TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS NO ENADE DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS: ANÁLISE DE 2005 A 2017

Daíne Cavalcanti da Silva, Glaucia da Silva Brito

Resumo


O foco deste estudo é analisar como são avaliados os professores de língua em formação, no que diz respeito às tecnologias educacionais, nas provas do ENADE (Exame Nacional do Ensino Médio) para o curso de Licenciatura em Letras, considerando o contexto da cibercultura. O objetivo do ENADE é verificar o rendimento dos alunos em comparação às diretrizes curriculares do curso. O corpus foi composto dos documentos publicados pelo INEP para a realização das avaliações e das provas aplicadas aos estudantes, nos anos de 2005 a 2017, bem como as diretrizes que norteiam o curso. A base teórica pautou-se em Brito e Purificação (2015), Kenski (2012), Moran, Mazetto e Behrens (2013) e Garcia-Vera (2003), Lévy (2010) e Lemos (2003), tem-se ainda os verbetes do Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação a distância organizado por Daniel Mill (2018). Foi realizada a análise de conteúdo do corpus a partir das categorias criadas, considerando a metodologia proposta por Bardin (2016). Confirmou-se a existência de questões que abordam a temática tecnologias educacionais e que ao longo dos anos houve uma preocupação em avaliar o entendimento dos professores de língua em formação para além da inserção de equipamentos nos ambientes de ensino. Percebeu-se ainda um aumento quantitativo e qualitativo ao longo dos anos em relação às questões aplicadas; temas foram incluídos e foi exigido dos licenciandos uma reflexão sobre a relação entre conteúdos e metodologias no ensino de línguas concernente às tecnologias educacionais.

Palavras-chave


Formação de professores de língua portuguesa; Tecnologias educacionais;. ENADE; Cibercultura

Texto completo:

PDF

Referências


BAGNO, M. Preconceito linguístico. 56. ed. revista e ampliada. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BERTOLDO, H. L; MILL, D. Tecnologia. In: MILL, D. (Org.). Dicionário crítico de educação e tecnologia e de educação a distância. Campinas: Papirus, 2018. p. 596-606.

BERTOLDO, H. L.; MILL, D. SALTO, F. Tecnologias de informação e comunicação. In: MILL, D. (Org.). Dicionário crítico de educação e tecnologia e de educação a distância. Campinas: Papirus, 2018. p. 617-625.

BRASIL, INEP. [O que é o ENADE]. Portal INEP. 23 ago. 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

BRASIL, INEP. Padrão de resposta prova ENADE 2005 Letras. Portal INEP, 2005 (a). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Padrão de resposta prova ENADE 2008 Letras. Portal INEP, 2008 (a). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Padrão de resposta prova ENADE 2011 Letras. Portal INEP, 2011 (a). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Padrão de resposta prova ENADE 2014 Letras Português Licenciatura. Portal INEP, 2014 (a). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Padrão de resposta prova ENADE 2017 Letras Português Licenciatura. Portal INEP, 2017 (a). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Portaria nº 131, de 07 de agosto de 2008. Define as diretrizes da prova do ENADE de Letras 2008. Portal INEP, 2008 (b). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Portaria nº 175, de 24 de agosto de 2005. Define as diretrizes da prova do ENADE de Letras 2005. Portal INEP, 2005 (b). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Portaria nº 188, de 12 de julho de 2011. Define as diretrizes de formação geral da prova do ENADE 2011. Portal INEP, 2011 (b). Disponível em: . Acesso em 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Portaria nº 222, de 26 de julho de 2011. Define as diretrizes da prova do ENADE Letras 2011. Portal INEP, 2011 (c). Disponível em . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Portaria nº 255, de 02 de junho de 2014. Define as diretrizes da prova de formação geral do ENADE 2014. Portal INEP, 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Portaria nº 258, de 02 de junho de 2014. Define as diretrizes da prova do ENADE de Letras 2014. Portal INEP, 2014 (c) Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Portaria nº 493, de 06 de junho de 2017. Define as diretrizes da prova de formação geral do ENADE 2017. Portal INEP, 2017 (b). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Portaria nº 504, de 06 de junho de 2017. Define as diretrizes da prova do ENADE de Letras 2017. Portal INEP, 2017 (b). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Prova ENADE 2005 Letras. Portal INEP, 2005 (c). Disponível em . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Prova ENADE 2008 Letras. Portal INEP, 2008 (c). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Prova ENADE 2011 Letras. Portal INEP, 2011 (d). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Prova ENADE 2014 Letras Português Licenciatura. Portal INEP, 2014 (d). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL, INEP. Prova ENADE 2017 Letras Português Licenciatura. Portal INEP, 2017 (a). Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

BRITO, G. da. S; PURIFICAÇÃO, I. Educação e novas tecnologias: um repensar. 2. ed. Curitiba: Intersaberes, 2015.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Filosofia, História, Geografia, Serviço Social, Comunicação Social, Ciências Sociais, Letras, Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia. Parecer CNE/CES 492/2001. Relator: Silke Weber. Distrito Federal. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2019.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2019.

CORRÊA, H.; COSCARELLI, C. Multimodalidade. In: MILL, D. (Org.). Dicionário crítico de educação e tecnologia e de educação a distância. Campinas: Papirus, 2018. p. 467-470.

FERNANDES, J. R.; BRAGA, F. M. Inclusão digital. In: MILL, D. (Org.). Dicionário crítico de educação e tecnologia e de educação a distância. Campinas: Papirus, 2018. p. 333-336.

GARCÍA-VERA, A. B. Tres temas tecnológicos para la formación del professorado. n. 322, p. 167-188, 2000.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KENSKI, V. M. Educação e novas tecnologias: o novo ritmo da informação. 8. ed. Campinas: Papirus, 2012.

LEMOS, A. Cibercultura. Olhares sobre a Cibercultura: alguns pontos para compreender a nossa época. Porto Alegre: Sulina, 2003.

LÉVY, P. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 2010.

MILL, D. Educação a distância. In: MILL, D. (Org.). Dicionário crítico de educação e tecnologia e de educação a distância. Campinas: Papirus, 2018. p. 199-203.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21. ed. Campinas: Papirus, 2013.

SALDAÑA, J. The coding manual for qualitative researchers. Los Angeles: SAGE, 2016.

REDE SOCIAL. In: FERREIRA, A. B. de H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 5. ed. Curitiba: Ed. Positivo, 2010. p. 1796-1797.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2020.53858

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.