NOVAS PRÁTICAS SOCIAIS NO CAMPO DA EDUCAÇÃO MUSEAL: A CULTURA DIGITAL E A SOCIABILIDADE EM REDE

Luciana Conrado Martins, Dalton Lopes Martins

Resumo


A educação museal tem se constituído como um campo de estudos cujos interesses convergem, em grande medida, para a delimitação de sua especificidade. Compreender quais atores, práticas, processos e políticas que atuam nesse campo, bem como seus impactos percebidos tanto na instituição museal quanto na sociedade, são temas de estudo que contribuem para delimitar seu escopo e solucionar questões advindas da prática educacional museal. O uso das tecnologias digitais e a criação de uma infraestrutura informacional em rede nos museus nacionais tem surgido como um tema importante de investigação nos últimos anos, seja pela perspectiva de novas formas de socializar os acervos e ampliar seu potencial de apropriação simbólica, seja por novas práticas de gerir e organizar os museus para suas atividades fins. Entretanto, poucas são as reflexões que se debruçam sobre seus usos e impactos na educação museal, sobretudo aquelas que se propõem a entender seus efeitos e possibilidades para além do simples uso direto de determinadas técnicas e tecnologias. Que novas possibilidades de exercício do educar em museus essas práticas podem trazer? De que maneiras essas possibilidades podem dialogar com a gestão e a socialização dos acervos? Como pensar a formação do museólogo a partir desse cenário? De que formas novos usos da informação podem potencializar a prática da museologia? Este artigo pretende debater, a partir de uma reflexão teórica, como os educadores museais podem, frente às perspectivas apontadas pelos novos cenários informacionais, estabelecer processos de sociabilidade em rede por meio das novas práticas sociais vivenciadas pela cultura digital.


Palavras-chave


educação museal; cultura digital; sociabilidade em rede

Texto completo:

PDF

Referências


AIDAR, Gabriela; AUTOR, 2018.

ALMEIDA, Adriana Mortara; STUDART, Denise Coelho; VALENTE, Maria Esther Alvrez . Pesquisa de Público em Museus: desenvolvimento e perspectivas. In: Guaracira; MARANDINO, Martha; LEAL, Maria Cristina. (Org.). Educação e Museu: A construção social do caráter educativo dos museus de ciências. 1ed.Rio de Janeiro: Access / FAPERJ, 2003, p. 129-157.

BARBIER, Frédéric. História das Bibliotecas: de Alexandria às Bibliotecas Virtuais. EdUSP. 2018. 396p.

BIZERRA, Alessandra Fernandes. Atividade de aprendizagem em museus de ciências. 2009. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira (Coord.). O ICOM-Brasil e o pensamento museológico brasileiro: documentos selecionados. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 2010.

BURKE, Peter. Uma história social do conhecimento II: da enciclopédia à Wikipedia. Editora Zahar. 2012. 414p.

CAZELLI, Sibele; MARANDINO, Martha; STUDART, Denise. (2003) Educação e Comunicação em Museus de Ciências: aspectos históricos, pesquisa e prática. In: GOUVÊA, Guaracira; MARANDINO, Martha; LEAL, Maria Cristina. (Org.). Educação e Museu: a construção social do caráter educativo dos museus de ciências. Editora Access/Faperj, Rio de Janeiro, p.83-106

HUI, Yuk. What is a Digital Object? MetaPhilosofhy. Special Issue: Philoweb: Toward a Philosophy of the Web. V.43, n.4, Jul, p.380-395, 2012

IBRAM. Política Nacional de Educação Museal – PNEM. Brasília, DF, 2017.

JACOB, Christian. Prefácio. In: BARATIN, Marc; JACOB, Christian. O poder das bibliotecas: a memória dos livros no Ocidente. Ed. UFRJ. 2006. 351p.

KALLINIKOS, Jannis; AALTONEN, Aleksi; MARTON, Attila. A theory of digital objects. First Monday, v. 15, n. 6, 2010. Disponível em: . Acesso em: 7 jul. 2019.

MARTINS, Luciana Conrado. A constituição da educação em museus: o funcionamento do dispositivo pedagógico museal por meio de um estudo comparativo entre museus de artes plásticas, ciências humanas e ciência e tecnologia. 2011. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

MARTINS, Luciana Conrado. Como é criado o discurso pedagógico dos museus? Fatores de influência e limites para a educação museal. Museologia & Interdisciplinaridade. v. 1, no. 6, mar. /abr., 2015, p. 14-20.

MARTINS, Luciana Conrado. Existe um currículo museal? As teorias curriculares na compreensão da educação em museus. ETD- Educação Temática Digital Campinas, São Paulo, v.20, n.3, p.640-661, 2018.

MARTINS, Dalton Lopes. As práticas da cultura digital. Revista do Centro de Pesquisa e Formação / Nº 7, novembro 2018.

NAVARRETE, Trilce; BOROWIECK, Karol J. Change in access after digitization: ethnographic collections in Wikipedia. ACEI Working paper series. Association for Cultural Economics International. Outubro 2015. Disponível online em: . Acesso em 15/07/2019.

SANTOS, Maria Celia Teixeira Moura. Encontros museológicos. Reflexões sobre a museologia, a educação e o museu. Rio de Janeiro: MINC/IPHAN/DEMU, 2008.

ROBERTS, Lisa C. From knowledge to narrative: educators and the changing museum. Washington, London: Smithsonian Institution Press, 1997.

VAN-PRÄET, Michel; POUCET, B. Les musées, lieux de contre-éducation et de partenariat avec l’école. Éducation & Pédagogies, n.16, 1992.

VARINE, Hugues de. As raízes do futuro. Editora Medianiz. 2013. 255p.

VESSURI, Hebe. Museos en la transición digital ¿Nuevas asimetrías?. In: Göbel, B. y Chicote, G. (Ed.). (2017). Transiciones inciertas: Archivos, conocimientos y transformación digital en América Latina. La Plata: Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación; Berlín: Ibero-Amerikanisches institut. (Variaciones; 1). Disponível em: . Acesso em: dez. 2018.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2019.44795

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

           


Índice de citação de artigos:


Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.