GÊNERO MEME E FORMAÇÃO DO HIPERLEITOR POR MEIO DA SEQUÊNCIA DIDÁTICA INTERATIVA

Maria Jeane Souza de Jesus Silva, Geisa Araújo Dias, Úrsula Cunha Anecleto

Resumo


Este estudo, de natureza teórico-analítica, problematiza sobre práticas pedagógicas para a formação do leitor na cultura digital. Tem como objetivo discutir sobre o trabalho com o gênero discursivo memes de internet para a formação do hiperleitor nos anos finais do Ensino Fundamental. Como forma de ampliar essa discussão, partiu-se da seguinte questão: como o trabalho com o gênero discursivo meme de internet oportuniza novas práticas leitoras, oriundas do ciberespaço, visando a formação crítica de alunos dos anos finais do Ensino Fundamental? Para atingir o objetivo e responder à questão central deste estudo, foram propostas oficinas pedagógicas com estudantes do 8º ano da escola locus, oportunizando a discussão sobre o gênero meme, bem como análise e produção desses textos. Metodologicamente, optou-se pela organização de Sequências Didáticas Interativas (SDI) como meios para a organização e a realização da ação docente. As discussões alicerçaram-se teoricamente nos estudos sobre Gênero discursivo híbrido; Hiperleitor; Sequência Didática Interativa; Meme de internet. O estudo foi fundante para lograr uma aprendizagem experiencial com práticas e saberes do ensino de leitura e de produção textual, em que os memes se figuraram como gêneros discursivos centrais para a ampliação do letramento crítico dos discentes.    

 


Palavras-chave


Gênero Discursivo Híbrido. Hiperleitor. Sequência Didática Interativa. Memes de Internet.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES FILHA, Isnalda Berger. Gêneros memes de internet: ampliando ações discursivas e multimodais em esferas públicas digitais (Dissertação de Mestrado em Estudos Linguísticos). Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS, 2018.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa/Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: 1997.

COPE, Bill.; KALANTZIS, Mary. (Orgs). Multiliteracies: Literacy Learning and the Design of Social Futures. London/New York: Routledge, 2006 [1996].

DAWKINS, Richard. O gene egoísta. Tradução de Rejane Rubino. São Paulo: Companhia das Letras, 1976.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

KRESS, Gunther; LEEUWEN, Theo van. Reading images: the gramar of visual design. Taylor and Francis, 2006 [1996].

LANKSHEAR, Colin; KNOBEL, Michele. New Literacies: Everyday Practices and Classroom Learning. 2 ed. Maidenhead and New York: Open University Press, 2006.

LÉVY, Pierre. O que é virtual? Trad. Paulo Neves. São Paulo, Ed. 34, 1996.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

MACIEL, Ruberval Franco; TAKAKI, Nara Hiroko. Novos Letramentos pelos Memes: Muito além do ensino de línguas. Revista Contextuais, 2011.

MONTE MÓR, Walkyria. Crítica e letramentos críticos: reflexões preliminares. In: ROCHA, Claudia.; MACIEL, Ruberval (orgs). Língua estrangeira e formação cidadã: por entre discursos e práticas. Campinas-SP: Pontes, 2015.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Como fazer pesquisa qualitativa. 4 ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2012.

OLIVEIRA, Maria Marly. Sequência didática interativa no processo de formação de professores. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

RICOEUR, Paul. O conflito das interpretações: ensaios de hermenêutica. Rio de Janeiro: Imago, 1978.

ROJO, Roxane (org.). Escola conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013.

SACRISTÁN, Gimeno. La pedagogia por objetivos: obsesión por la eficiencia. Madrid: Morata, 1985.

SANTAELLA, Lucia. Matrizes da linguagem e pensamento: sonora, visual, verbal. São Paulo: Iluminuras/Fapesp, 2001.

SANTAELLA, Lucia. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

SILVA, Maria Jeane Souza de Jesus; SANTANA, Neidson Dionísio Freitas; ANECLETO, Úrsula Cunha. Letramento digital crítico e formação do leitor na cultura digital: algumas considerações. Hipertextus Revista Digital, v.20, Julho, 2019. Disponível em: www.hipertextus.net. Acessado em: 21 jul. 2020.

TAKAKI, Nara. Letramentos na sociedade digital: navegar é e não é preciso. Jundiaí: Paco Editorial, 2012.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2021.53029

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.