O LUGAR DA PESQUISA NA EDUCAÇÃO MUSEAL: DESAFIOS, PANORAMAS E PERSPECTIVAS

Ozias Jesus Soares, Carla Gruzman

Resumo


O texto produz reflexões e elenca perspectivas para a educação museal no que se refere à dimensão das pesquisas. O atendimento ao público atribuiu à educação museal uma dimensão unicamente prática, e demais aspectos acabaram secundarizados. A partir dos anos 1980, predominantemente, observa-se um crescimento nas pesquisas neste campo. Alguns desafios históricos vêm sendo superados e aqui se destacam a criação de programas de pós-graduação e outros grupos de pesquisas em universidades e museus que vem acolhendo interessados no estudo de temas que atravessam o campo museal. Leva em consideração um recente conjunto normativo que organizou e consolidou o lugar da educação e da pesquisa nos museus. Tradicionalmente nos museus a pesquisa se direcionou à investigação sobre acervos, coleções ou personagens. Mais recentemente uma vertente que vem se afirmando são os estudos de públicos sob os mais diversos matizes. As reflexões aqui reunidas consideram que a pesquisa em educação museal precisa responder a um duplo desafio: atender a demandas de pesquisas relacionadas à necessidade de avanço teórico-conceitual; e, adensar investigações que realimentem as práticas educativas nos museus. Em diálogo com a literatura e a partir de uma abordagem qualitativa, o artigo apresenta desafios ainda existentes nos museus. Embora com diferentes embates, sob a perspectiva do fortalecimento de políticas publicas de cultura, o texto debate os avanços legais, em especial a partir da dimensão participativa das redes de educadores e outras entidades representativas do campo, bem como as perspectivas abertas por elementos que indicariam caminhos promissores para a pesquisa no campo museal.


Palavras-chave


Museus, educação museal; pesquisas; políticas públicas

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. M.; LOPES, M. M. Modelos de comunicação aplicados aos estudos de públicos de museus. Revista Ciências Humanas, Taubaté: Unitau, v. 9, n. 2, p. 137-145, jul./dez. 2003.

ALMEIDA, Adriana Mortara. Estudos de Público: a avaliação de exposição como instrumento para compreender um processo de comunicação. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, n. 5, p. 325-334, dec. 1995.

BARBUY, Heloísa. O Brasil vai a Paris: Um lugar na Exposição Universal. Anais do Museu Paulista. São Paulo. N. Sér. v.4 p.211-61 jan./dez. 1996

BIZERRA, A. F. Atividade de Aprendizagem em Museus de Ciências. 2009. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

BOURDIEU, P.; DARBEL, A. L ’amour de l ’art. les musées d ’art européens et leur public. Les editions de Minuit, Paris. 1985

BRASIL. Estatuto dos Museus. Lei n. 11.094/2009. Brasília, DF, 14 de Janeiro de 2009.

__________. Plano Nacional de Cultura – PNC. Lei n. 12.343/2010. Brasília, DF, 2 de Dezembro de 2010.

CASTRO, Fernanda Rabello de. Há sentido na Educação Não Formal na perspectiva da Formação Integral? In: Museologia e Interdisciplinaridade, v. IV, n. 08, dez. 2015.

____________. Construindo o campo da educação museal: um passeio pelas políticas públicas de museus no Brasil e em Portugal. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação/Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2018.

CASTRO, Fernanda S. R. ; SOARES, Ozias de Jesus . Políticas Públicas: garantia do direito à cultura e à memória. MOUSEION (UNILASALLE), v. 1, p. 30-42, 2018.

CAZELLI, Sibele. Ciência, cultura, museus, jovens e escola: quais as relações? Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2005.

CIRANI, Claudia Brito Silva; CAMPANARIO, Milton de Abreu and SILVA, Heloisa Helena Marques da. A evolução do ensino da pós-graduação senso estrito no Brasil: análise exploratória e proposições para pesquisa. Avaliação (Campinas) [online]. 2015, vol.20, n.1, pp.163-187.

COIMBRA, Carlos; CAZELLI, Sibele; FALCÃO, Douglas; VALENTE, Maria Esther. Tipos de audiência segundo a autonomia sociocultural e sua utilidade em programas de divulgação. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, jan./mar., n. 188, p. 113-124, 2012.

CURY, Marília Xavier. Os usos que o público faz dos museus: a (re)significação da cultural material e do museu. MUSAS - Revista Brasileira de Museus e Museologia, v. 1, n. 1, p. 87-106, 2004.

______________. Comunicação e pesquisa de recepção: uma perspectiva teórico-metodológica para os museus. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, n. 3, p.365-380, 2005.

DAMICO, J.S; STUDART, D.C. Estatísticas de visitação: 1999 a 2007. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz / Casa de Oswaldo Cruz / Museu da Vida, 2008. (Cadernos Museu da Vida; 1). 35p.

DAVALLON, J., (1995). “Musée et muséologie. Introduction”, in Musées et Recherche, Anais da conferência realizada em Paris, em 29, 30 de novembro e 1 de dezembro de 1993, Dijon, OCIM.

DESVALLÉES, André e MAIRESSE, François. Conceitos-chave de Museologia. São Paulo: Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus: Pinacoteca do Estado de São Paulo : Secretaria de Estado da Cultura, 2013.

EMERICH, Adriana Malaman. Estudo bibliométrico no Portal Capes: termos e conceitos em educação em museu. 2017. 96 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Preservação de Acervos de Ciência e Tecnologia, Ppact, Museu de Astronomia e Ciências Afins, Rio de Janeiro, 2017.

FALCAO, D.; GILBERT, J. Método da lembrança estimulada: uma ferramenta de investigação sobre aprendizagem em museus de ciências. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro , v. 12, supl. p. 93-115, 2005 .

FALK, J; STORKSDIECK, M. Learning science from museums. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v.12. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Oswaldo Cruz, p.117-144, 2005.

GARCIA, Valéria Aroeira. Um sobrevôo: o conceito de educação não formal. In: FERNANDES, Renata Sieiro e PARK, Margareth Brandini (orgs.). Educação Não-Formal: contextos, percursos e sujeitos. Campinas, SP; UNICAMP/CMU; Holambra, SP: Editora Setembro, 2005. p. 19-43

GRUZMAN, Carla. Educação, Ciência e Saúde no Museu: uma análise enunciativo-discursiva da exposição do Museu de Microbiologia do Instituto Butantan. 2012.00f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

GRUZMAN, Carla. ; SOARES, Ozias de Jesus ; GONZALEZ, Ana Carolina. S. ; REIS, Bianca. S. S. ; SOARES, Marcus ; MORAES, Carolina. M. R. ; AMARAL, Marise. B. ; SALOMAO, Simone. R. . Museus de Ciências e formação inicial de professores: discutindo metodologias de investigação sobre apropriação do discurso expositivo. In: XV Congresso da RedPOP, 2018, Buenos Aires. XV CONGRESSO DA REDPOP Nuevas Maneras de popularizar la ciencia. Buenos Aires: Universidad Nacional de La Plata, 2018. v. 1. p. 520-525.

HOOPER-GREENHILL, E. Education, communication and interpretation: towards a critical pedagogy in museums. In: The educational role of the museum. London: Routledge, p. 3-25, 1994.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS (IBRAM). Plano Nacional Setorial de Museus - 2010/2020. Brasília, DF: MinC/Ibram, 2010.

_______________. Museus em números. Brasília: Instituto Brasileiro de Museus, 2011.

_______________. Cadastro Nacional de Museus/2ª edição, 2014. Disponível em http://sistemas.museus.gov.br/cnm/pesquisa/listarPorUf?uf=RJ . Acesso em 10 de janeiro de 2016.

_______________. Política Nacional de Educação Museal. Brasília, DF: IBRAM/MinC, 2017.

JULIÃO, L. Pesquisa Histórica no Museu. In: Caderno de Diretrizes Museológicas. Brasília: MinC/IPHAN/DEMU/ Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Cultura/Superintendência de Museus, 2006.

KÖPTCKE, Luciana Sepúlveda. Bárbaros, escravos e civilizados: o público dos museus no Brasil, In: Chagas, M., S., (org.) Museus: antropofagia da memória e do patrimônio- Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 31, Rio de Janeiro: Instituto do Patrimônio Artístico e Histórico Nacional, 2005. pp. 184-205.

_______________. Público, o X da questão? a construção de uma agenda de pesquisa sobre os estudos de público no Brasil. Museologia e Interdisciplinaridade, v. 1, n. 1, p.209-235, jan./jul. 2012.

KÖPTCKE, Luciana Sepúlveda; CAZELLI, Sibele; LIMA, José Matias de. Museus e seus visitantes: relatório de pesquisa perfil-opinião 2005. Brasília: Gráfica e Editora Brasil, 2008.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e Pedagogos: pra quê? São Paulo: Cortez, 2008.

LOPES, M. M. A favor da desescolarização dos museus. Educação e Sociedade, n. 40, p. 443-455, dez. 1991.

MANO, Sonia; CAZELLI Sibele; COSTA, Andréa Fernandes; DAMICO, José Sergio; SILVA, Loloano Claudionor da; CRUZ, Wailã de Souza; GUIMARÃES, Vanessa Fernandes. Museus de Ciência e seus visitantes: estudo longitudinal - 2005, 2009, 2013. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz / Casa de Oswaldo Cruz / Museu da Vida, 2017.

MANO, S.M.F.; DAMICO, J.S; 2013. O que dizem os ausentes? Um estudo qualiquantitativo sobre visitas agendadas e não realizadas no Museu da Vida (2002-2011). Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz / Casa de Oswaldo Cruz / Museu da Vida, 2013. (Cadernos Museu da Vida; 4). 36p.

MARANDINO, M. O conhecimento biológico nos museus de ciências: análise do processo de construção do discurso expositivo. 2001. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

_______________. Faz sentido ainda propor a separação entre os termos educação formal, não formal e informal?. Ciênc. Educ., Bauru, v. 23, n. 4, p. 811-816, 2017

MARQUES, R. S.; SILVA, R. M.L. O Reflexo das políticas universitárias na imagem dos museus universitários: o caso dos museus da UFBA. Rev. Elet. do PPG-PMUS Unirio | MAST - vol. 4 no 1, 2011. Disponível em: http://revistamuseologiaepatrimonio.mast.br/index.php/ppgpmus/article/viewFile/149/ Acesso em: 10 jan. 2017

MCMANUS, Paulette M. 1992. Topics in Museums and Science Education. Studies In:

Science Education, n. 20, p. 157-182.

NASCIMENTO, S. S.; VENTURA, P. C. S. A dimensão comunicativa de uma exposição de objetos técnicos. Ciência & Educação, Bauru, v. 11, n. 3, dez. 2005.

PEDRETTI, E. The medium is the message: Unraveling visitors’s experiences of Body Worlds and the Story of the Heart. In E. Davidsson and Anders Davidsson (Eds). Understanding interactions at science centers and museums – A sociocultural perspective (pp. 45-62). The Netherlands: Sense Publishers, 2012.

POULOT, Dominique. Uma história do patrimônio no Ocidente. SP: Estação Liberdade, 2009.

PUGLIESE, A. Os museus de ciências e os cursos de licenciatura em Ciências Biológicas: o papel desses espaços na formação inicial de professores. 2015. 231f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo (FEUSP), São Paulo, 2015.

SANTOS, Maria Célia Teixeira Moura. O Papel dos museus na construção de “uma identidade nacional”. Anais do Museu Histórico Nacional. Vol. XXVIII, Rio de Janeiro, 1996, p. 21-36.

SEIBEL-MACHADO, Maria Iloni. A Educação nos Museus de Ciências: o papel dos Serviços Educativos e suas relações com os objetivos do museu e com o público interno e externo. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em História e Ensino das Ciências da Terra. IGC/UNICAMP, Campinas, São Paulo, 2009. 244p.

SOARES, Ozias de Jesus. Apontamentos sobre desafios dos espaços-tempos de educação: museus, escolas e outras conversas. In: LIMA-TAVARES, D., VILELA, M.L., AYRES, A. C. M., MATOS, M. (orgs). Tecendo laços docentes entre ciência e culturas. Curitiba: Prismas, 2016.

SOARES, Ozias de Jesus; GRUZMAN, Carla. ; MORAES, Carolina. M. R. . Práticas educativas em exposições de museus de ciências e formação de professores: estabelecendo conexões.. In: IV CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 2017, João Pessoa. Anais do IV Congresso Nacional de Educação. Campina Grande: Editora Realize, 2017. v. 1. p. 01-06.

SOARES, Ozias de Jesus; GRUZMAN, Carla. ; MORAES, Carolina. M. R. . Formação e trabalho docente na relação com museus de ciências. In: III JORNADA IBEROAMERICANA DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS E EXPERIÊNCIAS INTERDISCIPLINARES EM EDUCAÇÃO, 2018, Brasília. Anais da III Jornada Iberoamericana de políticas educacionais e experiências interdisciplinares em educação. Recife: Even3, 2018. v. 3. p. 1-14.

SOFKA, Vinos. A pesquisa no museu e sobre o museu. In.: MUSEOLOGIA E PATRIMÔNIO - vol.II no 1 - jan/jun de 2009. Tradução de T. Scheiner.

SOUZA, Renata Nascimento de. O pedagogo e os espaços não escolares: a atuação nos museus. Dissertação (mestrado em Educação) - Departamento de Educação, PUC RJ, Rio de Janeiro, 2016.

TRILLA, Jaume. A educação não-formal. In.: Educação formal e não-formal: pontos e contrapontos/ Valéria Amorim Arantes (org.). São Paulo: Summus, 2008 p. 15-58

VALENTE, M. Esther. Educação e Museus: a dimensão educativa do Museu. In: GRANATO, M.; SANTOS, C. P. S.; LOUREIRO, M.L. Museu e Museologia: interfaces e Perspectivas. Rio de Janeiro: MAST, 2009.

VALENTE, M. E. Especificidades da Comunicação em Museus de Ciência e Tecnologia Brasileiros. In: Aline M. Magalhães, Rafael Bezerra, Sarah, Fassa Benchetrit. (Org.). Museus e Comunicação: exposições como objeto de estudo. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2010, v. 1, p. 1-400.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2019.39809

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

           


Índice de citação de artigos:


Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.