Cinema negro na educação antirracista: uma possibilidade de reeducação do olhar

Hélio Lucio dos Reis Ventura, Samuel Silva Rodrigues Oliveira, Roberto Borges

Resumo


Este artigo parte da atual disputa de conceituação daquilo que tem sido chamado “Cinema Negro”. Analisa o “Cinema Novo”, por onde os corpos negros passaram a surgir nas telas do cinema não mais como exceção, mas ainda com graves problemas de representação da subjetividade de pessoas negras e de estereotipia. Nesse caminho, perpassa por uma análise do “Dogma Feijoada”, manifesto marco das grandes inflexões que se deram na produção de cinema no Brasil, quando os produtores de cinema são negros e negras. Argumenta também que as lutas estéticas e políticas do Cinema Negro operam transformações no imaginário social, rompendo com o embranquecimento da linguagem cinematográfica e fomentando novas formas de narrar as experiências dos afro-brasileiros. Para finalizar, inserimos uma breve discussão da Lei 10.639/03 e argumentamos que espaços de formação para além da escola oficial são importantes e necessários na construção de cidadão conscientes de seu papel antirracista.


Palavras-chave


Cinema Negro; Educação Antirracista; Lei 10639/03

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2020.50008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional