Um olhar alteritário em Bakhtin: O estudo do enunciado como forma de diálogo

Simone Cristina Mussio

Resumo


Sendo o princípio fundante da teoria dialógica do discurso a filosofia do diálogo, a qual concebe o homem não como um ser individual, mas como aquele que se constitui através da relação dialógica entre um eu e um tu, todo enunciado, segundo esta concepção teórica, passa a ser dialógico por natureza.  Como o dialogismo é tido como a ordem do enunciado, este não se fecha em si, mas é constituído através do infindável diálogo entre enunciados outros que o precedem ou o sucedem na cadeia discursiva. Desse modo, partindo desta alteridade presente na constituição discursiva, este trabalho tem como objetivo, a partir de uma exposição literária sobre o assunto, dialogar, refletir e ecoar os preceitos bakhtinianos, tendo nas particularidades do conceito de enunciado a gênese de uma teoria enunciativa que, pautada nas condições de enunciação e nos interlocutores envolvidos, assegura ao enunciado uma univocidade histórica determinada pelos contextos de interação verbais específicos. Para isso, são retratadas as críticas de Bakhtin com relação às duas orientações centrais do pensamento filosófico-linguístico, o subjetivismo idealista e o objetivismo abstrato, bem como a diferenciação entre os conceitos de “palavra” e “oração”, para, por fim, travarmos um diálogo sobre as fronteiras do enunciado concreto, o qual é tido como elemento chave da comunicação verbal.


Palavras-chave


Enunciação, teoria dialógica do discurso, Bakhtin, dialogismo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2015.16522

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br