PEDAGOGIA VISUAL NA EDUCAÇÃO DE SURDOS: ANÁLISE DOS RECURSOS VISUAIS INSERIDOS EM UM LDA

Ellen Midiã Lima da Silva Gomes, Flávia Faissal de Souza

Resumo


O texto discute o papel dos recursos da pedagogia visual, inseridos em um livro didático digital acessível (LDA), enquanto dispositivos de acessibilidade ao conteúdo pensado para alunos surdos matriculados em duas turmas de 3º ano do Ensino Fundamental I de uma escola pública de Duque de Caxias que adota como proposta pedagógica o bilinguismo. Este estudo parte do princípio de que as práticas pedagógicas embasadas na experiência visual contribuem para um melhor aprendizado de alunos surdos. A metodologia desta pesquisa embasou-se na perspectiva histórico-cultural, com viéis da pesquisa participante. Participaram do estudo 3 professoras da educação básica e 4 alunos surdos. Os resultados apontaram que: devido à aquisição tardia da língua de sinais os alunos tiveram dificuldades para compreender a Libras da janela em Libras, sendo necessária a mediação pedagógica; o uso de vídeos e ilustrações embasados na pedagogia visual contribuiu para a compreensão do conteúdo pelos alunos; apesar dos recursos da pedagogia visual no LDA, as estratégias de mediação entre alunos e professoras foram fundamentais para que os conteúdos ganhassem significado, como o uso de objetos pedagógicos e do próprio corpo. Assim, este estudo revelou que o LDA isoladamente não promoveu significado para os alunos surdos, sendo necessário o uso de estratégias de mediação a partir das interações entre alunos e professores.


Palavras-chave


Pedagogia visual; Educação de surdos. Livro Digital Acessível

Texto completo:

PDF

Referências


ALBRES, N. de A. A construção dos sinais e sua mobilidade específica. In: LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F. dos. (Org.) Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: Edufscar, 2014. p. 81 – 98.

ALMEIDA, S. D’ A. Atendimento educacional especializado: análise das concepções de bilingüismo por profissionais da Escola Municipal Santa Luzia em Duque de Caxias/RJ. 2014. Dissertação (Mestrado em educação) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, 2014.

ARAÚJO, C. C. M; LACERDA, C. B. F. Atividades simbólicas e o desenvolvimento inicial da escrita da criança surda bilíngue. In BERBERIAN, A. P; ANGELIS, C. M; MASSI, G (Orgs), Letramento: referencias em saúde e educação São Paulo: Plexus, 2006. p. 221- 243.

BOGDA, R.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos, Porto, Portugal, Porto editora, 1994. (Coleção ciências da educação).

BUZZAR, E. A. S. Asingularidadevisuo-espacial do sujeito surdo: implicações educacionais. 2009. 122 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em:. Acesso em 10 abr. 2018.

CAMPELLO, Ana Regina e Souza. Aspectos da visualidade na educação de surdos. 2008. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, 2008.

CAMPOS, S.R.L; TESKE, O. (orgs.) Letramento e Minorias. Porto Alegre: Editora Mediação, 2002. p. 110-119.

COSTA, M. T. M de S; SILVA, D. N. H; SOUZA, F. F. Corpo, atividades criadoras e letramento. São Paulo, Summus, 2013.

FANTI, M. da G. C. A linguagem em Bakhtin: pontos e pespontos. Veredas-Revista de Estudos Linguísticos, v. 7, n. 1-2, 2003.

FREITAS, M. T. de A. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de pesquisa, n.1, p.21-39, 2002.GOÉS, M. C. R, de. A abordagem microgenética na raiz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. CEDES, n.50, 2000.

LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F. dos; LODI, A. C. B.; GURGEL, T. Educação inclusiva bilíngue par alunos surdos: pesquisa e ação em uma rede pública de ensino (Orgs) Escola e Diferença: caminhos para educação bilíngue de surdos. São Carlos: EdUFSCar, 2016. p 13-28.

LEBEDEFF, T. R. Aprendendo “a ler” com outros olhos: relatos de oficinas de letramento visual com professores surdos. Cadernos de Educação (UFPel), v. 36, p. 175-196, 2010.

MOURA, M. C. de. Surdez e linguagem. LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F. dos. (Org.) Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: edufscar, 2013. p. 13 – 26.

NUNES, C; MADUREIRA, I. Desenho Universal para a Aprendizagem: construindo práticas pedagógicas inclusivas. Lisboa. 2015. p. 126 – 143.

PLETSCH, M. D; SOUZA, F. F. de; ORLEANS, L. F. A diferenciação curricular e o desenho universal na aprendizagem como princípios para a inclusão escolar. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 14, n. 35, p. 264-281, 2017.

PLETSCH, M. D. Desenho Universal para a Aprendizagem: Implementação e avaliação do Protocolo do Livro Digital. Projeto de desenvolvimento. Nova Iguaçu, UFRRJ, 2017.

SKLIAR, C. Perspectivas políticas e pedagógicas da educação bilíngue para surdos. In: SILVA, Shirley; VIZIM, Marli. Educação Especial: múltiplas leituras e diferentes significados. Campinas: Mercado de Letras/ALB, 2001. p. 85-110.

SOUZA, F. F. de. Políticas de educação inclusiva: análise das condições de desenvolvimento dos alunos com deficiência na instituição escolar: Flavia Faissal de Souza. 2013. Tese (Doutorado em educação) – Universidade Estadual de Campinas, 2013.

SOUZA, F. F. de. O corpo dança: com(tra)dições e possibilidades de sujeitos afásicos. 2001. Dissertação (Mestrado em educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo.

SKLIAR, C. A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. São Paulo: Educação e Pesquisa, v.31, n.3, p. 443-466, 2005.

VASCONCELLOS, A. L. C. de. O papel do tradutor/interprete de Libras e as reflexões entre o TILS e o surdo no processo tradutório: um debate crítico sobre a inclusão/exclusão, subalternidade e amizade. In: BARROS, A. L. de. E. C. de; CALIXTO, H. R. da. S; NEGREIROS, K. A. de. Libras em diálogo: interfaces com tradução e interpretação. Campinas, SP: Pontes Editores, 2017.

TAVEIRA, C. C. A produção de artefatos visuais no campo da surdez: percursos de pesquisa e chaves de leitura. Rio de Janeiro: INES, Revista fórum, jun – dez, 2015.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e Linguagem. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1998.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2020.49323

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

           


Índice de citação de artigos:


Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.