CÂNDIDO, PANGLOSS E MARTIM: OTIMISMO E MANIQUEÍSMO A RESPEITO DOS 10 ANOS DE ENSINO RELIGIOSO NO RIO DE JANEIRO

Stela Caputo, Pedro Castanheira de Freitas, Luciana Helena Monsores, Cristiano Sant’Anna de Medeiros

Resumo


Este artigo faz uma reflexão sobre os 10 anos de Ensino Religioso no Rio de Janeiro (ER), sem, contudo, pretender fazer um balanço do tema. Aborda a discriminação sofrida por crianças e adolescentes praticantes de religiões afrodescendentes, bem como por alunos que se denominam ateus. Avalia alguns espaços de formação de professores de ER, em especial, o X Fórum de Ensino Religioso, ocorrido em março de 2014. Problematiza a distribuição do Manual de Bioética e seu conteúdo discriminador para os professores de Ensino Religioso pela Secretaria de Educação. Utiliza o romance "Cândido", de Voltaire, como inspiração e alegoria no percurso do texto.

Palavras-chave: Ensino Religioso, laicidade, Educação Pública, discriminações

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional