TRABALHO: vazio e espoliação em Fifteen Million Merits (Black Mirror)

Daniela Oliveira Passos, Paulo Roberto Barreto Caetano

Resumo


O artigo discute como se dá a espoliação e a subjugação do indivíduo no trabalho em Fifteen Million Merits (2011). Nesse episódio da série Black Mirror, é possível ver uma indistinção entre jornada de trabalho e vida fora do labor, bem como se percebe um processo de espetacularização das singularidades do indivíduo, de modo a transformar em mercadoria os mais diversos aspectos da subjetividade num agudo processo de subjetivação e embotamento. O protagonista, para se desvencilhar das amarras, adota uma postura de pragmática abstenção, aparentemente. Tais características são comentadas a partir da noção de crítica ao capital e dos processos do trabalho desumanizador de Karl Marx, do disciplinamento dos sujeitos por E. P.

Palavras-chave


trabalho; espetáculo; Black Mirror

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2020.48648

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional