Bricolagens artísticas: contradições e (in)conformidades na arte e na educação carioca

Renata Rocha de Oliveira, Thamy Lobo

Resumo


O artigo narra às possibilidades criadas com a exposição Pardo é papel de Maxwell Alexandre e os ‘conhecimentossignificações’ que permeiam as obras bem como os cotidianos da cidade do Rio de Janeiro, criando um espaço de vida e de mobilização social, possibilitados pelas artes visuais, como modo outro de educação. Populações estigmatizadas ganham espaço e corpo, na referência à personalidades que subverteram os lugares aos quais foram designados na história contada, reescrevendo-as em interlocução com o momento presente, em espaços hegemônicos, como o dos museus. O trabalho docente se reinventa e se desloca no encontro de professores e estudantes com as obras de arte, em um movimento educativo, político e estético de resistência e criação cotidiana.


Palavras-chave


cotidianos; currículos; redes educativas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2020.53715

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional