“MACUMBA É COISA DO DEMÔNIO, TIO!”: DISCUTINDO RELAÇÕES DE PRECONCEITO NA AULA DE MÚSICA

Rafael Ferreira de Souza

Resumo


Este artigo trata de uma experiência que imbrica a temática das relações raciais e da educação musical. Como as crianças faziam uso pejorativo da palavra “macumba”, foi preciso discutir tal temática. Para isso, foi realizada a contação de histórias para tentar descontruir as ideias preconcebidas sobre “macumba”. A partir da narrativa da experiência, é discutido o lugar das relações raciais no cotidiano escolar e as possibilidades do trabalho docente para a construção da identidade e da autoestima dos estudantes negros de classes populares. Há, também, o debate da tecedura das relações com a raça/etnia negra no Brasil desde a discussão da Colonialidade e, finalmente, é tratada a ausência de iniciativas concretas para a formação dos professores sobre as relações raciais.

Palavras-chave


Educação Musical; Interculturalidade; Descolonialidade; Lei 10639/03; Lei 11769/08

Texto completo:

PDF

Referências


BATESON, Gregory. Pasos hacia una ecologia de la mente. Argentina: Editorial Lohlé-Lumen, 1998.

CANDAU, Vera Maria. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação. 2008, vol.13, n.37, p. 45-56.

CERTEAU, Michel de. A Invenção do Cotidiano: Artes de fazer. 13ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

FLEURI, Reinaldo Matias. (Org.). Intercultura: estudos emergentes. Ijuí: Editora Unijuí, 2001.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014, p. 9-14.

MARTINEZ, Edson Baptista; PEDERIVA, Patricia Lima Martins. Por que o professor de música desiste da Educação Básica. In: XXI Congresso Nacional da Associação Brasileira de Educação Musical. 2013. Pirenópolis, Anais... Disponível em Acesso em 08 de maio de 2014.

MATURANA, H. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

MIGNOLO, Walter. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidade, lógica de la colonialidad, gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Del Signo, 2010.

MIRANDA, Claudia. Currículos decoloniais e outras cartografias para a educação das relações étnico-raciais: desafios político-pedagógicos frente a lei nº 10.639/2003. Revista da ABPN. 2013, v. 5, n. 11, jul./ out. p. 100-118.

MÜLLER, Maria lucia Rodrigues. Formação de professores e perspectivas para a implantação da Lei 10.639/03. In: SOUZA, Maria Elena Viana. (Org.) Relações raciais no cotidiano escolar: diálogos com a Lei 10.639/03. Rio de Janeiro: Rovelle, 2009, p. 47-63.

PENNA, Maura. Música(s) e seu Ensino. 2 ed. Porto Alegre: Sulina, 2012.

PEREIRA, Amílcar Araújo. A Lei 10.639/03 e o movimento negro: aspectos da luta pela “reavaliação do papel do negro na história do Brasil”. Cadernos de História. 2011, v. 12, n. 17, p. 25-45.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (orgs.) Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010, p. 84-130.

ROCHA, Luiz Carlos paixão da. Lei 10.639/03: desafios e perspectivas para a implementação dos conteúdos afro-brasileiros nas escolas. In: SOUZA, Maria Elena Viana. (Org.) Relações raciais no cotidiano escolar: diálogos com a Lei 10.639/03. Rio de Janeiro: Rovelle, 2009, p. 47-63.

SKLIAR, Carlos. Desobedecer a linguagem: educar. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2015.16190

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: