Autonomia, colaboração, autoria e docência na cibercultura – Questões sob a ótica de Freire e Bernstein

Clarisse de Mendonça e Almeida, Vittorio Leandro Oliveira Lo Bianco

Resumo


O presente trabalho articula-se com as obras de Freire (1996) e Bernstein (2000) para abordar os conceitos de autonomia, colaboração e autoria compreendendo-os como elementos fundamentais da cibercultura (SANTOS, 2019) para pensar caminhos para uma educação mais flexível e focada não apenas na atuação docente, mas também na participação do aluno. Para tanto, parte-se do debate sobre a formação continuada docente como questão central para o desenvolvimento de um profissional capaz de, criticamente, compreender e atuar frente aos desafios impostos pela cibercultura (SANTOS, 2019) no que se refere à autoria e à colaboração na produção do conhecimento. Em seguida, propõe-se a articular este pensar com a estruturação de processos de ensino menos estruturados na figura central do professor e mais na autonomia do docente (FREIRE, 1990) e na contribuição de todos os envolvidos como elemento de ruptura aos modelos hierárquicos de educação (BERSTEIN, 1990). Para tanto, pretende-se gerar a compreensão de que tais objetivos somente se alcançam ao construirmos a figura do docente como um ser investigativo (NÓVOA, 2017), dotado naturalmente de curiosidade epistemológica (FREIRE, 1990).  


Palavras-chave


Cibercultura, Docência, Currículo, Formação continuada

Texto completo:

PDF

Referências


BERNSTEIN, Basil. Pedagogy, symbolic control, and identity. Rowman & Littlefield Publishers, 2000.

BERNSTEIN, Basil. The structuring of pedagogic discourse. Routledge, 2004.

DI FELICE, Massimo; LEMOS, Ronaldo. A vida em rede. 2014.

DOS SANTOS, Adriana Cavalcanty; LEITE, Carlinda. Professor agente de decisão curricular: uma scriptura em Portugal. Magis, Revista Internacional de Investigación en Educación, v. 13, p. 1-21, 2020.

COLL, César. El currículo escolar en el marco de la nueva ecología del aprendizaje. Aula de Innovación Educativa, 2013, num. 219, p. 31-36, 2013.

DIAS-TRINDADE, Sara; MOREIRA, José António; NUNES, Catarina S. Escala de autoavaliação de competências digitais de professores. Procedimentos de construção e validação. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, v. 12, n. 2, p. 152-171, 2019..

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1996.

HARGREAVES, Andy. O Ensino na Sociedade do Conhecimento: a educação na era da insegurança. Porto: Porto Editora, 2003.

KENSKI, Vani Moreira. A urgência de propostas inovadoras para a formação de professores para todos os níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, v. 15, n. 45, p. 423-441, 2015.

LEITE, C. Políticas de currículo em Portugal e (im) possibilidades da escola se assumir como uma instituição curricularmente inteligente, 2006.

LEITE, Carlinda; PACHECO, Natércia. Os dispositivos pedagógicos na educação inter/multicultural. 2008.

LEITE, Carlinda; FERNANDES, Preciosa. Desafios aos professores na construção de mudanças educacionais e curriculares: que possibilidades e que constrangimentos?. Educação, v. 33, n. 3, 2010.

LEITE, C. A indissociabilidade ensino-aprendizagem-investigação: Contributos para uma reflexão. In: Libro de actas: VIII Congreso Iberoamericano de docencia universitaria y de nivel superior. Rosario, Humanidades y Artes Ediciones. 2015. p. 119-129.

Lemos, A. (2005). Ciber-cultura-remix.

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora?. Cortez Editora, 2014.

MARTINEZ, Rosana; LEITE, Carlinda; MONTEIRO, Angélica. Os desafios das TIC para a formação inicial de professores: uma análise da agenda internacional e suas influências nas políticas portuguesas= The ICT challenges on initial teacher education: an analysis of the international agenda and its influence on portuguese policies. 2015.

MASETTO, Marcos T. Trilhas abertas na universidade: inovação curricular, práticas pedagógicas e formação de professores. Summus Editorial, 2018.

MONTEIRO, Angélica Maria Reis. O currículo e a prática pedagógica com recurso ao b-learning no ensino superior. 2011.

NOLASCO-SILVA, Leonardo. Tecnodocências: a sala de aula e a invenção de mundos. Salvador: Devires, 2019.

NÓVOA, António. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de pesquisa, v. 47, n. 166, p. 1106-1133, 2017.

SANTOS, Rosemary Santos; SANTOS, Edméa Oliveira. Cibercultura: redes educativas e práticas cotidianas. Revista Eletrônica Pesquiseduca, v. 4, n. 7, p. 159-183, 2012.

SANTOS, Edméa. Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura. Actas do X Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia. Braga: Universidade do Minho, 2009. Disponível em: < https://www.educacion.udc.es/grupos/gipdae/documentos/congreso/xcongreso/pdfs/t12/t12c427.pdf>. Acesso em: 24/05/2021.

SANTOS, Edméa. Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura. Educação Online: cenário, formação e questões didático-metodológicas. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2010.

SANTOS, Edméa. Pesquisa-formação na cibercultura. Teresina: EDUFPI, 2019.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Editora Vozes Limitada, 2012.

YOUNG, Michael. Conhecimento e currículo: do socioconstrutivismo ao realismo social na sociologia da educção. Porto editora, 2010.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2021.60097

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.