ENSINO REMOTO EMERGENCIAL: PERCEPÇÕES DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM PALMAS (TO)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2022.66188

Palavras-chave:

Educação Infantil. Ensino Remoto. Tecnologias Digitais. Pandemia.

Resumo

O presente artigo é um desdobramento da pesquisa desenvolvida na Educação de Palmas/TO na pandemia da Covid-19 em 2022. Nele, buscamos compreender a percepção docente frente às experiências vivenciadas durante a pandemia no ensino da Educação Infantil. O embasamento teórico fundamenta-se em autores contemporâneos que abordam o ensino remoto e suas implicações no período pandêmico, buscando apontar os principais desafios encontrados e diferentes metodologias de ensino aplicadas. Fizemos o uso da pesquisa aplicada, e mobilizamos o instrumento de pesquisa questionário, contendo perguntas abertas e fechadas, visando capturar fragmentos das impressões e das experiências nas aulas remotas. Como resultado desta pesquisa, destacamos que apesar das dificuldades encontradas, notamos que os professores buscaram promover uma educação genuína, autêntica e contextualizada.

Biografia do Autor

Anadir Ferreira Da Silva, Secretaria Municipal da Educação

Possui Especialização em Gestão, Orientação e Supervisão Escolar (Fapaf), (Faculdade de Tecnologia Antônio Propício Aguiar Franco)- (2011- 2012), Graduação em Pedagogia (FECIPAR) - Faculdade de Educação Ciências e Letras de Paraíso (2002), Pós-Graduação em Educação Online e Recursos Online Interativos- (UFT) - (Universidade Federal do Tocantins) - (2021-2022), nascida em 23 de julho de 1972. Sou filha de João Teixeira Silva e Lúcia Ferreira da Silva, mãe de dois filhos já casados. Morou 7 anos em Londres na Europa. Esta atuando na educação desde 1992. Interesse em música sacra, fotografia e design de interiores.

Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9613777119924367

 em música sacra, fotografia e design de interiores.

 

Cirley Bandeira de Abreu, Secretaria Municipal da Educação de Palmas

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Tocantins-UFT (2014). Também é jornalista, graduado pela Universidade Federal do Tocantins-UFT (2007), com especialização em mídias impressas. É professor efetivo da Rede Pública Municipal de Palmas-TO desde 1998, atuando nas séries iniciais do ensino fundamental. Lecionou no Colégio Albert Einstein, em Palmas, ministrando aulas de Inglês por 2 anos (97 e 98). Atuou, nos anos de 2013 a 2017, como Orientador de Estudos do Programa Nacional da Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). Em 2014 atuou como Gerente de Avaliação e Estatística na Secretaria Municipal da Educação de Palmas (SEMED), e posteriormente, exerceu a função de elaborador de itens do Sistema de Avaliação Educacional de Palmas (SAEP), na área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, com vasta experiência na metodologia da Teoria de Resposta ao Item e Descritores (TRI), conforme a Matriz Nacional de Avaliações do INEP/MEC. Atuou também no setor de formação de professores da SEMED, com capacitações voltadas aos professores do ensino fundamental - anos iniciais. Em 2017 desenvolveu a Plataforma on-line da formação continuada, um website que disponibiliza informações gerais sobre a formação continuada dos profissionais da educação da rede municipal de ensino de Palmas-TO. Desde 2012 desenvolve trabalhos na área social com atendimento assistencial à comunidade Santo Amaro em Palmas, por meio do Projeto Unidade e Compaixão, do qual é o autor. Atualmente é o Diretor de Avaliação, Estatística e Formação da SEMED - Palmas (TO).

Luciléia dos Santos de Melo, Secretaria Municipal da Educação de Palmas

Possui graduação Licenciatura em Pedagogia (Faculdade São Marco, 2020). Atualmente atua com Técnica de Referência Secretaria Municipal da Educação de Palmas, Etapa da Educação Infantil. Tem experiência em docência na Educação Infantil (2014/2018), técnica (2014).

Referências

ARAÚJO, E. S. & MOURA, M. O. de. Contribuições da teoria histórico-cultural à pesquisa qualitativa sobre formação docente. In: Pimenta, S. G.; FRANCO, M. A. S. Pesquisa em Educação. (V. 01). São Paulo: Edições Loyola, 2008.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, 1990.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC, SEB, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil. Brasília: MEC, 1998.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base/>. Acesso em: 18 de jan. 2022.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira Barbosa; OLIVEIRA Zilma Ramos de. Currículo e Educação Infantil. In: Currículo e linguagem na Educação Infantil. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. - 1. ed. - Brasília:MEC /SEB, 2016.

CASTRO, Crislaine Ribeiro de. Ensino Híbrido: uma proposta pedagógica sobre vírus para o ensino fundamental. 2020. 104 f., il. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Universidade de Brasília, Brasília, 2020.

FERREIRA, Patrícia Tocha. Uma Realidade das Escolas Particulares Perante a Pandemia da COVID-19. Revista Gestão & Tecnologia, Goiânia, v. 1, n. 30, p. 38- 40, jan./jun. 2020.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2020.

NÓVOA, António. Firmar a Posição como Professor, Afirmar a Profissão Docente. Cadernos de Pesquisa. v.47, n.166, p. 1106-1133, 2017.

PIMENTEL, Mariano; CARVALHO, Felipe. Instrução (re)programada, máquinas (digitais em rede) de ensinar e a pedagogia (ciber)tecnicista. SBC Horizontes, jul. 2021. ISSN 2175-9235. Disponível em: https://cutt.ly/6AkF3BM. Acesso em: 03 mar. 2022.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Edições Almedina, S/A, 2020.

SILVA, Cinthia Luiz da; FILHO, Humberto Vinício Altino. Ensino Remoto e Formação de Professores: um Estudo com os Licenciandos de Pedagogia. Pensar Acadêmico, v. 18, n. 5, p. 909-922, 2020.

SILVA, Pedro Henrique dos Santos et al. Educação remota na continuidade da formação médica em tempos de pandemia: viabilidade e percepções. Rev. bras. educ. med., Brasília, v. 45, n. 1, e 044, 2021. Disponível em: https://cutt.ly/6AfVU20. Acesso em: 22 ja. 2022.

YIN, Robert K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre. Penso, 2016.

TOCANTINS, Secretaria de Estado da Educação e Cultura. Documento Curricular do Tocantins. Educação Infantil, 2019. Disponível em: https://central3.to.gov.br/download/209817. Acesso em: 24 de jan. 2022.

Veiga, I. P. A. (2012). Docência como atividade profissional. In: Veiga, I. P. A.; D’AVILA, C. (Org.). Profissão docente: novos sentidos, novas perspectivas. 2. ed. Papirus. Campinas, São Paulo, 2012.

Downloads

Publicado

2022-10-06

Como Citar

DA SILVA, Anadir Ferreira; ABREU, Cirley Bandeira de; MELO, Luciléia dos Santos de. ENSINO REMOTO EMERGENCIAL: PERCEPÇÕES DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM PALMAS (TO). Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 6, n. 5, p. 31–49, 2022. DOI: 10.12957/redoc.2022.66188. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/66188. Acesso em: 24 jul. 2024.