NIETZSCHE: DESERTIFICAÇÃO E NIILISMO

Robson Cordeiro

Resumo


Resumo:
O propósito é analisar a relação entre desertificação e niilismo no pensamento de Nietzsche a partir do ditirambo de Dionísio intitulado O deserto cresce: ai daquele que abriga desertos! Neste ditirambo, em sua parte final, Nietzsche apresenta o deserto como a descomunal força que tudo estrangula e tritura, força essa que é constituída por um “pathos” muito particular, o “pathos do em vão”, que caracteriza o niilismo. Mas a força que tudo procura desertificar, no entanto, é também uma força que nunca se extenua, que nunca repousa, sendo, desse modo, uma forma de manifestação da vontade de poder, embora, paradoxalmente, o seu objetivo seja dizer não ao esforço, ao eterno movimento de auto-exposição que é a vida, mostrando que o mesmo, por ser gratuito e inútil, é sem sentido, é em vão.
Palavras-chave: Nietzsche. Desertificação. Niilismo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional