EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPOS DE PANDEMIA: QUANDO UMA MÁQUINA DO TEMPO APROXIMA AS DISTÂNCIAS

Maria Marta de Andrade Cerqueira, Cláudia Vasconcellos Nogueira da Gama, Patrícia da Paz Zampier

Resumo


Este artigo narra experiências vividas com crianças da Educação Infantil, de uma escola da rede privada do Rio de Janeiro, durante o período de afastamento social provocado pela covid-19. Baseamo-nos no conceito das múltiplas linguagens, de Malaguzzi (1999); na pedagogia de Freinet (1973), pautada na cooperação, na comunicação e na afetividade; e na concepção de sujeito histórico-social de Vygotsky (1984) para elaborar propostas significativas que propiciam a manutenção dos vínculos afetivos nesse período. Com essa observação participante, concluímos que os encontros virtuais com crianças pequenas estão longe de ser o ideal, mas foi através deles que conseguimos valorizar as vozes das crianças, o imaginário criativo e o brincar como ferramentas de mediação de aprendizagem. 

 


Palavras-chave


Educação Infantil, Imaginação, Múltiplas Linguagens, Criação e Mídia Digital.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Carlos Drummond. Alguma Poesia. Ed. Pindorama, 1930.

ANELLI, Luiz E. Dinos do Brasil. Ilustrado por Felipe Alves Elias. 2. ed. São Paulo: Peirópolis, 2018.

BARROS, Manoel. Memórias Inventadas para crianças. Iluminuras de Martha Barros. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2010.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, 2002. Disponível em: . Acesso em 9 dez. 2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394, 20 de dezembro de 1996. Disponível em: Acesso em: 04 out. 2020.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010. Disponível em: . Acesso em: 4 out. 2020.

______. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2020.

CORTELLA, Mário Sérgio. Educação, convivência e ética: audácia e esperança. São Paulo: Editora Cortez, 2015

ELIAS, Marisa Del Cioppo. Célestin Freinet: uma pedagogia de atividades e cooperação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

FREINET, Célestin. As técnicas Freinet da Escola Moderna. Tradução: Silva Letra. Lisboa: Editorial Estampa, 1973.

______. Ensaio de Psicologia sensível. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GANDINI, Lella. Espaços educacionais e de envolvimento pessoal. In: EDWARDS, Carolyn et al. As cem linguagens da criança: A abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Trad. Dayse Batista. Porto Alegre: Penso, 2016.

GIRARDELLO, Gilka. Imaginação: arte e ciência na infância. Pro-Posições, Campinas, v. 22, n. 2 (65), p. 75-92, maio/ago. 2011. Disponível em: . Acesso em: 4 out. 2020.

GUIMARÃES, Daniela de Oliveira. Relações entre crianças e adultos no berçário de uma creche Pública na cidade do Rio de Janeiro: técnica corporais, responsividade, cuidado. Tese (Doutorado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: . Acesso em: 8 dez. 2020.

HARTUNG, Pedro. Um presente a ser compartilhado: o vínculo. Instituto Alana, 2019. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2020.

KRAMER, Sônia. A infância e sua singularidade. In: BRASIL. Ministério da Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de 6 anos de idade. Brasília, DF, 2007. p. 13-23. Disponível em: . Acesso em: 9 dez. 2020.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

MALAGUZZI, Loris. História, idéias e filosofia básica. In: EDWARDS, C.; GANDINI, L.; FORMAN, G. As cem linguagens da criança. Porto Alegre: Artmed, 1999.

MOURA, Maria Teresa Jaguaribe Alencar de. Escola e museu de arte: uma parceria possível para a formação artística e cultural das crianças. TEIAS: Rio de Janeiro, ano 6, nº 11-12, jan/dez 2005.

PIORSKI, Gandhy. Brinquedos do chão: a natureza, o imaginário e o brincar. São Paulo: Peirópolis, 2016.

ROCHA, Ruth. Nicolau tinha uma ideia. Ilustração de Mariana Massarani. 3. ed. São Paulo: Quinteto Editorial, 1998.

SAMPAIO, Rosa Maria Whitaker Ferreira Sampaio. Freinet. São Paulo: Editora Scipione, 1994. p. 117-177.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Almedina, 2020. E-book. Disponível em: . Acesso em: 09 dez. 2020.

SBP. Manual de orientação da Sociedade Brasileira de Pediatria: Uso saudável de telas, tecnologias e mídias nas creches, berçários e escolas. Departamentos Científicos de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento e de Saúde Escolar. Nº 06, jun. 2019. Disponível em: . Acesso em: 4 out. 2020.

SIMONE, Vanisse. A abordagem Reggio Emilia na Educação Infantil. Revista Contemporartes, 2020. Disponível em: . Acesso em: 7 dez. 2020.

TIRIBA, Léa. Crianças, natureza e educação infantil. In: Reunião Anual da ANPED, 29, 2006, Caxambu: Anais GT7. Disponível em . Acesso em: 05 out. 2020.

VYGOTSKY, L. S. Interação entre o aprendizado e desenvolvimento. In: L. S. Vygotsky. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984. p. 89-103.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2021.55378

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: