COMPUTADORES NA EDUCAÇÃO: A CONSTRUÇÃO DISCURSIVA DE UM IMPERATIVO PARA A ESCOLA NOS ANOS 1980

Luís Henrique Sommer

Resumo


O artigo examina um conjunto de estratégias, sobretudo discursivas, que teriam estabelecido o imperativo da informatização, que viria a condicionar a utilização de computadores na rede municipal de ensino do município gaúcho de Novo Hamburgo nos anos 1980. Com base nos estudos culturais em sua vertente foucaultiana, demonstro e analiso como a informatização da educação pública da Cidade entra cena, passa a ser pensada. Ao longo do texto, examino o discurso da campanha jornalística, de apregoado caráter comunitário, Projeto Agora: a conquista do computador, posta em curso sob a coordenação do jornal da Cidade. Ferramentas conceituais extraídas da teorização foucaultiana permitiram-me focalizar a referida campanha como uma estratégia de governamento da população da Cidade, ao demonstrar a montagem de um aparato discursivo estratégico, empenhado em seduzir a população através de um conjunto de enunciados produzidos segundo regras estritas que a própria campanha vinha estabelecendo. Finalmente, discuto as conexões entre computadores na educação e a vida econômica da Cidade, demonstrando que inserir computadores na educação da Cidade significava muito mais investir em tecnologia e na produção de sujeitos capazes de garantir a continuidade da trajetória de progresso e desenvolvimento econômico da Cidade industrial, e menos uma questão de educação.

Palavras-chave


Computador; construção discursiva; educação pública.

Texto completo:

Texto completo [PDF]

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional