FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇÕES DA OFICINA PEDAGÓGICA PARA A APRENDIZAGEM DO SOFTWARE SCRATCH

Viviane da Costa Bastos

Resumo


A formação teórica e prática dos docentes pode contribuir para a melhoria da qualidade de ensino e promover a qualificação profissional e pessoal desses sujeitos. Logo, o principal objetivo deste estudo foi apresentar as ações realizadas pelos professores de Inglês que atuam em uma Escola Pública Municipal Bilíngue (Português/Inglês) na cidade do Rio de Janeiro e participaram de uma oficina presencial para a aprendizagem do software Scratch como ferramenta que contribui para a atuação pedagógica.  O trabalho, então, situa-se em uma pesquisa qualitativa com abordagem descritiva e interpretativista (GIL, 1999), no qual os dados foram gerados a partir de observações sistemáticas e participantes (RUDIO, 1985) durante a realização da oficina. Os resultados indicam que o software Scratch é um programa que possibilita a criação de espaços de aprendizagem e pode contribuir para a reflexão, o entrelaçamento dos saberes da formação inicial com os da formação continuada, a colaboração e novas práticas do professor.


Palavras-chave


Formação Continuada de Professores. Software Scratch. Oficina Pedagógica

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, M. A Questão do conhecimento na sociedade contemporânea: Desafios educacionais. Ponta Grossa: UPEPG, 1999

ANASTASIOU, L. G. C; ALVES, L. P. Estratégias de ensinagem. Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Santa Catarina: UNIVILLE, 2004.

BASTOS, V. A aprendizagem do software Scratch como atividade colaborativa na formação continuada de professores de Inglês. Dissertação de Mestrado. CAp-UERJ, 2016.

CARDOSO, J. VALENTE, M. Antigas ferramentas, novas práticas:mudanças nos espaços de aprendizagem para formação de professores. In:TONELLI, J; MATEUS, E. (org) Diálogos (Im)pertinentes entre formação de professores e aprendizagem de línguas. São Paulo: Blutcher, 2017.

ESTEVÃO, C. Formação, gestão, trabalho e cidadania. Contributos para uma sociologia crítica da formação. Campinas: Educação e Sociedade, 2006

FREIRE, Madalena. Observação, registro e reflexão: instrumento metodológico. São Paulo:Espaço Pedagógico, 1996.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1999.

LAKATOS, E. M; MARCONI, M. A. Metodologia do trabalho científico. 7. ed. São Paulo:Atlas, 2010.

LIBERALI, F. Formação de Professores de Línguas: Rumos para uma sociedade crítica e sustentável. IN: GIMENEZ, T; MONTEIRO, M.C.G. Formação de Professores de Línguas na América Latina e Transformação Social. São Paulo: Pontes, 2009.

MORAN,J.M.; MASETTO, M; BEHRENS, M. Novas Tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2014.

NÓVOA, A. Os professores e sua formação. Lisboa-Portugal, Dom Quixote, 1997.

RESNICK, Mitchel. Sowing the Seeds for a More Creative Society. Learning and Leading with Technology, 18-22, 2007.

ROESCH,S.M. Projetos de Estágio e Pesquisa.São Paulo: Atlas, 2005.

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica. Petrópolis: Editora Vozes, 1985.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem . Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SCRATCH. Disponível em: Acesso em: 25 jul 2020.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

VALENTE. J. A. Análise dos diferentes tipos de software usados na educação. In: VALENTE. J. A. (org.). O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: Nied/Unicamp, 1999.

VIEIRA, Elaine, VALQUIND, Lea. Oficinas de Ensino: O quê? Por quê? Como?. 4º ed. Porto Alegre. EDIPUCRS, 2002.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2020.53174

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.