Nação, narração e naturalismo em Bom-Crioulo de Adolfo Caminha

Patrícia I. Martinho Ferreira

Resumo


Partindo da ideia de sistema literário formulada por Antonio Candido, propõe-se neste ensaio estabelecer um diálogo entre Iracema (1865) de José de Alencar e Bom-Crioulo (1895) de Adolfo Caminha, com um duplo objetivo. Primeiro, entender de que forma Bom-Crioulo retoma e expande as fragilidades do sistema político-social estabelecido pelas elites do Império e presentes já nas entrelinhas da narrativa alencariana. Segundo, perceber de que forma Bom-Crioulo pode contribuir para a construção da identidade brasileira e, por conseguinte, participar na interação que se estabelece entre nação e narração. O foco principal deste ensaio será o romance de Caminha, embora o ponto de partida seja o jogo intertextual que este mantém com Iracema, o romance de Alencar.


Palavras-chave


Literatura Brasileira, ambivalências, ambiguidades, identidade brasileira, Iracema, Bom-Crioulo, intertextualidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2015.13781

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br