UNIVERSIDADE NO BRASIL: COLONIALISMO, COLONIALIDADE E DESCOLONIZAÇÃO NUMA PERSPECTIVA NEGRA

Autores

  • Nádia Maria Cardoso da Silva Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2017.29814

Palavras-chave:

Universidade, Racismo/sexismo epistêmico, Colonialidade, Descolonização, Movimentos negros.

Resumo

Apresentamos o ensino superior brasileiro como criação que fortalece o colonialismo português no Brasil e a universidade brasileira, surgida na década de 1920, como lugar de produção de conhecimento a partir da colonialidade de poder/saber sobre negros, negras e indígenas, sustentando o eurocentrismo e consolidando o racismo/sexismo epistêmico. No século XXI, os Movimentos Negros desafiam a universidade brasileira a enfrentar tais desafios através da descolonização do conhecimento acadêmico, pois, ainda que estejam adotando políticas de ampliação do acesso dos negros e negras, encaram dificuldades para operar mudanças epistemológicas que enfrentem o silenciamento epistêmico de intelectuais negros e negras. A partir da perspectiva decolonial latino-americana, visibilizamos a experiência de alguns intelectuais negros e negras como estratégia de combate ao racismo/sexismo epistêmico no Brasil.

Biografia do Autor

Nádia Maria Cardoso da Silva, Universidade Federal da Bahia

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Cultura e Sociedade - Instituto de Humanidades Milton Santos - Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Referências

CARNEIRO. Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Tese (Doutorado em educação). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

_______. Prefácio. In: RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial/Instituto Kuanza, 2007.

CARVALHO, J. J. O confinamento racial do mundo acadêmico brasileiro. Revista da USP, n. 22, São Paulo, USP, 2006.

CASTRO, Silvia Regina Lorenzo de. Corpo e erotismo em Cadernos Negros: a reconstrução semiótica da liberdade. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2007.

DURHAM, Eunice Ribeiro. A universidade brasileira: os impasses da transformação. Ciência e Cultura. São Paulo, v. 38, n.12, p. 204-218, dez. 1996.

FIGUEIREDO, Angela; GROSFOGUEL, Ramón. Por que não Guerreiro Ramos? Novos desafios a serem enfrentados pelas universidades públicas brasileiras. Cienc. Cult. v. 59, n. 2, 2007.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala – formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro: Record, 1998.

GREDHILL, Helen Sabrina. Travessias Racialistas no Atlântico Negro: Reflexões sobre Booker T. Washington e Manuel R. Querino. 2014, Disponível em: <https://www.academia.edu/6578299/Travessias_Racialistas_no_Atl%C3%A2ntico_Negro_Reflex%C3%B5es_sobre_Booker_T._Washington_e_Manuel_R._Querino>. Acesso em 13 jan. 2017.

GROSFOGUEL, Ramon. Racismo/sexismo epistémico, universidades occidentalizadas y los cuatro genocidios/ epistemicidios del largo siglo XVI. Tabula Rasa. Bogotá, n. 19, p. 31-58, jul-dez, 2013.

_______. La descolonización del conocimiento: diálogo crítico entre la visión descolonial de Frantz Fanon y la sociología descolonial de Boaventura de Sousa Santos. s/d. Disponível em: <http://www.iepala.es/IMG/pdf/Analisis-Ramon_Grosfoguel_sobre_Boaventura_y_Fanon.pdf>. Acesso em 06 dez. 2017.

HARNEY, Stefano; MOTTEN, Fred. A Universidade e seus undercommons. 2014. Disponível em: <http://hemisphericinstitute.org/hemi/en/emisferica-111-decolonial-gesture/harney>. Acesso em 06 dez. 2017.

LIMA, Ari. A legitimação do intelectual negro no meio acadêmico brasileiro: negação de inferioridade, confronto ou assimilação intelectual. Afro-Ásia, Salvador, n. 26, p. 281-312. 2001.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Outline of Ten Theses on Coloniality and Decoloniality. 2016. Disponível em: <http://frantzfanonfoundation-fondationfrantzfanon.com/article2360.html>. Acesso em 15 jan. 2017.

MOURA, Clóvis. Sociologia do negro brasileira. São Paulo: Ática, 1988.

QUIJANO, Anibal. Colonailidade de Poder, eurocentrismo e América Latina. 2005. Disponível em: <http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf >. Acesso em: 05 out. 2015.

RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial/Instituto Kuanza, 2007.

RATTS, Alex; RIOS, Flávia. Lélia Gonzalez. São Paulo: Selo Negro, 2010.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Introdução Crítica à Sociologia Brasileira. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1995.

OLIVEIRA. Eduardo David. Filosofia da Ancestralidade: corpo e mito na filosofia da educação brasileira. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2007.

RODRIGUES, Nina. Os africanos no Brasil. 6. ed. São Paulo: Editora da Universidade de Brasília, 1982.

SÁ, Carla. Professor demitido após denúncia de racismo vai voltar a dar aulas na Ufes. G1, publicação online, 16 fev. 2016. Disponível em: <http://g1.globo.com/espirito-santo/educacao/noticia/2016/02/professor-demitido-apos-denuncia-de-racismo-vai-voltar-dar-aulas-na-ufes.html>. Acesso em 04 jan. 2017.

SAID, Edward. Orientalismo – O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

SANTOS, Boaventura. As Dores do Pós-colonialismo. Jornal Folha de São Paulo, 21 agost. 2006

SANTOS, Jaqueline Lima. A produção intelectual de mulheres negras e o epistemicídio – uma breve contribuição. 2010. Disponível em: <http://www.institutobuzios.org.br/documentos/Jaqueline%20Lima%20Santos_A%20Produ%C3%A7%C3%A3o%20Intelectual%20das%20Mulheres%20Negras%20e%20o%20Epistemic%C3%ADdio.pdf>. Acesso em: 06 dez. 2017.

SEGATO, Rita. Raça é Signo. 2005. Disponível em: <http://dan.unb.br/images/doc/Serie372empdf.pdf>. Acesso em 15 jan. 2017.

SEYFERT, Giralda. O beneplácito da desigualdade: breve digressão sobre racismo. In: RACISMO no Brasil. São Paulo: ABONG; Peirópolis (SP), 2002, p. 17-45.

SCHWARCZ, Lilia K. Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA, Denise Ferreira da. Revisitando a ‘democracia racial’: raça e identidade nacional no pensamento brasileiro. Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, n. 16, p. 157-167, 1998.

SILVA, Nádia Maria Cardoso da. Instituto Steve Biko – Juventude Negra Mobilizando-se por Políticas de Afirmação dos Negros no Ensino Superior. Dissertação de Mestrado. Universidade do Estado da Bahia, 2006.

SILVA, Vagner Gonçalves da; REIS, Leticia Vidor; SILVA, José Carlos. (orgs). Antropologia e seus Espelhos: a etnografia vista pelos observados. FFLCH/USP, 1994.

SILVEIRA, Renato. Os selvagens e a massa: o papel do racismo científico na montagem da hegemonia ocidental. Afro-Ásia, 23, Salvador: 2000, pp. 89-14

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o Subalterno Falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

09-01-2018

Como Citar

DA SILVA, Nádia Maria Cardoso. UNIVERSIDADE NO BRASIL: COLONIALISMO, COLONIALIDADE E DESCOLONIZAÇÃO NUMA PERSPECTIVA NEGRA. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 3, n. 3, p. 233–257, 2018. DOI: 10.12957/riae.2017.29814. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/29814. Acesso em: 29 maio. 2024.