É o que procuramos deixar aqui como abertura.

 

Palavras Chaves:

Arte – Política – Comum – coletivo

 


 

Abstract:

 

We have been trying to show here a certain theoretical-critical-method concerning the emergence of the term collective.gesture as a manner of nominating great part of the cultural organizations activated since the Lula.Dilma times: a horizontal gesture, necessarily porous, thought as a diverse political-economic nature of art and culture, thought as an ecosystem capable of distinguishing great numbers and names of actors-artists-intellectuals from all corners. All over Brazil, occupations of public spaces and equipments of art and culture were articulated: manifestations that created visibility for the tyrannical process of assassination of a Vital Political Project. Unlike other historic moments (in which the voices that rose higher as vectors of political resistance were those of labour unions and traditional social movements), in this post-Lula-and-Dilma (post-Gil-and-Juca) Brazil, it is in art and culture that the necessary and urgent knowledge of resisting is more visibly found. It is what we try to state here as an opening.

 

Keywords:

Art – Politics – Common – Collective


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2016.27249

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br