DEU RUIM NA HASHTAG! BOTS E PANDEMIA DE FAKE NEWS EM TEMPOS DE COVID-19: O CASO #FECHADOCOMBOLSO(L)NARO

Marcelle Medeiros Teixeira, Dilton Ribeiro Couto Junior

Resumo


O texto analisa o uso da hashtag #FechadoComBolsolnaro, uma das mais disseminadas no twitter em abril de 2020. Em meio a uma crise política no seu mandato presidencial, Jair Bolsonaro vira alvo de memes em função do erro de digitação de seu sobrenome na hashtag, sugerindo o uso de bots (robôs) na tentativa de alavancar sua popularidade. Pesquisar fake news e bots mediante a utilização do método cartográfico convida a uma reflexão sobre o uso indiscriminado das redes para a formação da opinião pública, principalmente em tempos de pandemia, quando a população encontra-se mais vulnerável. Dessa forma, argumentamos que precisamos colocar em prática uma educação implicada no combate às fake news que comprometem a democracia brasileira.


Palavras-chave


fake news, bots, pandemia, democracia, educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, W.; SANTOS, E. De memes a fake news: desafios de uma pesquisa-formação nta cibercultura. Revista Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 25, n. 1, p. 130-147, jan./abr. 2020. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2020.

BENTO, B. Necrobiopoder: quem pode habitar o Estado-nação? Cadernos Pagu, Campinas, n. 53, e185305, 2018. Disponível em: . Acesso em: 7 maio 2020.

BUCCI, E. Pós-política e corrosão da verdade. Revista USP, São Paulo, n. 116, p. 19-30, jan./fev./mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2020.

BUTLER, J. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Tradução de Sérgio Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CARVALHO; F.; POCAHY, F. Cartografias ciberculturais da formação docente: experimentações autorais na disciplina de educação estética. Revista Ciências Humanas, Taubaté, v. 13, n. 1, p. 94-102, jan./abr. 2020. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2020.

COUTO JUNIOR, D.; SANTOS, R.; VELLOSO, L. Rede social e comunicação ubíqua: o que podemos aprender com Black Mirror? Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 19, n. 62, p. 1128-1146, jul./set. 2019. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2019.

COUTO JUNIOR, D.; VELLOSO, L.; SANTOS, R. Os movimentos ciberativistas de (re)existência nas redes sociais e suas implicações para a educação. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 21, n. 60, p. 91-108, jan./mar. 2020. Disponível em: . Acesso em: 1 mar. 2020.

COUTO JUNIOR, D.; POCAHY, F.; CARVALHO, F. Ensinar-aprender com os memes: quando as estratégias de subversão e resistência viralizam na internet. Periferia, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 17-38, maio/ago. 2019. Disponível em: . Acesso em: 22 maio 2019.

COUTO JUNIOR, D. et al. Do face a face às dinâmicas comunicacionais em/na rede: a conversa online como procedimento metodológico da pesquisa em educação. Revista Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 25, n. 1, p. 82-98, jan./abr. 2020. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2020.

COUTO JUNIOR, D. et al. Jovens em estado de alerta no Facebook: diálogos tecidos em/na rede como estratégia de (re-)existência à regulação das vidas precarizadas. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 14, n. 3, p. 1210-1229, set./dez. 2019. Disponível em: . Acesso em: 2 out. 2019.

COUTO, E.; COUTO, E.; CRUZ, I. #Fiqueemcasa: educação na pandemia da COVID-19. Interfaces Científicas – Educação, Aracaju, v. 8, n. 3, p. 200-217, 2020. Disponível em: . Acesso: 15 maio 2020.

GARRIDO, R.; GARRIDO, F. COVID-19: um panorama com ênfase em medidas restritivas de contato interpessoal. Interfaces Científicas – Saúde e Ambiente, Aracaju, v. 8, n. 2, p. 127-141, 2020. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2020.

GENESINI, S. A pós-verdade é uma notícia falsa. Revista USP, n. 116, p. 45-58, 2018.

KALIL, I.; SANTINI, R. Coronavírus, Pandemia, Infodemia e Política. Relatório de pesquisa. São Paulo / Rio de Janeiro: FESPSP / UFRJ, 2020, 21p. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2020.

KASTRUP, V. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015, p. 32-51.

LEMOS, A. Os sentidos da tecnologia: cibercultura e ciberdemocracia. In: LEMOS, A.; LÉVY, P. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010, p. 21-31.

MBEMBE, A. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Tradução de Renata Santini. São Paulo: n-1 Edições, 2018.

MICHALSKI, R.; PAULA, L. Os bots de disseminação de informação na conjuntura das campanhas presidenciais de 2018 no Brasil. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, Minas Gerais, v. 9, n. 1, p. 1-16, jul. 2019. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2020.

NOLASCO-SILVA, L. “Os olhos tristes da fita rodando no gravador”: as tecnologias educacionais como artesanias docentesdiscentes. 2018. 205f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

NOLASCO-SILVA, L.; SOARES, M.; BIANCO, V. Os memes e o golpe. Periferia, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 111-130, maio/ago. 2019. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração universal dos direitos humanos, 1948. Disponível em: Acesso em: 31 maio 2020.

POCAHY, F.; SILVA, A.; DOURADO, E. A cartografia como pesquisa-in(ter)venção do/no presente: modos de/para pensar-fazer a formação docente. Revista Ciências Humanas, Taubaté, v. 13, n. 1, p. 5-10, jan./abr. 2020. Disponível em: . Acesso em: 6 maio 2020.

POZZANA, L.; KASTRUP, V. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015, p. 52-75.

PRADO FILHO, K.; TETI, M. A cartografia como método para as ciências humanas e sociais. Barbarói, Santa Cruz, n. 38, p. 45-59, jan./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2018.

SANTAELLA, L. A crítica das mídias na entrada do século 21. In: PRADO, J. (Org.). Crítica das práticas midiáticas: da sociedade de massa às ciberculturas. São Paulo: Hacker, 2002, p. 44-56.

SANTAELLA, L. A pós-verdade é verdadeira ou falsa? Barueri: Estação das Letras e Cores, 2019.

SANTOS, E.; WEBER, A. Educação e cibercultura: aprendizagem ubíqua no currículo da disciplina didática. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 13, n. 38, p. 285-302, jan./abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

SANTOS, E.; COLACIQUE, R.; CARVALHO, F. A autoria visual na internet: o que dizem os memes? Quaestio, Sorocaba, v. 18, n. 1, p. 135-157, maio 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2019.

SILVEIRA, S. Concentração, modulação e desinformação nas redes. In: AZEVEDO, J.; POCHMANN, M. (Orgs.). Brasil: incertezas e submissão? São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2019, p. 27-44.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.51544

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: