DE MENINO À SUJEITO-HOMEM: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Rubiana Nascimento Viana

Resumo


O seguinte trabalho apresenta análises que objetivam relatar uma experiência de estágio curricular obrigatório em psicologia, em uma instituição para cumprimento de medida socioeducativa direcionada à jovens em conflito com a lei, também usuários de um serviço de saúde mental. Considerando os tensionamentos produzidos ao longo deste período, bem como os atravessamentos raciais e socioeconômicos que antecedem a minha chegada a este lugar e que se desenrolam também ao longo das intervenções, tais análises produzem um analisador visceral: O silêncio. E é a partir deste que desenvolvo o relato, retomando a narrativa em uma tentativa de esmiuçar os fatores históricos e sociais que aproximam meu corpo ao corpo dos jovens ali encarcerados, incluindo em minhas análises as perspectivas construídas em função dos recortes produzidos em mim e nos sujeitos, colocando-me também em questão e valendo-me do método cartográfico de Deleuze e Guattari (1995) e da Necropolítica de Mbembe (2016).


Palavras-chave


Psicologia; racismo; socioeducação; cartografia; necropolítica; Psychology; racism; socioeducation; cartography; necropoly; Psicología; racismo; socioeducación; cartografía; necropolía.

Texto completo:

PDF

Referências


ALAPOLA, Kaique. Negros representam dois terços da população carcerária brasileira. Portal R7, 2017. Disponível em: https://noticias.r7.com/brasil/negros-representam-dois-tercos-da-populacao-carceraria-brasileira-08122017. Acesso em: 17 jun. 2019.

ARIES, P. História social da criança e da família. 2. ed. Zahar Editores. Rio de Janeiro, 1981.

BAREMBLITT, Gregorio F.Compêndio de análise institucional e outras correntes: teoria e prática. 5. ed. Instituto Felix Guattari. Belo Horizonte, 2002.

BASSETT, Fernanda. Brasil tem 5,5 milhões de crianças sem pai no registro. Exame, 2013. Disponível em: https://exame.abril.com.br/brasil/brasil-tem-5-5-milhoes-de-criancas-sem-pai-no-registro/. Acesso em: 18 jun. 2019.

BENELLI, Sílvio José. A Instituição total como agência de produção de subjetividade na sociedade disciplinar. Estudos de Psicologia (campinas), Campinas, v. 21, n. 3, p.237-252, dez. 2004. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-166x2004000300008.

BENEVIDES, Regina. A psicologia e o sistema único de saúde: quais interfaces?. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p.21-25, ago. 2005. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-71822005000200004.

BIANCHI, Paula. 9 em cada 10 mortos pela polícia no Rio são negros ou pardos. UOL, 2017. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2017/07/26/rj-9-em-cada-10-mortos-pela-policia-no-rio-sao-negros-ou-pardos.htm. Acesso em: 17 jun. 2019.

BIANCHI, Paula. Número de mortos pelas polícias no RJ passa de 1.000 em 2017 e já é o maior em quase 10 anos. UOL, 2017. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2017/12/18/numero-de-mortos-pela-polica-no-rio-ultrapassa-os-1000-e-ja-o-maior-em-quase-10-anos.htm. Acesso em: 17 jun. 2019.

BICALHO, Pedro Paulo Gastalho de; KASTRUP, Virginia; REISHOFFER, Jefferson Cruz. Psicologia e segurança pública: invenção de outras máquinas de guerra. Psicologia & Sociedade, [s.l.], v. 24, n. 1, p.56-65, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v24n1/07.pdf. Acesso em: 17 jun. 2019.

CASTRO, Flora. Expectativa de vida na Maré é de 74, mas média das mortes é de 24 anos, diz relatório. Brasil de Fato, 2019. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2019/02/22/redes-da-mare-lanca-boletim-direito-a-seguranca-publica-na-mare/. Acesso em: 17 jun. 2019.

COIMBRA, C.; RIBEIRO, R.; SILVA, M. Especialista do Juizado e a doutrina de Segurança Nacional. In: NASCIMENTO, Maria Lívia do. (org.) Pivetes: a produção de infâncias desiguais Niterói: Intertexto; Rio de Janeiro: Oficina do Autor. 2002.

COIMBRA, Cecília Maria Bouças; NASCIMENTO, Maria Lívia do. Sobreimplicação: práticas de esvaziamento político? 2004. Disponível em: https://app.uff.br/slab/uploads/texto22.pdf. Acesso em: 17 jun. 2019.

COIMBRA, Cecília. Operação Rio: o mito das classes perigosas: um estudo sobre violência urbana, a mídia impressa e os discursos de segurança pública. Rio de Janeiro, Oficina do Autor. Niterói, Intertexto. 2001.

CUNHA, Eduardo L. Entre o assujeitamento e a afirmação de si. Cadernos de Psicanálise, SPCRJ, v.18, n.21, p.167-180. 2002. Disponível em: http://ebep.org.br/artigos/2Cunha_-_confissao_spcrj__1_.pdf. Acesso em: 17 jun. 2019.

D’ELIA FILHO, Orlando Zaccone. Acionistas do nada: quem são os traficantes de droga. Rio de Janeiro: Revan, 2007. 2ª edição abril de 2008.

DAMASCENO, Marizete Gouveia; ZANELLO, Valeska M. Loyola. Saúde Mental e Racismo Contra Negros: Produção Bibliográfica Brasileira dos Últimos Quinze Anos. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 38, n. 3, p.450-464, set. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/1982-37030003262017.

DONZELOT, J. A polícia das famílias. Edições Graal. Rio de Janeiro, 1980.

FÁBIO, André Cabette. O perfil dos traficantes no Rio. E o que os atrai para o crime. NEXO, 2018. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/08/02/O-perfil-dos-traficantes-no-Rio.-E-o-que-os-atrai-para-o-crime. Acesso em: 17 jun. 2019.

GARCIA, Maria Fernanda. Show de horror: até 1958, existiam zoológicos humanos pelo mundo. Observatório do terceiro setor, 2018. Disponível em: https://observatorio3setor.org.br/carrossel/show-de-horror-ate-1958-existiam-zoologicos-humanos-pelo-mundo/. Acesso em: 17 jun. 2019.

LORDE, Audre. The Transformation of Silence into Language and Action. In: LORDE, Audre. Sister Outsider: essays and speeches. Crossing Press. Trumansburg, 1984.

LYRA, Diogo. A república dos meninos: juventude, tráfico e virtude. Rio de Janeiro: Mauad X: FAPERJ, 2013.

MAIA, Kenia Soares; ZAMORA, Maria Helena Navas; BAPTISTA, Rachel Fontes. Reflexões sobre o racismo em Campos dos Goytacazes: um olhar existencialista sobre a descolonização. Revista de Psicologia, Fortaleza, v. 10, n. 1, p.105-112, 2019. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/33680. Acesso em: 17 jun. 2019.

MAIORIA dos alunos das universidades federais tem renda baixa, é parda ou preta e vem de escola pública. O Globo. 2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/2019/05/17/582327-maioria-dos-alunos-das-universidades-federais-tem-renda-baixa-parda-ou-preta-vem-de-escola-publica. Acesso em 17 jun. 2019.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios: revista do ppgav/eba/ufrj, Rio de Janeiro, n. 32, p.123-151, 2016. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993/7169. Acesso em: 17 jun. 2019.

PASSOS, Eduardo; BARROS, Regina Benevides de. A construção do plano da clínica e o conceito de transdisciplinaridade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 16, n. 1, p.71-79, abr. 2000. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-37722000000100010.

SARAIVA, Adriana. População chega a 205,5 milhões, com menos brancos e mais pardos e pretos. Agência IBGE de Notícias, 2017. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18282-populacao-chega-a-205-5-milhoes-com-menos-brancos-e-mais-pardos-e-pretos. Acesso em: 18 jun. 2019.

SCHEINVAR, E. Idade e proteção: fundamentos legais para a criminalização da criança e do adolescente e das famílias (pobres). In: NASCIMENTO, Maria Lívia do. (org.) Pivetes: a produção de infâncias desiguais Niterói: Intertexto; Rio de Janeiro: Oficina do Autor. 2002.

SILVA, Alyne Alvarez. Das vidas que não (se) contam: dispositivos de desinstitucionalização da medida de segurança no Pará. 2015. 345 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: https://leto.pucsp.br/bitstream/handle/17130/1/Alyne%20Alvarez%20Silva.pdf. Acesso em: 17 jun. 2019.

SILVEIRA, Luana da. Hóspedes do Profeta sem Morada: estudo sobre modos de subjetivação da migração, a partir das experiências de estudantes de pós-graduação participantes de programas de intercâmbio internacional. Tese (doutorado) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=6109. Acesso em: 17 jun. 2019.

SOARES, Fabio Montalvão. A produção de subjetividades no contexto do capitalismo contemporâneo: Guattari e Negri. Fractal: Revista de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 28, n. 1, p.118-126, abr. 2016. Http://dx.doi.org/10.1590/1984-0292/1170.

SOUZA, Tadeu de Paula. A norma de abstinência e o dispositivo "drogas": direitos universais em territórios marginais de produção de saúde (perspectivas da redução de danos). 2013. 355 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/312021. Acesso em: 17 jun. 2019.

VIEIRA, Isabela. IBGE: negros são 17% dos mais ricos e três quartos da população mais pobre. Agência Brasil, 2016. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-12/ibge-negros-sao-17-dos-mais-ricos-e-tres-quartos-da-populacao-mais-pobre. Acesso em: 18 jun. 2019.

ZAMBENEDETTI, Gustavo; SILVA, Rosane Azevedo Neves da. Cartografia e genealogia: aproximações possíveis para a pesquisa em psicologia social. Psicologia & Sociedade, [s.l.], v. 23, n. 3, p.454-463, dez. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-71822011000300002.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2019.44172

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

           


Índice de citação de artigos:


Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.