ATIVIDADES NÃO PRESENCIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLETINDO SOBRE AS ORIENTAÇÕES E AÇÕES PEDAGÓGICAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2022.66439

Palavras-chave:

Educação Infantil. Pandemia. Pré-escola.

Resumo

A pandemia mundial do coronavírus (SARS-CoV-2) tem provocado uma situação bastante complexa na educação escolar, tanto em relação às formas de ensinar, quanto no que se refere às aprendizagens a serem produzidas pelos estudantes. Com o propósito de contribuir para a ampliação das discussões sobre os desafios da educação pública no contexto da pandemia do coronavírus, bem como de colaborar com a socialização das ações educativas implementadas na Educação Infantil, no contexto pandêmico, o presente trabalho objetiva analisar as atividades pedagógicas realizadas pelas Redes Municipais de Ensino situadas no Território dos Carnaubais–PI, especificamente desenvolvidas com as crianças de 4 e 5 anos matriculadas na Educação Infantil. A coleta de dados foi mediante a aplicação de questionário do Google Forms respondido por 16 Supervisores da Educação Infantil que atuam nas Redes Púbicas Municipais de Ensino. Os resultados apontam que apenas 50% das redes de ensino estão seguindo plenamente as orientações do Conselho Nacional de Educação (CNE) (Parecer CNE n.º 05/2020) com relação às atividades pedagógicas não presenciais na Educação Infantil. Essa constatação deve ser objeto de reflexão por parte dos profissionais que atuam nesta etapa da Educação Básica, principalmente aqueles que são responsáveis pela condução e acompanhamento da política educacional. Os resultados do estudo apontam também a necessidade da retomada do objetivo da Educação Infantil que é promover o desenvolvimento dos aspectos físico, motor, cognitivo, social e emocional das crianças.

Biografia do Autor

Maria do Desterro Melo da Rocha Nogueira Barros, Universidade Federal do Piauí-UFPI

Doutorada e Mestre em Educação pela a Universidade Federal do Piauí( 2016 2017 graduada em Educação Física pela Universidade Estadual do Piauí 2001 graduada em Pedagogia pela Faculdade Médio Parnaíba FAMEP (2018) especialista em Tecnologias na Educação PUC RIO( 2011 Gestão Escolar e Docência do Ensino Superior FAEPI 2015 e Coordenação Pedagógica UFPI 2015 Atua como Coordenadora Pedagógica do Programa de Mediação Tecnológica Canal Educação Secretaria Estadual de Educação do Estado do Piauí, professora de Educação Física Ensino Fundamental Secretaria Municipal de Educação de Castelo do Piauí, Professora na Educação Superior da Professora Formadora II da Universidade Federal do Piauí e da Universidade Estadual do Piauí UESPI ( e Faculdade Evangélica do Piauí FAEPI Atualmente é Formadora/Consultora Contato Assessoria, Capacitações e Projetos LTDA Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Formação Continuada de Professores, atuando principalmente nos seguintes temas Formação Docente, Coordenação Pedagógica e Gestão educacional.

Antonia Edna Brito, Universidade Federal do Piauí-UFPI

Possui graduação em PEDAGOGIA pela Universidade Federal do Piauí (1983), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Piauí (1997) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2003). Atualmente é professora titular da Universidade Federal do Piauí, lotada no Centro de Ciências da Educação, no Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino. Professora do curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação/UFPI,
vinculada à linha de pesquisa Formação de professores e Práticas da Docência. Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Formação e Profissionalização Docente em Pedagogia/NUPPED. Associada na Associação Brasileira de Alfabetização e da Associação Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica (BIOgraph). Tem experiência na educação básica (atuou como professora da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio). Foi coordenadora pedagógica nos anos
iniciais do ensino fundamental. Foi chefe do Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino (1997 a 1999). Foi coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação/UFPI. Atuou como membro da CPA/UFPI (2012 a 2013. Tem interesse nos seguintes temas: formação de professores, alfabetização, práticas da docência, educação infantil e pesquisa autobiográfica.

Referências

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº 5/2020. Brasília: Conselho Nacional de Educação, 28 abr. 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 10 out. 2020

BRASIL. Ministério da Educação. Projeto de cooperação técnica MEC E UFRGS para construção de orientações curriculares para a Educação Infantil. Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: Brasília, DF, 1998.

BRASIL. Lei Federal nº 9.394, de 26 dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Câmara Federal, [1996]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 10 out. 2020.

CAFARDO, Renata. Oito em cada dez professores não se sentem preparados para ensinar online. UOL, 17 de maio de 2020. Disponível em: https://educacao.uol.com.br/noticias/agencia-estado/2020/05/17/oito-em-cada-dez-professores-nao-se-sentem-preparados-para-ensinar-online.htm. Acesso em: 10 jun. 2020.

CETIC. TIC domicílios 2018: domicílios. Disponível: https://cetic.br/pt/tics/domicilios/2018/domicilios/A/. Acesso em: 10 set. 2021.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2005.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa qualitativa em Ciências Humanas e Sociais. Petrópolis: Vozes, 2006.

GOMES, Vânia Thais Silva et al. A pandemia da COVID-19: repercussões do ensino remoto na formação médica. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 44, n. 4, p. 1-10, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/xZjx57LqBz9N6wcLPrTS9fs/?lang=pt. Acesso em: 19 maio 2021.

KUHLMANN JR., Moysés. Educação infantil e currículo. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart de; PALHARES, Marina Silveira (org.). Educação Infantil pós-LDB: rumos e desafios. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

MORAIS, Regis de. Cultura brasileira e educação. Campinas, São Paulo, Papirus,1989.

MORIN, Edgar. É hora de mudarmos de via: as lições do coronavírus. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2021.

MOTA, Janine da Silva. Utilização do Google Forms na pesquisa acadêmica. Revista Humanidades e Inovação: Revista da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da UFT, v. 6, n.12, dez. 2019. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/1106 Acesso em: 10 out. 2020.

NAVARRO, Mariana Stoeterau. O brincar na educação infantil. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 9.; ENCONTRO SUL BRASILEIRO DE PSICOPEDAGOGIA, 3., 2009, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: PUC-PR, 2009. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2009/2693_1263.pdf. Acesso em: 19 maio 2020.

NÓVOA, António. Conversa com António Nóvoa: A educação em tempos de pandemia. 2020. Disponível em: http://geonauta.com.br/sala-dos-professores/cartografia-digital/livessobre-educao-e-ensino-a-distncia/432. Acesso em: 10 jun. 2020.

OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de. Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

SAVIANI, Dermeval; GALVÃO, Ana Carolina. Educação na pandemia: a falácia do “ensino” remoto. Universidade e Sociedade: Revista do ANDES-SN, ano 31, n. 67, jan./jun. 2021. Disponível em: https://www.andes.org.br/img/midias/0e74d85d3ea4a065b283db72641d4ada_1609774477.pdf. Acesso em: 29 set. 2021.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Downloads

Publicado

2022-10-06

Como Citar

MELO DA ROCHA NOGUEIRA BARROS, Maria do Desterro; BRITO, Antonia Edna. ATIVIDADES NÃO PRESENCIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLETINDO SOBRE AS ORIENTAÇÕES E AÇÕES PEDAGÓGICAS. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 6, n. 5, p. 50–68, 2022. DOI: 10.12957/redoc.2022.66439. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/66439. Acesso em: 14 jun. 2024.