Alice e O mestre ignorante: relações entre a obra literária e a experiência educacional

Anna Olga Prudente de Oliveira, Marcia A. P. Martins

Resumo


Este artigo propõe uma análise da obra Aventuras de Alice no país das maravilhas de Lewis Carroll, com base na leitura de O mestre ignorante de Jacques Rancière (2013) (Le maître ignorant, 1987). Considerando que Alice tornou-se um cânone da literatura infantojuvenil, busca-se apontar aspectos na escrita de Carroll que distanciam a obra de uma literatura infantojuvenil de cunho educativo e/ou moralizante. Sem uma narrativa linear, Carroll traz para sua escrita a dimensão infantil, priorizando uma experimentação da própria linguagem. Essa experimentação e a escrita literária elaboradas sem um caráter teleológico, sem o intuito aparente de um ensinamento, são aspectos que possibilitam uma analogia com o texto de Rancière, no qual o autor, rompendo com a tradicional hierarquia na relação mestre-aluno, apresenta uma proposta radical de emancipação intelectual. Neste percurso de articulação da escrita literária de Carroll com as “lições de emancipação intelectual” de Rancière, são discutidos caminhos tomados em duas reescritas brasileiras de Alice, a de Jorge Furtado & Liziane Kugland (2008) e a de Maria Luiza Borges (2013).


Palavras-chave


Literatura infantojuvenil. Tradução e adaptação. Emancipação intelectual. Lewis Carroll. Jacques Rancière.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2016.25896

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br