A constituição da flexibilidade como estratégia política no esnino médio brasileiro

Daiana Bastos da Silva Santos, Roberto Rafael Dias da Silva

Resumo


O presente artigo propõe-se a compreender os sentidos de flexibilidade no Ensino Médio brasileiro na última década. Dessa forma, interessa interrogar: Como os sentidos de flexibilidade se apresentam e se articulam na mídia pedagógica impressa pesquisada no Brasil no decorrer da última década? Para tal, elege como materialidade empírica um conjunto de textos e artigos da Revista Pátio: Ensino Médio, Profissional e Tecnológico. Como grade analítica, tomou-se por base o conceito foucaultiano de tecnologia de governo. Como apontamentos gerais  evidencia-se a constituição de uma tríade de sentidos, qual seja: a flexibilidade curricular pautada pela oferta de currículo flexível; a flexibilidade da prática pedagógica na organização do tempo, dos espaços e dos métodos; e a flexibilidade enquanto uma habilidade a ser desenvolvida no e pelo sujeito empreendedor de si, na produção de subjetividades capazes de gerir seu próprio capital de competências.


Palavras-chave


ensino médio; flexibilidade; currículo; mídia impressa.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2022.54090

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional