FAKE NEWS, MENTIRA ORGANIZADA E EDUCAÇÃO: UMA REFLEXÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE HANNAH ARENDT

Carlos Eduardo Gomes Nascimento

Resumo


A partir do pensamento de Hannah Arendt, o artigo busca compreender o fenômeno das fake news, relacionando-o com o conceito de mentira organizada. Hannah Arendt, pensadora judia, testemunhou tempos sombrios do regime totalitário na Alemanha em meados do século XX. A obra da pensadora chama à atenção que, mesmo findo os regimes totalitários, os riscos da manipulação da realidade espreitam a vida política contemporânea. Identifica-se, assim, as fake news como uma prática da propaganda de massa, oriunda de uma ideia totalitária. As fake news, informações intencionalmente fabricadas e compartilhadas em mídias digitais surgem como instrumento de manipulação social e política, incidindo sobre a educação. Mesmo não tendo um caráter político, para Arendt, a educação tem a responsabilidade de apresentar aos novos a realidade e história de um mundo comum. Conclui-se, que ainda assim diante de todos os riscos políticos, a educação pode ser um modo de resistência à mentira organizada e às fake news.

Palavras-chave


Fake news, mentira organizada, Hannah Arendt.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Vanessa Sievers de. A distinção entre conhecer e pensar em Hannah Arendt e sua relevância para a educação. Educ. Pesqui. [online]. 2010, vol.36, n.3, p.853-865.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 13ª ed. Tradução de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2017.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. 6. ed. Tradução de Mauro W. Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2011.

ARENDT, Hannah. A Dignidade na política. Tradução de Helena Martins. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2006.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. Tradução de Roberto Rapouso. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

ARENDT, Hannah. Crises da República. Tradução de José Volkmann. 2ª ed. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2015.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf > Acesso: 20 Mai. 2018.

BUCCI. Eugênio. Pós-política e corrosão da verdade. Revista USP. São Paulo, n. 116, p. 19-30, janeiro/fevereiro/março 2018.

CARVALHO, José Sérgio Fonseca de. EDUCAÇÃO, UMA HERANÇA SEM TESTAMENTO: diálogos com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Perspectiva, 2017.

CARVALHO, José Sérgio Fonseca de. Política e educação em Hannah Arendt: distinções, relações e tensões. Educ. Soc., Campinas, v. 35, n. 128, p. 813-828, set. 2014.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2013.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Tradução Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

COLLINS. Etymology Corner - Collins Word of the Year 2018. London, 2 jun. 2019. Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2019.

DUARTE, André. O pensamento à sombra da ruptura: política e filosofia em Hannah Arendt. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

IRETON, Cherilyn; POSETTI, Julie (Orgs) Jornalismo, Fake News & Desinformação: Manual para Educação. Paris: Unesco, 2018.

O MERCADO de notícias. Direção: Jorge Furtado. Brasil. Distribuidora: Casa de Cinema de Porto Alegre, 2014. (98 minutos): som, color & pb.

NOVA ESCOLA. Mentira na Educação, não! Disponível em: < https://novaescola.org.br/guias/1497/mentira-na-educacao-nao>. Acesso em: 01 Mar. 2019.

PEREIRA, Geraldo Adriano Emery. O problema da verdade na obra de Hannah Arendt . Tese de Doutorado (UFMG), 2017.

PICASSO, Pablo. Picasso: dessins et gouaches 1899-1972. Paris: Galerie Louise Leiris, 1981.

SANTAELLA, Lucia. A pós-verdade é verdadeira ou falsa? 1. ed. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2018.

SILVA, Ronaldo M. Um Novo Paradigma: democracia e redes sociais - O fenômeno das redes sociais como instrumento de fraternidade. In: Seara Filosófica. N. 7, Verão, 2013, p. 39-64.

RECUERO, Raquel; GRUZD, Anatoliy. Cascatas de Fake News Políticas: um estudo de caso no Twitter. Galáxia (São Paulo), São Paulo, n. 41, p. 31-47, Aug. 2019. Disponível em: . Acesso em: 15 Nov. 2019.

TRINDADE, Ana Lígia de Oliveira de; FIGUEIREDO, Ewerton Luís Faverzani; SANTOS, Nádia Maria Weber; MANGAN, Patrícia Kayser Vargas; CONSTANTE, Robson da Silva. Multiculturalismo Urbano: o Fenômeno Flash Mob. Texto Digital (UFSC), v. 8, p. 25-39, 2012.

REVISTA USP. Dossiê Pós-Verdade e Jornalismo. São Paulo, n. 116, janeiro/fevereiro/março 2018.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2020.47553

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

           


Índice de citação de artigos:


Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.