DA TELEVISÃO ANALÓGICA AOS CANAIS DO YOUTUBE NA INTERNET: OUTRAS FORMAS DE PRODUZIR E COMPARTILHAR

Simone Lucena

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar alguns aspectos da história da televisão analógica no Brasil bem como entender as potencialidades da TV digital, da WebTV e da rede YouTube. A relevância desde texto, que é uma pesquisa bibliográfica, está no fato de discutir novos formatos para a produção audiovisual na internet e sua importância para a educação. Para tanto utilizamos referenciais como Lucena (2009, 2012), Lemos (2003, 2009), Lévy (2000), Santaella (2007) e Santos (2000). A televisão analógica foi uma invenção desenvolvida em meados do século XX, porém ao longo de algumas décadas a forma como inicialmente a televisão foi pensada tem se modificado. A grande transformação no sistema televisivo surgiu no inicio do século XXI com a TV digital. A TV digital é na verdade uma nova mídia. Não se trata de um aperfeiçoamento tecnológico, mas de uma mídia, que combina e absorve as tecnologias existentes e que poderá produzir outras tantas mídias, a depender das escolhas políticas. É também no início do século XXI que temos uma expansão da internet por meio de fibras e óptica, das redes Wi-fi e das tecnologias móveis que ampliam as potencialidades da cibercultura ao disponibilizar novas interfaces de comunicação, produção e publicação de conteúdos. Para a educação estas potencialidades da cibercultura são de grande importância, pois possibilita novas formas de produzir e compartilhar saberes e culturas.

Palavras-chave


Televisão analógica; TV digital; WebTV; Cibercultura; Educação

Texto completo:

PDF

Referências


CAPARELLI, Sérgio. Comunicação de massas em massa. São Paulo: Summus, 1986.

COUCHOT, Edmund. A arte pode ainda ser um relógio que adianta? O autor, a obra e o espectador na hora do tempo real. In: DOMINGUES, Diana (Org.). A arte no século XXI: A humanização das tecnologias. São Paulo: Editora da UNESP, 1997.

HABERMA. Jürgen. Atores da sociedade civil, opinião pública e poder comunicativo. In: O direito e a democracia: entre a facticidade e a validade. Vol. II. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1997.

JAMBEIRO, Othon. A TV no Brasil do século XX. Salvador: Edufba, 2002.

LEMOS, André. Anjos Interativos e retribalização do mundo. Sobre interatividade e interfaces digitais. http://www.facom.ufba.br/pesq/cyber/lemos/interac.html - Capturado em 02/12/2001

LEMOS, André. Cibercultura. Alguns pontos para compreender a nossa época. In: LEMOS, A.; CUNHA, P. Olhares sobre a cibercultura. Porto Alegre: Sulinas, 2003.

LEMOS, André. Cibercultura como Território Recombinante. In: Cazeloto, E., Trivinho, E.. (Org.). A cibercultura e seu espelho: campo de conhecimento emergente e nova vivência humana na era da imersão interativa. São Paulo: Itaú Cultural/Abciber, 2009.

LÈVY, Pierre. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 2000.

LUCENA, Simone; PRETTO, Nelson De Luca. . As novas educações e os potenciais da TV e das redes digitais. In: 32ª Reunião Anual da ANPED, 2009, Caxambu - MG. Sociedade, Cultura e educação: novas regulações. Rio de Janeiro: Anped, 2009. v. 1. p. 1-16.

LUCENA, Simone. Educação e TV digital: situação e perspectiva. Maceió: EDUFAL, 2012.

MACHADO, Arlindo. Pré-cinema & pós-cinema. Campinas – SP: Papirus, 1997.

MARQUES, Célio Gpnçalves. Tellagami: criação e partilha de vídeos. In: CARVALHO, Ana Amélia A. (Org.). Apps para dispositivos móveis: manual para professores, formadores e bibliotecários. Ministério da Educação de Portugal. Direção Geral de Educação, 2015. Disponível em: Acesso em 28 de jan. 2018.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Televisão pública, televisão cultural: entre a renovação e a invenção. In: Rincón, O. (Org.). Televisão pública: do consumidor ao cidadão. Quito, Equador: Editora: Friedrich Ebert Stiftung (FES), 2002.

MOTA, Maria Regina de Paula. TV Pública: educação e cidadania no ar. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG. Belo Horizonte, 1992.

MOTA, Regina. Os desafios da TV digital no Brasil. In: BARBOSA FILHO, André; CASTRO, Cosette.; TOME, Takashi. (Orgs.). Mídias digitais: convergência tecnológica e inclusão social. São Paulo: Paulinas, 2005.

Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros [livro eletrônico]: TIC domicílios 2015. Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR [editor]. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2016.

PRIMO, Alex. Interação mediada por computador: comunicação, cibercultura, cognição. Porto Alegre: Sulinas, 2007.

RABAÇA, Carlos Alberto & BARBOSA, Gustavo Guimarães. Dicionário de Comunicação. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

REY, Germán. O cenário móvel da televisão pública: Alguns elementos do contexto. In: Rincón, Omar (org.). Televisão pública: do consumidor ao cidadão. Quito, Equador: Editora: Friedrich Ebert Stiftung (FES), 2002.

SANTAELLA, Lucia. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007.

SILVA, Marco. Sala de aula interativa. Rio de Janeiro: Quartet, 2000.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2018.32529

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadoxação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.