QUANDO DEBATER VIRTUALMENTE NÃO É UMA OPÇÃO, É UMA NECESSIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE EDUCAÇÃO DECOLONIAL E PLURAL ATRAVÉS DE PRÁTICAS EXTENSIONISTAS-REMOTAS DESDE SÃO GONÇALO - RJ

Mariana Nogueira Rodrigues, Alan Navarro Fernandes, Haissa dos Santos Sodré, Arthur Vianna Ferreira

Resumo


Este artigo tem como objetivo compreender a relação entre o conflito, as perspectivas multiculturais e decolonias, e as práticas pedagógicas possíveis para a construção de uma educação plural e inclusiva. A partir dessa fundamentação teórica, realizamos um estudo de caso sobre o Oficine Debate, uma atividade extensionista organizada pelo Grupo de Pesquisa e Extensão Fora da Sala de Aula da Faculdade de Formação de Professores da UERJ. Primeiramente, este trabalho discutirá as formas pelas quais se entende o conceito de conflito e como ele pode se manifestar na prática pedagógica. Em seguida, apresentaremos a sua relação com a construção de uma educação decolonial e multicultural. Por fim, analisaremos os desdobramentos da ação extensionista, compreendendo suas potencialidades e seus limites.


Palavras-chave


Conflito; Educação Decolonial; Multiculturalismo; Extensão; Audiovisual.

Texto completo:

PDF

Referências


BAPTISTA, Isabel. Dar rosto ao futuro: a educação como compromisso ético. Profedições, 2005.

BAPTISTA. Isabel. Ética, Deontologia e Avaliação do Desempenho Docente. Ministério da Educação – Conselho Cientifico para Avaliação de Professores. Lisboa. 2011.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 15-24, 2016.

BOBBIO, Norberto, MATTEUCCI, Nicola e PASQUINO,

Gianfranco. Dicionário de política. Trad. Carmen C, Varriale et ai.;. coord. trad. João Ferreira; rev.geral João Ferreira e Luis

Guerreiro Pinto Cacais. - Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1 Ed., 1998.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 20. set. 2020.

BRASIL. LEI Nº 10.639/2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 20. set. 2020.

BUARQUE, Cristovam. O que é apartação: o apartheid social no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1999.

DE SOUSA SANTOS, Boaventura. A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade (2nd ed.). Cortez. 2004.

DUARTE, Rosália. Cinema & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

EU NÃO SOU SEU NEGRO. Direção: Raoul Peck. EUA: Velvet Film, 2016. ( 95 min.)

EU NÃO SOU UMA BRUXA. Direção: Rungano Nyoni. Reino Unido: Arte Prize, 2017. (93 min.)

FERREIRA, Arthur Vianna. Representações sociais e identidade profissional - Elementos das práticas educacionais com os pobres. 1. ed. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2012.

FREIRE, Ana Maria. Educação para a paz segundo Paulo Freire. Revista Educação. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: PUC/RS, ano XXIX, n.2, 2006.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido (17nd ed.). Paz e Terra, 1987.

GADOTTI, Moacir. Educação e poder: introdução à pedagogia do conflito. 13. Ed. São Paulo: Cortez, 2003.

GADOTTI, Moacir; FREIRE, Paulo; GUIMARÃES, Sérgio. Pedagogia: diálogo e conflito. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 1995.

HALL, Stuart. Identidade cultural. Fundação Memorial da América Latina, 1997.

JARES, Xésus Rodriguez. Pedagogia da convivência. Palas Athena, 2008.

JARES, Xésus. Educação para a paz: sua teoria e sua prática. Porto Alegre: Artmed, 2002.

LANDER, Edgardo et al. (Ed.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales= Conselho Latino-americano de Ciências Sociais, 2005.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de; CANDAU, Vera Maria Ferrão. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em revista, v. 26, n. 1, p. 15-40, 2010.

ONU. Organização das Nações Unidas- Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU. Disponível em: https://brasil.un.org/>. Acesso em: 18 set. 2020.

PARASITA. Direção: Bong Joon-Ho. Coréia do Sul: Pandora Filmes, 2019. (132 min.).

PELO MALO. Direção: Mariana Rondón. Venezuela: Sudaca Films, 2013. (95 min.).

PIERONI, Vittorio; FERMINO, Antonia; CALIMAN, Geraldo. Pedagogia da alteridade: para viajar a Cosmópolis. Brasília: Liber Livro, 2014.

PINEAU, Gaston. Temporalidades na formação. São Paulo: Triom, 2004.

PIRES, Eloiza Gurgel. A experiência audiovisual nos espaços educativos: possíveis interseções entre educação e comunicação. Educação e Pesquisa (USP. Impresso), v. 36 p 281-295, 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, p. 227-278, 2005.

SAID, Edward Wadie. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Tradução Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007

SANDER, Benno. Consenso e conflito: perspectivas analíticas na pedagogia e na administração da educação. São Paulo: Pioneira; Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense. 1984.

SÍVERES, Luiz. A Extensão Universitária como um Princípio de Aprendizagem. Liber Livro, 2013.

VINYAMATA, Eduard. Aprender a partir do Conflito: Conflitologia e Educação. São Paulo: Artmed, 2005.

WEBER, Max. Conceitos sociológicos fundamentais: metodologia das ciências sociais. Campinas: Cortez, Unicamp, 1992.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2021.54901

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: