Foucault e o neoliberalismo de subjetividades precárias: Incidências na escola pública brasileira

Alexandre Filordi de Carvalho

Resumo


O artigo investiga como o neoliberalismo é uma arte contemporânea de produzir e de governar subjetividades precárias. A hipótese é a de que a arte de governar neoliberal, ao compor o que Foucault denominou de dispositivo de segurança, atua diretamente precarizando a escola pública. O intuito dessa ação é o de fazer da potência subjetiva matéria de adaptação para a precarização. Logo, a escola pública precarizada funcionaria como instituição que adéqua seus sujeitos às demandas neoliberais precarizadoras. O artigo usa dados econômicos para poder comprovar tal perspectiva.  Ao cabo, o artigo defende ser urgente a escola pública recobrar a função de educar contra a precarização, afirmando-se como espaço público, laico e gratuito de formação para a denúncia e a resistência à arte de governo neoliberal.


Palavras-chave


Neoliberalismo; Escola pública; Subjetividades; Precarização; Foucault

Texto completo:

PDF

Referências


ALLIEZ, Éric; LAZZATO, Maurizio. Wars and capitalism. South Pasadena: Semiotext(e), 2016.

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BECKER, Gary S. Human Capital. A Theoretical and Empirical Analysis, with Special Reference to Education. Chicago & London: The University of Chicago Press, 1984.

BERARDI, Franco. A fábrica da infelicidade. Trabalho cognitivo e crise da new economy. Porto Alegre: DP&A, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. BNCC - Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2020.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Panorama da educação. Destaques do Education at a glance 2019. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2019.

BROWN, Wendy. Nas ruínas do neoliberalismo: a ascensão da política antidemocrática na Ocidente. São Paulo: Politeia, 2019.

BUTLER, Judith. Vida Precária. Os poderes do luto e da violência. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

CARVALHO, Alexandre Filordi de. Foucault e a função-educador. Ijuí: Editora Unijuí, 2014.

CARVALHO, Alexandre Filordi de; GALLO, Silvio Donizete de Oliveira. Lutas democráticas contra o Urstaat: o que pode fazer a educação? In. Revista ETD. Luto é Verbo. Educação e Democracia. v. 21, n. 3, 2019.

DIEESE. Desafios da Educação Brasileira: comentários sobre os indicadores da publicação Education at a Glance 2019. São Paulo, 2019, nov. 2019 a. (Nota técnica 217). Disponível em: < https://www.dieese.org.br/notatecnica/2019/notaTec217educacao.html>. Acesso em 28 abr. 2020.

DIEESE. A importância da política de valorização do salário mínimo e a urgência de renová-la. São Paulo, 2019, nov. 2019 b. (Nota técnica 205). Disponível em: < https://www.dieese.org.br/notatecnica/2019/notaTec205SalarioMinimo.html>. Acesso em 25 abr. 2020.

FÁVERO, Bruno. O que é fato no que disse o ministro da Educação em audiência na Câmara. In. aosfatos.org. 17 mai. 2019. Disponível em: < https://aosfatos.org/noticias/o-que-e-fato-no-que-disse-o-ministro-da-educacao-em-audiencia-na-camara/> Acesso em: 26 abr. 2020.

FOUCAULT, Michel. A vontade de saber. História da sexualidade I. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FOUCAULT, Michel. Naissance da la biopolithique. Paris: Gallimard/Seuil, 2004 a.

FOUCAULT, Michel. Securité, Territoire, Population. Paris: Gallimar/Seuil, 2004 b.

FRIEDMAN, Milton. The Role of Government in Education. In. SOLO, Robert A. Economics and the Public Interest, Trustees of Rutgers College in New Jersey, 1955.

HOSANG, Daniel M.; LOWDNS, Joseph E. Producers, parasites, patriotes. Race and the new right-wing politics of precarity. London/Minneapolis: University of Minnesota Press, 2019.

HU, Zöe. A New Age of Destructive Austerity After the Coronavirus. In. The New Republican. Abr. 23 mai. 2020. Disponível em: < https://newrepublic.com/article/157417/new-age-destructive-austerity-coronavirus>. Consulta em: 23 mai. 2020.

JOHSUA, Samuel. L’école entre crise e refondation. Paris: La Dispute, 2000.

KINZER, Stephen. Overthrow. America’s century of regime change. From Hawaii to Iraq. New York: Times Book, 2006.

KLEIN, Naomi. The shock doctrine. The rise of disaster capitalism. New York: Picador, 2007.

LAVAL, Crhistian. A escola não é uma empresa. O neoliberalismo em ataque ao ensino público. São Paulo: Boitempo, 2019,

LAZZARATO, Maurizio. Gouverner par la dette. Paris: Les Prairies Ordinaires, 2014.

LAZZARATO, Maurizio. Fascismo ou revolução? O neoliberalismo em chave estratégica. São Paulo: N-1, 2019.

LEVITSKY, Steven; ZIBLATT, Daniel. Como as democracias morrem. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

MARTINS, Cristiano Zanin; MARTINS, Valeska. Lawfare: uma introdução. São Paulo: ContraCorrente, 2019.

MAYER, Jane. Dark Money. The hidden history of the billionaires behind the rise of the radical right. New York: Anchor Book, 2017.

MELAMED, Jodi. The Spirit of Neoliberalism: From racial liberalism to Neoliberal multiculturalismo. Social Text 89, Vol. 24, No. 4, 2006, Winter. Disponível em: https://analepsis.files.wordpress.com/2017/01/neolibmulticulti.pdf

OECD. PISA. Preparing our youth for an inclusive and sustainable world. The OECD PISA global competence framework. Organization for Economic Co-operation and development - OECD: 2018. Disponível em: https://www.oecd.org/pisa/Handbook-PISA-2018-Global-Competence.pdf

RITZER, George. The Macdonaldization thesis. London/New Delhi: SAGE Publications, 2000.

ROSE, NIKOLAS. Inventando nossos selfs. Psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis: Vozes, 2011.

SCHULTZ, Theodore W. Investiment in humain capital. In. The American Economic Review. V. LI, N. 1, 1961.

STANDING, Guy. O precariado. A nova classe perigosa. Belo Horizonte: Autêntica, 2017, 2017.

STEGER, Manfred; RAVI Roy. Neoliberalism: a very short introduction. New York: Oxford, 2010.

VON MISES, Ludwig. Ação humana – um tratado de economia. São Paulo: Instituto Ludwig von Mises Brasil, 2010. Versão e-book. https://www.mises.org.br/Ebook.aspx?id=44




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.54579

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: