CONVERSAS SOBRE FEMINILIDADES NA PANDEMIA: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ANTISSEXISTAS A PARTIR DA SÉRIE “CONFISSÕES DE ADOLESCENTE”

Ivan Amaro, Lyzia Toscano da Silva, Vanessa Soares Matos

Resumo


A pandemia lançou o mundo num cenário caótico e imprevisível provocando mudanças inimagináveis.  A educação teve um impacto considerável, pois o isolamento social, uma das medidas necessárias para conter o novo   corona vírus, vem se estendendo no país desde março de 2020. Neste contexto, as aulas presenciais foram suspensas e as redes buscaram alternativas para darem continuidade à formação em formato remoto. Este artigo traduz análises realizadas sobre as percepções das diversas feminilidades na escola, a partir de um trabalho pedagógico interdisciplinar desenvolvido por duas professoras, uma de Língua Portuguesa e outra de Ciências, em turmas do 8º ano do ensino fundamental de uma escola pública do Município do Rio de Janeiro, no período da pandemia. O objetivo é investigar as construções sociodiscursivas de alunos e alunas sobre  os significados de “ser mulher” hoje. Adotando a conversa como procedimento metodológico de uma pesquisa qualitativa, tivemos, como mote, a série “Confissões de Adolescente” (1994), obra que foi a disparadora de debates, via Whatsapp, o que nos levou à netnografia, como metodologia secundária. O objetivo era acessar os discursos de alunos e alunas no sentido de indagar a noção essencializada do “ser mulher”, questioná-la e (re) significar as noções de feminilidades e, mesmo, de masculinidades, entendendo que gênero é um conceito relacional.  Os achados inscrevem-se, também, na visibilidade de práticas pedagógicas insurgentes no cotidiano escolar, indicando que adolescentes (re)significam experiências e repensam os processos de constituição de subjetividades que constroem masculinidades e feminilidades, contribuindo, assim, para uma formação  antissexista e antimachista.


Palavras-chave


Pandemia. Gênero. Feminilidades. Conversas Online.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, Jacques. Feminilidade adolescente. In: CARDOSO, M. R. Adolescência: reflexões psicanalíticas. Rio de Janeiro: Nau/Faperj, 2001.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

_____. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. Tradução de Marina Yaguello. São Paulo: Editora Hucitec, 1995.

_____. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução direta do russo, notas e prefácio de Paulo Bezerra. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: J. Zahar Editora, 2005.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myrian Avila; Eliane Lourenço de Lima Reis; Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

_____. Relatar a si: crítica da violência ética. Tradução Rogério Bettoni. 1.ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução: Maria H. Kuhner. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CONNELL, Robert William. Políticas da masculinidade. Educação e Realidade. v. 20, n. 2, 1995.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; AMARO, Ivan; TEIXEIRA, Marcelle Medeiros; RUANI, Ruann Moutinho. Do face a face às dinâmicas comunicacionais em/na rede: a conversa online como procedimento metodológico da pesquisa em educação. Revista Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 25, n. 1, p. 82-98, jan./abr. 2020. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2020.

FELIPE, Jane. Scripts de gênero, sexualidade e infâncias: temas para a formação docente. In: ALBUQUERQUE, Simone Santos; FELIPE, Jane; CORSO, Luciana Vellinho (Org.). Para Pensar a Docência na Educação Infantil. Porto Alegre: Evanfrag, 2018.

FERNANDES, Adriana Hoffman; DINIZ, Lucy Anna; BARROS, Raquel Silva. In: Mídias móveis, usos e redes: reflexões e desafios para a escola. In: AMARO, Ivan; SOARES, Maria da Conceição Silva (Orgs.). Tecnologias digitais nas escolas: outras possibilidades para o conhecimento. Rio de Janeiro: DP et Alii Editora, 2016.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 3.ed. São Paulo: Loyola, 1996.

_____. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FREIRE, Paulo; FAUNDEZ, Antonio. Por uma pedagogia da pergunta. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

GALVÃO, Danielle Pini. Confissões de adolescente - criando identificação do telespectador e discutindo temas polêmicos. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Comunicação/PUC - SP, 2008.

KOCH, Ingedore Villaça; TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A coerência textual. 17. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

_____.; ELIAS, Vanda Maria. Ler e compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2008.

KOZINETS, Robert V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 11. ed. São Paulo: Pontes Editores, 2013.

PESSOA, Fernando. Obra poética: volume único. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.

PORTO, Cristiane; OLIVEIRA, Kaio Eduardo; CHAGAS, Alexandre. Whatsapp e educação: entre mensagens, imagens e sons. Salvador: Ilhéus: EDUFBA, EDITUS, 2017.

RIO DE JANEIRO. Currículo Carioca 2020. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/web/sme/exibenoticias?id=10907097. Acesso em: 7 maio 2020.

_____. Material Didático Carioca – Língua Portuguesa, Matemática, Ciências. 8º Ano. 1º Semestre. Rio de Janeiro, 2019.

RECUERO, Raquel. Mapeando redes sociais na Internet através da conversação mediada pelo computador. In: NASCIMENTO, Antônio Dias; HETKOWSKI, Tânia Maria (Orgs.).Educação e contemporaneidade: pesquisas científicas e tecnológicas. Salvador: EDUFBA, 2009.

SAMPAIO, Carmen Sanches; RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de. Conversa como metodologia de pesquisa: uma metodologia menor? In: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (Orgs.). Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018.

SANTAELLA, Lucia; LEMOS, Renata. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença. E se o outro não estivesse aí?. Rio de Janeiro: Editora DP&A, 2003.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2022.62637

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.