De como se expressam conversas e travessias desmedicalizadas: trajetórias no entre de uma pesquisa

Anelice Ribetto, Raquel Reis

Resumo


Este texto pretende dar a ver parte de um caminho investigativo que compõe a produção de uma pesquisa. Os trajetos de formação por entre conversas e experiências são os passos fundantes que movimentam o pensamento de duas autoras. Trata-se de uma escrita que problematiza a produção da norma encarnada as trajetórias estudantis no espaço da Sala de Recursos (e para além dela), trajetórias essas marcadas por olhares clínico-institucionais na escola. Assim, trazemos escritas atravessadas pela experiência como possibilidade de pensar o que nos passa na educação. Tais travessias ajudam-nos a ganhar caminhos na produção de encontros outros desprovidos de normas definidas pelo saber médico, mas abastados de astúcias que por meio de múltiplas linguagens, criam um sentido outro (talvez menos técnico e mais sensível) na sala de recursos multifuncionais junto a trajetórias singulares que colocaram de pé uma pesquisa  

Palavras-chave


educação; sala de recursos; medicalização; travessias

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2021.58024

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional