A EDIÇÃO DE TEXTOS NÃO LITERÁRIOS: O PROJETO DOCUMENTOS LINGUÍSTICOS DO PAÍS BASCO

Sara Gómez Seibane, Aline Ribeiro de Freitas

Resumo


Atualmente, não cabe sequer questionar a validade dos textosnão literários como fonte de dados linguísticos, pois vocês estão autorizadoscomo os que me têm precedido os têm argumentado e demonstradoamplamente. Em síntese, o uso da produção notarial é interessantepor sua fidelidade para a reconstrução histórica, proporcionandodados seguros sobre a localização geográfica e cronológicados textos, o que a converte em um referente comparativo para asanálises sobre textos literários.Por outro lado, as supostas inconveniências derivadas e caráterrotineiro, assim como sua limitada variedade temática tem sidosuperadas graças ao abandono da identificação do oral com a “realidade”da língua, e inclusive seu interesse foi fortalecido através dosprojetos derivados das tradições discursivas e a tipologia documental– desde Terrado (1991) até Kabatek (2001) e Oesterrei-cher (2004) –, assim como desde a pragmática do discurso.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2010.15826

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br